MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O compromisso com o clima do grupo Iberdrola

O setor elétrico tem um papel chave para atingir o propósito determinado pelo histórico Acordo de Paris para limitar o aumento da temperatura do planeta abaixo de 2 ºC e enfrentar a emergência climática. O grupo Iberdrola, referência mundial na luta contra as mudanças climáticas — objetivo 13 dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) — e ativo participante de diversas conferências climáticas, está plenamente alinhado com este pacto internacional.

Alinhados com os objetivos da COP25.

 VEJA INFOGRÁFICO RESUMIDO: Líderes na luta contra as mudanças climáticas [PDF]

O QUE É AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS?

As mudanças climáticas dizem respeito à alteração do clima atribuível direta ou indiretamente à atividade humana. Os gases de efeito estufa acumulam-se na atmosfera e retêm calor, aumentando o efeito estufa e contribuindo para o aumento da temperatura global do planeta.

Essa mudança no clima se sobrepõe à variabilidade natural observável em períodos de tempo equivalentes, e está relacionada, por sua vez, a outras alterações no sistema terrestre (degelo, subida do nível do mar, etc.).

 

Efeitos das mudanças climáticas.

Objetivos climáticos do grupo Iberdrola.#RRSSA empresa estabeleceu-se como objetivo climático para as próximas décadas ser neutro em carbono em 2050. Objetivos 1, 2 e 3 aprovados pela Science Based Target Initiative em março de 2019.

IBERDROLA, À FRENTE NA REDUÇÃO DE EMISSÕES

APOSTAMOS EM UM FUTURO DESCARBONIZADO

A Iberdrola começou uma profunda transformação de seu modelo de negócio há mais de 20 anos, quando apostou num modelo energético sustentável, seguro, competitivo, que permitia enfrentar a luta mundial contra as mudanças climáticas.

O Grupo quer contribuir de forma ativa e decidida para um futuro sustentável e baixo em carbono, um esforço que também promoverá o desenvolvimento social e econômico através da criação de empregos e riqueza. Firme na sua luta contra as mudanças climáticas, a Iberdrola atualmente lidera os principais índices internacionais.

A Iberdrola reconhece a luta contra as mudanças climáticas como um pilar estratégico de sua atividade. Possui uma Política contra as mudanças climáticas com diversas linhas de atuação.

Linhas de atuação da Iberdrola para combater as mudanças climáticas.#RRSSLinhas de atuação da Iberdrola para combater as mudanças climáticas.

A seguir, nossos principais eixos

  • Contribuir para a atenuação das mudanças climáticas e descarbonização do modelo energético.
  • Apoiar os processos de negociações internacionais e a participação significativa do setor privado para cumprir o objetivo 13 dos ODS: Ação climática.
  • Manter a liderança mundial em termos de energias renováveis, redes inteligentes e tecnologias eficientes.
  • Integrar a mudança climática nos processos internos de tomada de decisão, bem como na análise e gerenciamento dos riscos no longo prazo para o grupo.
  • Promover de forma ativa uma cultura que fomente o uso eficiente e responsável da energia.
  • Promover a formação interna e conscientização climática dos Stakeholders e incentivar fornecedores a adotarem políticas adequadas.

Ocultar eixos de atuação

No fechamento do Primeiro trimestre 2020, do total da capacidade instalada própria do grupo, 70% corresponde a energias renováveis e 77% está livre de emissões.

Melhorias do grupo Iberdrola na diminuição de emissões no fechamento do Primeiro trimestre 2020.#RRSSMelhorias do grupo Iberdrola na diminuição de emissões no fechamento do Primeiro trimestre 2020.

Em consonância com a sua aposta na descarbonização, a Iberdrola já fechou 15 instalações de combustível de carvão e petróleo (com uma capacidade instalada de 7,5 GW) em todo o mundo desde 2001 e está em processo de o fazer com as duas últimas (874 MW), ambas localizadas na Espanha.

Para o final do período 2018-2022 terá investido 34 bilhões de euros, dos quais 16 bilhões (47%) são para redes inteligentes e 13,3 bilhões (39%), para energias renováveis.

A aposta nas energias limpas e o fato de favorecer as medidas para combater as mudanças climáticas a nível mundial nos levaram a continuar reduzindo nossas emissões próprias até situá-las em 2019 abaixo de 110 gramas por kWh —um número três vezes inferior ao dos nossos concorrentes—. A Iberdrola já gera 100% de sua energia com zero emissões em países como Reino Unido, Alemanha ou Portugal.

