NotíciaVolver

02/07/2020

Garantiu o Presidente da Iberdrola durante sua exposição na apresentação do relatório 'Uma transição energética inovadora e sustentável na América Latina'

Galán: “A Ibero-América tem tudo o que é necessário para assumir a liderança da economia verde, graças aos seus recursos naturais hidrelétricos, eólicos e solares”

  • “Ao contrário de outras economias, o processo de eletrificação pode ser realizado diretamente com fontes sustentáveis sem ter que passar, como ocorreu em outros países, pela geração com combustíveis fósseis que, neste momento, está em processo de fechamento”, explicou Galán
  • A Iberdrola promove, há mais de 20 anos, o desenvolvimento desta região através de investimentos que superam a cifra de 20 bilhões de euros

“O fortalecimento da colaboração e diálogo entre governos, instituições e empresas privadas na Ibero-América é mais crítico do que nunca para avançar rumo a um sistema energético sustentável e competitivo, gerando por sua vez crescimento, emprego e bem-estar social”, garantiu nesta tarde o Presidente da Iberdrola, Ignacio Galán.

Durante sua exposição virtual na apresentação do relatório "Uma transição energética inovadora e sustentável na América Latina", organizada pela Fundación Iberoamericana Empresarial, Galán também apontou que “as regiões que tiverem situações mais estáveis, previsíveis, atrativas e pragmáticas, e garantirem uma maior segurança jurídica, serão as beneficiárias dos investimentos maciços e da criação de emprego para centenas de milhares de pessoas que a descarbonização envolve”.

No decorrer de sua palestra "O papel do setor privado para garantir uma oferta energética sustentável", o Presidente da Iberdrola destacou que, sob essas condições, a Empresa está mais do que comprometida para continuar liderando este processo: “Como empresa espanhola, ibero-americana e global, queremos contribuir para ser o acelerador da sustentabilidade e ajudar com nossa atividade a gerar emprego e crescimento econômico”.

De fato, a Iberdrola promove há mais de 20 anos o desenvolvimento da Ibero-América através de investimentos que superam a cifra de 20 bilhões de euros, que lhe permitiram converter-se em uma referência em geração de energia, produzindo atualmente mais eletricidade do que na Espanha, e fornecer, através dos 700.000 quilômetros de redes da empresa, eletricidade para aproximadamente 40 milhões de pessoas na região.

Para Galán, “a Ibero-América tem tudo o que é necessário para assumir a liderança da economia verde, graças aos seus recursos naturais hidrelétricos, eólicos e solares e ao esperado crescimento da demanda de eletricidade que, de acordo com os especialistas da ONU, poderia triplicar-se até 2050”. Além disso, ele também explicou que “ao contrário de outras economias, o processo de eletrificação pode ser realizado diretamente a partir de fontes sustentáveis sem ter que passar, como ocorreu em outros países, pela geração com combustíveis fósseis que, neste momento, está em processo de fechamento”.

Mas, para aproveitar esta oportunidade, “é necessário investir de forma decisiva em tecnologias renováveis, em redes elétricas e sistemas de armazenamento que proporcionem flexibilidade para sua integração”, afirmou o Presidente da Iberdrola.

Ignacio Galán destacou em sua exposição que “os benefícios associados às energias limpas não se limitam unicamente à conservação do meio ambiente, à melhoria da qualidade do ar e à competitividade, mas também apresentam muitas oportunidades de crescimento econômico e social”. Nessa mesma linha, também destacou a redução da dependência energética exterior, que repercute em uma melhor balança de pagamentos e na garantia de fornecimento, ou o fortalecimento do tecido industrial, com a criação de emprego de qualidade.

Galán participou de uma mesa de diálogo público e privado com a secretária-geral ibero-americana, Rebeca Grynspan, na apresentação do citado relatório, onde também participaram outras personalidades como Teresa Ribera, vice-presidente e ministra para a Transição Ecológica e o Desafio Demográfico do Governo da Espanha; Agustín Aguerre, gerente do Setor de Infraestrutura e Energia do Banco Interamericano de Desenvolvimento, e Josep Piqué, presidente da Fundação Ibero-Americana Empresarial.