AÇÃO CLIMÁTICA

Compromisso com uma ação climática ambitiva e urgente

A luta contra as mudanças climáticas foi o motor principal de uma estratégia de crescimento rentável, que nos levou a investir 120 bilhões de euros nestas duas décadas, com o objetivo de alcançar um modelo energético descarbonizado.

Objetivos de reducao de emissoes do grupo Iberdrola.#RRSSObjetivos de reducao de emissoes do grupo Iberdrola.

Com uma produção livre de emissões de 80 % no fechamento do Primeiro semestre 2021, o grupo Iberdrola se comprometeu a ser neutro em carbono até 2030 na Europa, onde suas emissões no período já são de apenas 43 g/kWh, assim como a reduzir sua intensidade de emissões de CO2 em âmbito global até 50g/kWh — seriam 70g/kWh no final de 2025 —, até ser neutra em carbono em nível global em 2050.

Do mesmo modo, a companhia tem o objetivo de reduzir as emissões absolutas de gases de efeito estufa (GEE) nos escopos 1, 2 e 3, o que foi aprovado pela iniciativa Science Based Target. Veja mais informações sobre nossas emissões no inventário de emissões de gases de efeito estufa.

A AÇÃO CLIMÁTICA: EIXO PRIORITÁRIO DE NOSSA ESTRATÉGIA

A Iberdrola reformou seus Estatutos Sociais para depositar no Conselho de Administração a responsabilidade relativa à ação climática, fortalecendo assim sua governança climática. O órgão máximo de gestão do grupo será o responsável pela aprovação e atualização de um plano de ação climática que permita cumprir os objetivos ambientais da companhia, assim como informar anualmente acerca da gestão climática.

O Conselho estabelecerá objetivos intermediários de redução de emissões, garantindo que os mesmos abranjam todas as emissões diretas e indiretas e estejam validados pela ciência no que se refere ao seu alinhamento com o Acordo de Paris. Também determinará uma estratégia de investimentos que esteja em consonância com esses objetivos e definirá as metodologias que avaliarão seu cumprimento.

Através dessa medida, aprovada pelos acionistas na última Assembleia Geral, a Iberdrola deu mais um passo em sua Política de ação climática, que fixa, entre suas linhas de atuação prioritárias, a contribuição para a eletrificação da economia. Para tal, o grupo apoiará iniciativas regulatórias que promovam, por exemplo, a mobilidade elétrica e as bombas de calor, o princípio do "poluidor-pagador", a eliminação de subsídios para tecnologias ou setores com emissões elevadas, a análise dos riscos decorrentes das mudanças climáticas e, em geral, o desenvolvimento de uma transição energética real e global.

O conteúdo da Política de ação climática, que também foi apoiado pelos acionistas na Assembleia, está alinhado às recomendações da Task Force on Climate-related Financial Disclosure (TCFD), plataforma de referência em termos de relatório do clima, que estabelece as diretrizes para integrar as mudanças climáticas nos processos internos de planejamento estratégico e de tomada de decisão, assim como na análise, gestão e relatório dos riscos no longo prazo.

AVANÇAMOS PARA A NEUTRALIDADE EM TERMOS DE CARBONO

Como pilar estratégico para a sua consecução, apoia-se no plano de investimentos do grupo, alicerçado em iniciativas de inovação orientadas para: descarbonização da matriz energética, aumentar sua resiliência e consolidar sua liderança em energias renováveis, redes inteligentes, armazenamento eficiente e tecnologias limpas.
 

O grupo Iberdrola, contra as mudanças climáticas.#RRSSO grupo Iberdrola, contra as mudanças climáticas.

 VER INFOGRÁFICO: O grupo Iberdrola contra as mudanças climáticas [PDF]

  • 73,7 milhões de toneladas de CO2 evitadas(1)
  • 80 % da capacidade própria instalada está isenta de emissões
  • 73 % da capacidade própria instalada provém de fontes renováveis
  • 120 bilhões de euros investidos em transição energética desde 2001
  • Mais de 35.500 MW de capacidade própria em energias renováveis
  • 150 bilhões de euros entre 2020 e 2030 (triplicando a capacidade renovável e duplicando os ativos de redes)
  • 17 instalações de carvão e petróleo fechadas
  • Mais de 13,2 bilhões de euros em bônus verdes desde 2014
  • 3 bilhões de euros investidos no parque East Anglia ONE para melhorar a penetração das energias renováveis

(1) Durante os três últimos anos

Dados no fechamento do Primeiro semestre 2021.


 

GERENCIAMOS OS RISCOS E OPORTUNIDADES DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

A Iberdrola foi uma das primeiras empresas que se comprometeram publicamente a implementar as recomendações da Task Force on Climate-related Financial Disclosure (TCFD) em seus relatórios públicos do ano 2020. A companhia criou em 2017 um grupo interno multidisciplinar que coordena todos os trabalhos realizados nesta matéria. Informa, em uma seção específica, sobre seu Estado de informação não financeira 2019 [PDF] (e outros documentos públicos anuais), sobre os progressos realizados e seu alinhamento com cada uma das quatro áreas temáticas sobre as quais se estruturam as onze recomendações da TCFD.

Além disso, o grupo Iberdrola participou — junto com outras empresas elétricas — de um relatório promovido pelo World Business Council for Sustainable Development (WBCSD) relativo à divulgação de informação financeira sobre mudanças climáticas alinhada com a TCFD no setor elétrico.

