Ação climática

Iberdrola, líder global em ação climática

Mudanças climáticas

O Grupo Iberdrola lidera o caminho para uma economia descarbonizada e resiliente, através de um modelo de negócio sustentável e eficiente. A luta contra as alterações climáticas tem sido o principal motor da nossa estratégia de crescimento rentável.

parque eolico groton
Parque eólico Groton, nos Estados Unidos.

Comprometidos com ações climáticas ambiciosas e urgentes

A Iberdrola iniciou a transição energética há 20 anos e se estabeleceu como uma referência mundial em ação climática e energia limpa. 

O Plano de Ação Climática da Iberdrola estabelece metas mais ambiciosas para alcançar a neutralidade em emissões de carbono equivalente nos escopos 1 e 2 até 2030 e emissões líquidas de carbono equivalente zero até 2040 para todos os escopos, incluindo o escopo 3 (expressos em CO2eq).

Principais elementos do plano de ação climática

Objetivos

  • 2030

    Neutralidade de emissões de escopos 1 e 2

    Diretas (geração própria e outras) e indiretas de perdas em redes elétricas e consumos próprios

  • <2040

    Zero emissões líquidas em todos os escopos, incluindo o 3

    Escopos 1, 2 e 3 (outras emissões indiretas sobre as quais o Grupo não tem controle ou influência direta (por exemplo, venda de gás, compra de eletricidade para venda a clientes finais, geração de eletricidade para terceiros, fornecedores)

Alavancas

  • Ícone

    100% Renováveis

    Toda a energia 100% zero emissões

  • Ícone

    100% Redes Inteligentes

    Redes mais robustas e 100% digitalizadas

  • Ícone

    Compras verdes

    Energia 100% verde

    Fornecedores - Projetos de redução conjunta de emissões e uso de produtos “verdes"

  • Ícone

    Soluciones verdes a clientes

    Oferta de produtos e soluções verdes (eletrificação, H2 verde)

Parcerias em tecnologias verdes e descarbonizadas

Valores

  • Ícone

    Positivo para a sociedade

    Economia, indústria e emprego

    Transição inclusiva

    Acesso universal à energia competitiva

  • Ícone

    Positivo para a natureza

    Impacto positivo líquido sobre a biodiversidade em 2030

    Modelo de economia circular

Ferramentas

  • Ícone Governança climática
  • Ícone Estratégia e gestão de riscos e oportunidades
  • Ícone Inovação tecnológica e de negócios
  • Ícone Parcerias e colaboração
  • Ícone Financiamento verde

A Iberdrola aprovou metas de redução de emissões com base na ciência a curto e longo prazo com a SBTi.

A SBTi verificou a meta com base na ciência de zero emissões líquidas da Iberdrola para 2039.

A Iberdrola aprovou metas de redução de emissões com base científica a curto e longo prazo com a iniciativa Science Based Target (SBTi).

Veja mais

A ação climática: eixo prioritário de nossa estratégia

Os Estatutos Sociais da Iberdrola colocam a responsabilidade relativa à ação climática no Conselho de Administração. O órgão máximo de gestão do Grupo é o responsável pela aprovação e atualização de um plano de ação climática que permita cumprir os objetivos ambientais da companhia, assim como informar anualmente acerca da gestão climática.

Além disso, a Política de ação climática estabelece o marco para a estratégia e o modelo de negócio da Iberdrola, que está alinhado com o Acordo de Paris e a Agenda 2030. Nela, a Iberdrola continua com sua posição de liderança (diretamente e estabelecendo alianças), promovendo a conscientização (impactos, desafios e benefícios de sua realização) e contribuindo para um futuro sustentável e neutro em carbono.

Política de ação climática fixa entre suas linhas de atuação prioritárias a eletrificação da economia. Para tal, o Grupo apoiará iniciativas regulatórias que promovam, por exemplo, a mobilidade elétrica e as bombas de calor, o princípio do "poluidor-pagador", a eliminação de subsídios para tecnologias ou setores com emissões elevadas, a análise dos riscos decorrentes das mudanças climáticas e, em geral, o desenvolvimento de uma transição energética real e global.

O conteúdo da Política de ação climática, que também foi apoiado pelos acionistas na Assembleia General, está alinhado às recomendações da TCFD (Task Force on Climate-related Financial Disclosure) Link externo, abra em uma nova aba., plataforma de referência em termos de relatório do clima, que estabelece as diretrizes para integrar as mudanças climáticas nos processos internos de planejamento estratégico e de tomada de decisão, assim como na análise, gestão e relatório dos riscos no longo prazo.