Para desenvolver seu compromisso, a Iberdrola possui um plano de ação climática com cinco linhas de atuação. Essas atividades nos permitiram demonstrar que a tecnologia e as soluções estão disponíveis para enfrentar com êxito as mudanças climáticas, não apenas de maneira viável e competitiva, mas também criando inúmeras oportunidades de negócios e apoiando uma transição justa para os setores que poderiam ser afetados negativamente, no processo de transição energética.

A seguir, apresentamos uma série de Perguntas e Respostas Frequentes sobre mudanças climáticas. Você também pode obter mais informações através dos diversos materiais e recursos que oferecemos na seção Aprenda sobre mudanças climáticas.

 

Todas as informações sobre

MUDANÇAS CLIMÁTICAS

O que devemos saber sobre aquecimento global?

O aquecimento global é a maior ameaça ambiental que estamos enfrentando e, tal como adverte o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, "é o desafio que marcará nossa época". Os dados científicos mostram que os efeitos decorrentes desse fenômeno estão acontecendo a uma velocidade sem precedentes e com consequências evidentes. Desde que existem registros, 2019 foi o ano mais caloroso com uma temperatura média mundial que superou em 1,1°C a era pré-industrial (1850-1900), sendo cada década sucessiva mais quente do que qualquer década anterior desde 1980. O relógio não para, por isso, se não agirmos imediatamente, a situação será irreversível. As soluções contra o aquecimento global exigem uma resposta coordenada por parte de todos os países do mundo para tentar reverter seus principais impactos (el aumento do nível do mar, subida das temperaturas médias e extremas ou derretimento dos polos). Nesse sentido, quase 200 países assinaram o Acordo de Paris, estabelecendo objetivos de redução de emissões para manter o aumento da temperatura média mundial muito abaixo de 2°C em relação aos níveis pré-industriais1, e dar continuidade aos esforços para limitar esse aumento a 1,5°C, o que implicaria alcançar emissões líquidas nulas em 2050. Como parte desse compromisso, a União Europeia se comprometeu a reduzir a zero as emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050.

Qual é a origem das mudanças climáticas?

A industrialização fez com que a concentração dos gases de efeito estufa (tal como o dióxido de carbono ou o metano) que estão na atmosfera e ajudam a reter calor para que nosso planeta seja habitável, tenha aumentado de forma exponencial desde o começo do século passado, quando a natureza se encarregava de equilibrar as emissões sem a ação humana. Ao aumentar esses gases como consequência da atividade humana, principalmente devido ao crescimento da queima de combustíveis fósseis, intensifica-se a quantidade de radiação infravermelha acumulada pela terra, o que ajuda a aumentar o efeito estufa, portanto, a temperatura de todo o planeta aumenta provocando outras mudanças no sistema terrestre. Essa alteração climática atual, de origem antropogênica, é o que conhecemos como "mudanças climáticas". O dióxido de carbono (CO2) é um desses GEE produzidos principalmente pela atividade humana, sendo responsável por dois terços do aquecimento global causado pelo homem, seguido por outros gases como o metano, o óxido nitroso e os gases fluorados. A concentração de CO2 alcançou seu nível máximo de 407,8 partes por milhão em 2018 (estima-se que será de 410 ppm em 2019), situando-se acima dos níveis observados pelo menos nos últimos 800.000 anos e superiores aos níveis de concentração com os quais o homem tem convivido.

Embora existam importantes disparidades entre os países, as quais são decorrentes de sua contribuição passada e futura para as emissões de GEE, todos sofreremos as consequências. Portanto, é necessário estabelecer uma ação coordenada em âmbito global. Saiba quais são os países mais ameaçados e vulneráveis pelas mudanças climáticas.

Qual é o papel desempenhado pelos gases de efeito estufa nas mudanças climáticas?

