FECHAMENTO DE USINAS DE CARVÃO

Iberdrola completa o fechamento de suas usinas a carvão e avança para a transformação verde

#empresa #sustentabilidade ambiental #mudanças climáticas

A companhia suprime o carvão ao fechar as usinas termelétricas de Lada (Astúrias) e Velilla (Palência), concluindo um processo iniciado em 2001 que levou ao fechamento de 17 usinas termelétricas a carvão e óleo combustível em todo o mundo representando uma produção total de mais de 8.500 MW.

TRANSFORMAÇÃO VERDE NAS REGIÕES DE LADA E VELILLA

Para evitar a perda de empregos que o fechamento das usinas de Lada e Velilla poderia ocasionar, a Iberdrola implementou diversos planos de transformação verde em tais regiões. Os planos incluem investimentos em energias renováveis, a criação de plataformas cidadãs, projetos de economia circular, a dinamização do tecido empresarial e a criação de emprego na região em torno de princípios verdes e inovação, além de apoio ao empreendimento local.

 Investimento em energias 100 % renováveis

Dessa forma, o compromisso da Iberdrola de consolidar um modelo energético do futuro se manifesta nas Astúrias com a aceleração de novos investimentos em projetos eólicos na região, onde está construindo quatro parques eólicos que envolverão mais de 100 milhões de euros em investimentos. Com uma potência total de 130 MW, esses projetos permitirão triplicar a capacidade renovável da companhia na região. Além disso, a Iberdrola assinou contratos com seis empresas locais para novos projetos de energias renováveis e para a implantação de redes elétricas inteligentes.

O grupo avança na construção de três desses parques (Cordel-Vidural, Capiechamartín e Panondres) que, por estarem localizados em uma orografia de alta montanha, se converteram na obra de infraestrutura eólica mais complexa realizada na Espanha atualmente.

Por outro lado, em Castela e Leão promoverá nos próximos anos mais de 1.800 MW em projetos de energias renováveis, mais de 1.800 MW em projetos de energias renováveis, para os quais fará investimentos superiores a 1,3 bilhão de euros, o que permitirá criar 18.000 postos de trabalho. Na própria localidade de Velilla construirá o maior complexo fotovoltaico da região (400 MW de potência instalada), que também será um dos maiores da Espanha.

Nessa região a Iberdrola já tem em operação mais de 5.100 MW eólicos e hidráulicos, aos quais se soma uma carteira de projetos eólicos e fotovoltaicos que atualmente já representa mais de 1.100 MW e cuja tramitação será iniciada em 2020 para sua implantação a partir de 2022.

 Dinamização do tecido industrial local

A construção desses projetos está ajudando a dinamizar o tecido industrial local e nacional, além de criar emprego na região, pois praticamente todo o trabalho de campo e obras civis está sendo realizado por empresas locais.

Nas Astúrias, nos últimos 18 meses, os contratos adjudicados pela Iberdrola a empresas locais se aceleraram atingindo a cifra de 300 milhões de euros, enquanto em Castela e Leão a companhia compra anualmente 150 milhões de euros de mais de 700 empresas da região, gerando 265 empregos/ano.

 Plataforma de Inovação Cidadã

O plano de recuperação verde da Iberdrola também inclui a implementação de Plataformas de Inovação Cidadã em ambas as regiões para canalizar iniciativas empreendedoras que sirvam de instrumento para acelerar os processos de colaboração entre os cidadãos, entidades públicas e empresas. O plano também inclui a promoção de programas de treinamento e de divulgação para melhorar a empregabilidade.

Na usina de Lada (Astúrias) iniciou a primeira fase da Plataforma de Inovação Cidadã com o treinamento de 10 dos seus funcionários. Ela consistirá em coletar informações — por meio de dinâmicas de escuta comunitária — sobre os principais desafios e oportunidades na região e, desta forma, canalizar as melhores iniciativas de empreendimento em termos de P+D+i de empreendedores e fornecedores locais.

 Economia circular

Outro ponto é o incentivo à economia circular mediante a instalação de usinas de reciclagem e valorização de cinzas, escórias e gessos provenientes das antigas usinas termelétricas para transformá-los em novos materiais destinados ao setor da construção.

 Mobilidade sustentável

Tudo isso é complementado com mais investimentos em mobilidade sustentável, a instalação de infraestruturas de recarga para veículos elétricos e a análise de projetos de inovação relacionados às novas tecnologias, tais como o armazenamento energético, a produção de hidrogênio verde, etc.

IBERDROLA, COMPROMETIDA CONTRA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Com estes fechamentos a empresa acelera seu firme compromisso contra as mudanças climáticas: reduzir as emissões absolutas de gases de efeito estufa até 2030, em relação aos níveis alcançados em 2017, e ser neutra em carbono até 2050 em âmbito global. A Iberdrola emite atualmente 65,5 % menos que a média do setor elétrico europeu (de acordo com o Relatório de Sustentabilidade 2019 [PDF]) e solicitou à Comissão e ao Parlamento Europeu que aprovem objetivos ambientais mais ambiciosos para o ano de 2030 [PDF], aumentando a cota de energias renováveis até 35 % diante da aposta atual, que se situa em 27 %.

Dessa forma, e como reflexo de sua aposta na descarbonização da economia, na sustentabilidade energética e nas energias limpas, o o grupo Iberdrola é líder mundial em energias renováveis e se antecipou 20 anos em relação à atual transição energética.

Todas essas atuações estão alinhadas com os compromissos adquiridos pela empresa após a incorporação dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável à estratégia empresarial e seu apoio ao Acordo de Paris (COP21) e às posteriores Cúpulas do Clima.

A empresa também materializa seu compromisso através do financiamento verde: A Iberdrola se tornou em referente internacional em bônus verdes, a fonte perfeita de financiamento de longo prazo para os projetos que fazem a diferença do ponto de vista ambiental.