Avançamos em direção a net zero emissões 

Como pilar estratégico para a sua consecução, apoia-se no plano de investimentos do Grupo, alicerçado em iniciativas de inovação orientadas para: descarbonização da matriz energética, aumentar sua resiliência e consolidar sua liderança em energias renováveis, redes inteligentes, armazenamento eficiente e implantação de soluçes de descarbonização para seus clientes.

 

Icono

26,7

milhões de toneladas de CO2 evitadas em 2023 (1)

Icono

81 %

da capacidade própria instalada está isenta de emissões

Icono

71,7 %

da capacidade própria instalada provém de fontes renováveis

Icono

+ 5.400

milhões de euros investidos em energias renováveis no 2023

Icono

42.084

MW de capacidade própria em energias renováveis

Icono

  47

bilhões de euros de investimentos previstos até 2025

Icono

1.793

MW em operação eólica offshore, chave para o crescimento do Grupo

Icono

0

usinas a carvão em todo o mundo após seu fechamento

Icono

+ 13.400

milhões de euros de financiamento ESG no 2023

Dados no final de 2023.

(1) Informações extraídas do "Estado de informação não financeira. Relatório de sustentabilidade 2023".

Além disso, a Iberdrola aposta no financiamento verde e sustentável — é o maior grupo emissor de bônus verdes do mundo — e na inovação em energias limpas. A companhia participa ativamente de cúpulas do clima e de várias alianças que defendem ações climáticas ambiciosas e urgentes, com a próxima reunião importante sendo a COP29 em Bakú. Também trabalha para aumentar a conscientização da sociedade sobre as mudanças climáticas e contribui para o desenvolvimento sustentável. Um trabalho que tem sido reconhecido por vários índices internacionais. Além disso, em linha com esse compromisso, nos alinhamos a diferentes iniciativas, como o Dia Mundial da Energia.

Gerenciamos os riscos e oportunidades das mudanças climáticas

Melhorar a resiliência climática envolve avaliar como as mudanças climáticas criarão novos riscos ou oportunidades ou como alterarão os já existentes. A construção de sistemas resilientes requer, antes de tudo, uma transformação tecnológica em direção a uma economia descarbonizada para evitar assim os piores cenários e aproveitar as oportunidades oferecidas pela transição energética. Dessa forma, a Política de ação climática do Grupo Iberdrola inclui, entre suas linhas de ação prioritárias, a análise dos riscos e oportunidades decorrentes das mudanças climáticas no campo da transição energética, além dos riscos físicos, e a integração da ciência climática e dos critérios de adaptação e resiliência, com o objetivo de reduzir ou evitar os potenciais impactos das mudanças climáticas sobre a atividade. 

A Iberdrola monitora e gerencia os impactos decorrentes das mudanças climáticas através de um processo contínuo de análise baseado na ciência climática e sua aplicação nos procedimentos normais da empresa, com foco no planejamento, implementação, controle e melhoria contínua. A partir desta análise, concluímos que, embora existam riscos, em termos gerais o modelo de negócios da Iberdrola poderia ser classificado como resiliente às mudanças climáticas. Para mais informações sobre nossa gestão de riscos e oportunidades, consulte o Estado de informação não financeira 2021 (versão em espanhol).

Principais riscos climáticos

As mudanças climáticas trazem consigo vários riscos que, em grande parte, não são novos para a Iberdrola. Esses riscos, que são estabelecidos na Política Geral de Controle e Gerenciamento de Riscos e que, portanto, são monitorados periodicamente, podem ser agrupados nos seguintes itens:

  • DE TRANSIÇÃO, associados a todos os riscos que podem surgir no processo progressivo de descarbonização global , tais como mudanças regulatórias, de mercado, tecnológicos, reputacionais, de demanda, variações da demanda, etc.
  • FÍSICOS, decorrentes de possíveis impactos materiais sobre as instalações como resultado dos efeitos da evolução futura das variáveis climáticas , tanto crônicas (aumento das temperaturas, elevação do nível do mar, variação dos padrões pluviométricos) quanto extremas (aumento da frequência e intensidade de fenômenos climáticos extremos como ondas de calor, furacões, enchentes, etc.).

Desses riscos também podem surgir outros como a deterioração do crédito das contrapartes (fornecedores, bancos, outros), fenômenos sociais (crises humanitárias, impactos nas colheitas e na pesca, crises de refugiados, epidemias) e o aumento da competição por recursos financeiros.