SEGURANÇA RODOVIÁRIA

Tecnologias para sonhar com índice zero de acidentes

Se todos os veículos atuais estivessem dotados dos últimos avanços em segurança, seriam salvas 25.500 vidas por ano nas estradas europeias.

Segurança viária.

Esses dados publicados no encerramento de 2016 pela Comissão de Mobilidade e Transporte da União Europeia são corroborados pela Direção-Geral de Tráfego (DGT), que calcula em 57% os acidentes que poderiam ser evitados se todos os veículos tivessem sistemas de assistência à condução (ADAS, em sua sigla em inglês).

A tecnologia aplicada aos automóveis salva vidas e associações como a espanhola Stop Accidentes ou a aliança global Stop the Crash têm como objetivo realizar o sonho de ter um índice zero de acidentes. Por isso, pedem aos governos que obriguem os fabricantes a incorporá-las nos veículos novos.

Nas diferentes propostas para a elaboração do novo Plano Estratégico de Segurança Rodoviária da DGT, a tecnologia ocupa um lugar fundamental e pede-se a obrigatoriedade dos seguintes dispositivos:

  • Sistemas de detecção de pedestres e ciclistas: mediante uma câmera e um radar que aplicam a brecada autônoma se for necessário.
  • Brecada automática de emergência: mediante um radar que vigia a distância e a velocidade do veículo anterior.
  • Alerta de mudanças de faixa involuntárias: sensores de infravermelhos, câmera ou laser detectam a linha da estrada, avisando se foi ultrapassada.
  • Câmeras de marcha à ré: mostram o espaço traseiro na tela do painel de instrumentos para evitar o atropelamento de pedestres.
  • Vigilância de ângulo morto: nos retrovisores não se vê o veículo que circula ao lado, quase à nossa altura, especialmente motos ou ciclistas. Esse sistema é capaz de detectá-los e avisar mediante uma luz e um apito.
  • Detecção de fadiga e distrações do motorista: câmeras que registram a face e os olhos do motorista, e avisam quando a capacidade de atenção se reduz.

Siglas que salvam vidas

 VER INFOGRÁFICO COMPLETO: Segurança rodoviária [PDF]

Os motoristas estão cada vez mais conscientizados no que se refere à segurança proporcionada pela tecnologia, por isso levam em consideração esse fator na hora de comprar um veículo. As tecnologias mais demandadas pelos usuários hoje em dia são:

  • Visão noturna
  • Brecada automática
  • Estacionamento automático
  • Head Up Visor (informação refletida no para-brisa)
  • Detector de ângulo morto no retrovisor
  • Condução semiautônoma

É verdade que as tecnologias ajudam a salvar vidas, mas também podem constituir um problema se o motorista se distrair com o GPS ou com o celular. De acordo com a DGT, os acidentes por distração aumentaram nos últimos 10 anos e já representam 24% do total (2016). Também aumentaram as multas por esse motivo: mais de 190.000 por ano (2015). O envio de uma mensagem de WhatsApp na rodovia significa um percurso de 660 metros às cegas e o manuseio do celular multiplica o risco de acidente por 23. Dirigir um veículo é uma tarefa em tempo integral e exige 100% de nossa atenção.

Seguro e eficiente

A tecnologia não só está dando passos de gigante na segurança, como também em algo tão importante como a sustentabilidade. O transporte é responsável por 25% das emissões de CO2 na Europa e a Iberdrola quer contribuir em sua redução com seu Plano de Mobilidade Sustentável.

Veículo elétrico Iberdrola no ponto de carregamento.

Essa iniciativa, dinâmica e em atualização constante, tem um caráter integral e envolve empregados, empresa, clientes e fornecedores. É composta por 23 medidas que visam colocar em funcionamento veículos elétricos, fomentar o uso da bicicleta e do transporte coletivo, otimizar os trajetos dos veículos corporativos e impulsionar o car sharing e a frota verde, entre outras.