A influência humana no sistema climático é evidente. Nossa ação gera gases de efeito estufa (GEE) que se concentram na atmosfera e retêm calor, aumentando aquilo que se conhece como efeito estufa e contribuindo para o aumento das temperaturas do planeta, com consequências que podem durar muitos milênios antes de os processos naturais os eliminarem da atmosfera. Embora a maioria dos GEE seja de origem natural e, sem eles a vida tal como a conhecemos não seria possível, pois o planeta seria excessivamente frio (com uma temperatura aproximadamente 30°C mais baixa), a industrialização provocou uma subida exponencial da concentração desses gases desde o começo do século passado. O dióxido de carbono (CO2) é um desses GEE gerados principalmente pela atividade humana e responsável por 63% do aquecimento global causado pelo homem. Os outros gases emitidos são o metano, o óxido nitroso e os gases fluorados. A concentração de CO2 alcançou seu nível máximo de 407,8 partes por milhão em 2018 (estima-se que será de 410 ppm em 2019), situando-se acima dos níveis observados pelo menos nos últimos 800.000 anos e superiores aos níveis de concentração com os quais o homem tem convivido. O clima futuro dependerá do aquecimento já assegurado em função das emissões antropogênicas de GEE passadas, assim como das emissões futuras e da variabilidade climática natural. Portanto, é preciso estabilizar as concentrações atmosféricas de gases de efeito estufa em um nível que evite interferências perigosas com o sistema climático. Para tal, é necessário agir sobre o modelo energético atual baseado no uso de combustíveis fósseis (carvão, gás e petróleo), cuja combustão gera grandes quantidades de GEE e é uma das principais causas das mudanças climáticas. Dois terços das emissões globais do GEE se devem à geração de energia para o consumo elétrico, o transporte, a calefação e a indústria.

O que é o efeito estufa?

O termo "efeito estufa" refere-se à retenção do calor do Sol na Terra por parte de uma camada de gases na atmosfera. Sem eles, a vida tal como a conhecemos não seria possível, pois o planeta seria excessivamente frio, com uma temperatura aproximadamente 30°C mais baixa. A maior parte dos gases de efeito estufa é gerada de forma natural. No entanto, a industrialização fez com que a emissão e a concentração desses gases tenha aumentado de forma exponencial desde o começo do século passado, quando a natureza se encarregava de equilibrar as emissões sem a ação humana. À medida que esses gases aumentam também sobe a quantidade de radiação infravermelha acumulada pela Terra ocasionando o aquecimento global. O dióxido de carbono (CO2) é o gás que mais produzimos, sendo o responsável pela maior parte do aquecimento (devido ao grande volume de emissões que representa e seu alto nível de permanência na atmosfera), embora existam outros gases que emitimos em menor quantidade, mas que podem ser muito mais potentes para gerar o efeito estufa. São o metano, o óxido nitroso e os gases fluorados. Além disso, também emitimos uma série de gases precursores que, uma vez liberados na atmosfera, formam substâncias que contribuem para o efeito estufa, tais como o ozônio troposférico (O3), aerossóis ou carbono negro (fuligem), que podem ter um efeito de esfriamento ou aquecimento.

Quais são as consequências das mudanças climáticas?

As evidências científicas mostram que o aquecimento e os efeitos decorrentes (ex. derretimento das geleiras, aumento do nível do mar ou modificação dos padrões de eventos extremos como ondas de calor, furacões ou chuvas torrenciais) estão acontecendo a uma velocidade sem precedentes. Essas alterações afetam consideravelmente o bem-estar humano e todos os setores de atividade, tanto de forma direta quanto indireta, devido ao impacto que causam nos ecossistemas naturais e nos sistemas socioeconômicos. Também se prevê a extinção de animais e plantas, pois os habitats mudarão tão rapidamente que muitas espécies serão incapazes de se adaptarem a tempo. Além disso, a Organização Mundial da Saúde (OMS) já advertiu que a saúde de milhões de pessoas poderia estar ameaçada devido ao aumento de doenças infecciosas sensíveis ao clima como a malária, dengue, desnutrição e doenças transmitidas pela água. Porém, os riscos se distribuem de forma desigual e geralmente são maiores para as pessoas e comunidades desfavorecidas, fazendo com que aumentem as diferenças entre países desenvolvidos e em vias de desenvolvimento, agravando os problemas associados às migrações e aos conflitos sociais. Em resumo, estamos diante de uma emergência climática de graves consequências econômicas e sociais. Se não agirmos e não adotarmos medidas sérias, rápidas e contundentes imediatamente, a situação será irreversível.

De que forma as mudanças climáticas afetam a biodiversidade?

O relatório de referência das Nações Unidas sobre biodiversidade, publicado pela Plataforma Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) em 2019, alerta sobre a deterioração sem precedentes que a ação humana está causando na natureza. As mudanças climáticas afetam inúmeros aspectos da biodiversidade, tais como a distribuição das espécies, a fenologia, a dinâmica das populações, a estrutura das comunidades e a função ecossistêmica. Tais impactos se somam aos efeitos de outras pressões humanas sobre os ecossistemas (destruição de habitats, poluição, exploração excessiva, espécies invasoras) que já estão afetando sua vulnerabilidade. Isso significa a perda de qualidade dos bens e serviços proporcionados pelos ecossistemas, os quais são um suporte vital da atividade humana (água, alimentos, remédios, controle de elementos patogênicos, etc.).