Continue lendo

 Governança corporativa

A Iberdrola adaptou seu Sistema de governança e sustentabilidade aos três eixos principais que a comunidade de investimento internacional utiliza para medir o impacto e a sustentabilidade de seus investimentos: os aspectos ambientais, sociais e de governança (ESG, na sigla em inglês). Anteriormente, em 2018, o Conselho de Administração da companhia realizou uma profunda reforma de seu sistema regulatório para reforçar o compromisso do grupo com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, especialmente o 7 — Energia Acessível e Limpa — e o 13 — Ação pelo Clima —. Além disso, o Conselho revisa a Política contra as mudanças climáticas do grupo e o plano de incentivos a longo prazo proposto pelo Conselho de Administração à Assembleia Geral de Acionistas de 2020 e integra, entre outros, objetivos vinculados ao combate contra as mudanças climáticas.

A Comissão de Desenvolvimento Sustentável do Conselho é responsável por, entre outras funções, revisar aspectos relacionados com as mudanças climáticas, sendo informada periodicamente sobre esse assunto.

 Estratégia

As mudanças climáticas são um elemento-chave para a definição da estratégia da Empresa. A Iberdrola aborda esse problema não só como um fator de risco, mas também como uma oportunidade de crescimento através de ações de mitigação e adaptação durante a transição para uma economia baixa em carbono.

A Iberdrola analisou sua estratégia com relação a diferentes cenários climáticos futuros e, desta análise, se depreende que, em termos gerais, o modelo de negócio do grupo é o adequado para enfrentar os desafios derivados da transição energética, assim como do impacto físico das mudanças climáticas.

Para enfrentar os primeiros (transição), o grupo está perfeitamente posicionado para aproveitar, entre outras, as oportunidades derivadas da transição energética graças à sua liderança em energias renováveis, redes inteligentes, sistemas de armazenamento e também de digitalização, todos eles aspectos fundamentais no caminho de mudança para uma economia com baixos teores de carbono e resiliente ao clima.

No caso dos últimos (impactos físicos derivados das principais ameaças climáticas e do aumento da frequência e severidade dos eventos meteorológicos extremos) e tomando como base os estudos realizados — na medida em que sejam impactos crônicos e progressivos —, irão ocorrendo durante as próximas décadas e em prazos relativamente longos, pelo que serão gerenciados em função do grau de adaptação e resiliência das diferentes instalações. Por outro lado, a Iberdrola possui políticas, planos, tecnologia e sistemas preditivos que permitem minimizar os impactos dos eventos. Um exemplo destacado é o MeteoFlow, um sistema integrado para a previsão das variáveis meteorológicas que, como parte de sua melhoria contínua, incluiu, entre suas funcionalidades, a previsão de fenômenos meteorológicos extremos, o que permite ativar planos de emergência e uma melhor gestão de equipamentos de manutenção em qualquer tipo de instalação renovável.

Porém, dada a constante evolução da ciência e da incerteza associada aos estudos de projeção climática e de seus impactos, é necessário seguir avançando e aprofundando a análise, para mensurar No obstante, dada la constante evolución de la ciencia y la incertidumbre asociada a los estudios de proyección climática y sus impactos, es necesario seguir avanzando y profundizando en el análisis, para cuantificar los posibles impactos y establecer las medidas de adaptación en caso de ser necesarias.

 Gestão de riscos

O sistema de controle e gestão de riscos do grupo considera e monitora os riscos originados da mudança climática, que podem ser agrupados em:

  • Físicos: possíveis impactos materiais sobre as instalações.
  • De transição: associados ao processo de descarbonização global (mudanças regulatórias, de preços de mercado, de tecnologias, de reputação, etc.).
  • Outros: tais como riscos na cadeia de suprimentos e fenômenos sociais.

A identificação, análise e gestão dos riscos é tratada com uma abordagem multidepartamental, com a colaboração de funções corporativas e dos Negócios. O trabalho contínuo de identificação e avaliação dos riscos derivados das mudanças climáticas foi realizado contando com o apoio de especialistas na matéria para a estimativa dos riscos das principais ameaças identificadas, entre as quais se destacam os fenômenos meteorológicos extremos e uma possível variabilidade do recurso renovável.

Tomando como base o melhor conhecimento disponível, pode-se afirmar a sólida capacidade adaptativa da Iberdrola, que se deve, entre outros fatores, à grande diversificação de ativos, à comprovada capacidade e experiência durante vários anos, bem como à consideração das mudanças climáticas como um risco gerenciável, o que implica que os novos investimentos sejam feitos em ativos mais resilientes.

 Métricas e objetivos

A Iberdrola inclui em seu Status de Informação Não Financeira [PDF] (Relatório de Sustentabilidade) e no Relatório Integrado indicadores relevantes para informar sobre aspectos relacionados ao clima e à sua estratégia de luta contra a mudança climática. Entre os quais se destacam o inventário de emissão de gases de efeito estufa, a intensidade das emissões, os objetivos de redução, o uso de energia, a intensidade energética, o mix de energia, a potência instalada renovável, o uso da água, a origem da água, P&D+I e investimento em desenvolvimento de produtos, serviços e/ou tecnologia de baixa emissão.

Esconder texto