talento digital

A evolução das TICs (Tecnologias da Informação e Comunicação) impulsionou o desenvolvimento de um tipo de talento associado à digitalização e essas capacidades são cada vez mais demandadas. Apresentamos para você as últimas tendências.

TeInteresa
  • As TIC (Tecnologias da Informação e a Comunicação) oferecem inúmeras vantagens: mais acesso à informação, redução de custos no setor trabalhista, mais conectividade entre as pessoas, etc. Porém, a digitalização não está acontecendo de forma igualitária em todo o mundo. Também existe um desequilíbrio e o nome para isto é exclusão digital.

    Em duas décadas — pode ser que menos —, os robôs farão muitos dos trabalhos desempenhados pelos humanos. Mas, antes de ligar os alarmes, vamos ouvir os especialistas. Eles apontam que, na disputa homem-máquina, o ser humano conta com uma vantagem competitiva: a inteligência emocional.

  • A inovação é uma das palavras-chave do século XXI e a formação deve unir-se a esta (r)evolução para estar à altura das demandas de um mundo hiperativo e hiperconectado. Para lidar com todos esses desafios, a tecnologia surge como uma aliada imprescindível para impulsionar uma educação disruptiva que faça uma nova abordagem da aprendizagem.

    Os nanodegrees estão revolucionando o mundo da educação e o acesso aos empregos de ponta em escala global. Esses cursos, de caráter colaborativo e personalizável, focam mais nas habilidades do que nos conhecimentos e, graças às TICs, permitem democratizar o ensino.

  • Encontrar novas oportunidades de trabalho, entrar em contato com colaboradores, apresentar seu projeto pessoal ou conhecer potenciais clientes. Em um mundo dominado pela tecnologia, o networking em sua versão online se converteu em uma vantagem competitiva. Apesar disso, convém não menosprezar o valor de um face a face.

    De acordo com os dados da associação GSMA (organização de operadores e companhias móveis), o número de usuários de telefonia celular já passa dos 5 bilhões em todo o mundo. E continua aumentando. Por esse motivo, setores como o da educação e da formação não podem fechar os olhos para esta realidade. A resposta é o mobile learning, que converte estes dispositivos em aliados na hora de ensinar.