Segundo esse estudo, 47% dos mamíferos terrestres em perigo de extinção, excluindo os morcegos, e 23% das aves em perigo de extinção, já foram afetados negativamente pelas mudanças climáticas pelo menos em parte de sua distribuição. Além disso, as mudanças climáticas aceleraram o desaparecimento da cobertura de coral vivo nos recifes de corais (processo de "branqueamento" dos mesmos), tendo desaparecido aproximadamente a metade dessa cobertura desde 1870. Destaca-se que o impacto das mudanças climáticas será cada vez maior, agravando o estado dos ecossistemas, e em alguns casos exponencialmente com a intensificação do aquecimento global.

Quando ocorreu a primeira conferência sobre mudanças climáticas?

Já passaram quase 30 anos desde a primeira conferência do clima, conhecidas como COP. A sigla refere-se à Conferência das Partes (Conference of Parties), entendendo-se por partes os Estados, cerca de 200, que assinaram a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (UNFCCC em inglês). O antecedente é a Cúpula da Terra do Rio de Janeiro em 1992, onde o mundo tomou consciência da existência das mudanças climáticas através dos dados fornecidos pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). No Rio, 195 países assinaram a Convenção-Quadro que entrou em vigor em 1994. No ano seguinte, em 1995, foi realizada em Berlim a primeira COP. Era o início de um encontro global que se repetiria anualmente, reunindo os líderes mundiais para que tomem decisões e cumpram a emissão de gases de efeito estufa a fim de frear as mudanças climáticas.

Só a partir da COP21 de 2015 surgiria um tratado global, o Acordo de Paris, ratificado por 195 países. Através dele se estipulou como objetivo comum manter o aumento da temperatura média mundial abaixo dos 2 graus centígrados e, ao mesmo tempo, manter o esforço para não ultrapassar o aumento de 1,5°C.

Ações contra as mudanças climáticas

As mudanças climáticas são o maior desafio que a humanidade já enfrentou e sua solução passa pela ação conjunta de todos os agentes, sendo decisivas as ações de mitigação e adaptação que adotarmos nos próximos anos. Os governos devem adotar medidas e chegar a compromissos ambiciosos no que se refere à mitigação de emissões e adaptação aos seus impactos. O setor privado deve materializar os acordos multilaterais entre governos e facilitar o financiamento necessário para cumprir os objetivos. Os diferentes setores econômicos devem participar de tais esforços. Por exemplo, no âmbito energético devemos avançar no processo de descarbonização impulsionando energias renováveis, reduzindo o uso de combustíveis fósseis, promovendo a eficiência energética e racionalizando o uso de energia, além de favorecer a sustentabilidade do transporte (mobilidade sustentável). E os cidadãos devem adotar gestos, ações e decisões para lutar contra o aquecimento global e proteger o meio ambiente no dia a dia. Entre as ações para diminuir as mudanças climáticas podemos citar: o compromisso (pessoas que exijam ações políticas dos governos); participação (indivíduos que contribuam para a sustentabilidade de suas comunidades); hábitos saudáveis (caminhar, andar de bicicleta, usar transporte público, consumo responsável, etc.); consciência ecológica (sociedades que amem e respeitem a natureza); eficiência e inovação (pessoas que priorizem a economia energética e o uso das energias renováveis).

Qual o papel do setor energético na luta contra as mudanças climáticas?

O modelo energético atual baseado no uso de combustíveis fósseis (carvão, gás e petróleo), cuja combustão gera grandes quantidades de GEE, é uma das principais causas das mudanças climáticas. Dois terços das emissões globais do GEE se devem à geração de energia para o consumo elétrico, o transporte, a calefação e a indústria. Atingir os objetivos climáticos pressupõe uma estratégia baseada na descarbonização da geração elétrica através de energias renováveis, eficiência energética e eletrificação de outros usos energéticos. As energias renováveis no setor elétrico são opções competitivas com outras fontes de geração convencionais. O desenvolvimento tecnológico também está chegando a usos energéticos finais, como o transporte e a construção, possibilitando soluções competitivas baseadas na eletricidade. Dessa forma, o transporte é responsável por um quarto das emissões de CO2 em âmbito mundial e pela maior parte da poluição das cidades. Uma via muito efetiva para solucionar ambos os problemas, uma vez que têm uma origem comum, é eletrificar o transporte com veículos elétricos, conseguindo um maior aproveitamento da energia devido à sua maior eficiência. Isso ocorre porque a mobilidade elétrica passou a ser, cada vez mais, uma solução competitiva (de fato, em muitos poucos anos atingiremos a igualdade de custos do veículo elétrico e dos convencionais). Nessa transformação as redes elétricas desempenharão um papel fundamental para facilitar a introdução das energias renováveis e a eletrificação da economia.

Como combater as mudanças climáticas em nosso dia a dia? Quais são as melhores formas?

Existe um grande número de pequenas ações que você pode incluir no seu cotidiano para ajudar a diminuir o impacto climático e ambiental. O importante é integrar as mudanças climáticas como qualquer critério de decisão em nosso dia a dia (junto a considerações econômicas, de saúde, etc.). Caminhar, andar de bicicleta ou usar o transporte público para se deslocar são boas medidas para evitar a emissão de CO2 para a atmosfera e, se você tiver que usar um veículo particular, aposte em um que seja elétrico. Você também pode tentar reduzir o uso de combustíveis fósseis em sua casa eletrificando consumos (por ex. bomba de calor no lugar de caldeira) ou usando energias renováveis (aerotérmica, geotérmica ou solar termodinâmica), assim como pode melhorar a eficiência energética em sua residência: use lâmpadas de baixo consumo, revise as janelas, mantenha atualizada a manutenção da caldeira, utilize de forma racional o aquecimento e cuide de seus hábitos diários. Outras formas de combater o aquecimento global passam por um consumo e um investimento responsável e pela minimização de resíduos, apostando na reciclagem e reutilização. Reciclar em casa é fundamental para ajudar a frear as mudanças climáticas.

O que é a pegada de carbono e como ela afeta as mudanças climáticas?

A pegada de carbono é o parâmetro utilizado para medir o impacto das atividades dos seres humanos nas mudanças climáticas. é um indicador que calcula a quantidade de gases de efeito estufa (medidos em unidades de dióxido de carbono equivalente) emitidos para a atmosfera por efeito direto ou indireto de um indivíduo, organização, evento ou produto. Um indivíduo pode gerar essas emissões no transporte, alimentação, em sua casa, etc. A luta contra o aquecimento global e suas consequências está obrigatoriamente vinculada à redução de emissões de dióxido de carbono para a atmosfera, o que implica a substituição dos combustíveis fósseis por energia limpa. Existem mecanismos ou calculadoras que nos ajudam a calcular a pegada de carbono.

A escola proporciona informações sobre energia renovável?

A luta contra as mudanças climáticas é um desafio tão grande que exige ações por parte de todos os agentes: governos, empresas, ONGs, centros de ensino e cidadãos em geral. São necessárias mudanças de comportamento e demanda social por parte dos cidadãos presentes e futuros em todas as suas facetas. Mediante mais conteúdos sobre mudanças climáticas e suas soluções nas salas de aula, é possível aumentar a conscientização e ação dos mais jovens. é fundamental que os professores disponham de ferramentas para ensinar os mais jovens sobre as causas, impactos e consequências do desafio global das mudanças climáticas, portanto, é preciso ajudá-los a entender a vulnerabilidade da natureza perante a pressão humana e compreender o papel desempenhado pela energia e pela mobilidade como soluções para este desafio global, além de fomentar um consumo responsável e eficiente dos recursos.

Quais são os movimentos civis contra as mudanças climáticas?

Existem inúmeros movimentos organizados pela cidadania que exigem aos governantes, empresas e instituições uma postura responsável em relação ao futuro do planeta, e uma maior conscientização, especialmente entre os jovens, sobre o quão importante é mudar os hábitos. Esses movimentos estão ganhando cada vez mais espaço nas diferentes conferências climáticas, merecendo destaque a recente iniciativa promovida pela ativista sueca Greta Thunberg, Fridays for Future. No entanto, estão sendo realizadas ações em todos os níveis e em todo o mundo, não só pela sociedade civil, mas também pelo setor empresarial, financeiro, político, etc. Por exemplo, há um crescente número de cidades (responsáveis por mais de 70% das emissões mundiais de gases de efeito estufa e residência de mais da metade da população mundial) que se mobilizam contra as mudanças climáticas através de políticas específicas. As empresas e o setor privado também se esforçam para ajudar no desenvolvimento de uma economia sustentável, sendo inúmeras as parcerias em prol do crescimento verde e da descarbonização da economia.

 

 NÃO PERCA TODA A INFORMAÇÃO SOBRE AS COPs:

 

Acesse os acordos internacionais sobre as mudanças climáticas.

   

(1) O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, IPCC (SR15, 2018) utiliza o período de referência 1850-1900 para representar a temperatura pré-industrial.