NotíciaVolver

26/10/2020

Estabelece um acordo com a TransGrid para gerenciar uma bateria de 50 MW nos próximos 10 anos em Wallgrove, Nova Gales do Sul

A Iberdrola controlará na Austrália um sistema de armazenamento gigante com baterias para redes

A Infigen chegou a um acordo com a distribuidora local TransGrid para a operação do sistema de armazenamento de energia com baterias de Wallgrove, Nova Gales do Sul: a 'Bateria da rede de Wallgrove'. A bateria terá uma potência de 50 MW - capaz de produzir 75 MWh - e a Infigen será a responsável pela gestão por um período de 10 anos, após sua colocação em funcionamento.

A bateria da rede de Wallgrove pertence à TransGrid que também se encarregará de sua construção e manutenção. As operações comerciais começarão possivelmente na segunda metade de 2021.

A Infigen terá o controle das operações da Wallgrove Grid Battery e receberá toda a receita do mercado de curto prazo (mercado spot) relacionados à sua operação, que incluirá a receita dos leilões de energia e as dos oito mercados de Serviços Auxiliares de Controle de Frequência (FCAS, em sua sigla em inglês) que usam a plataforma Autobidder da Tesla.

A Infigen pagará à TransGrid uma taxa pelo uso da Wallgrove Grid Battery e também será responsável por quaisquer custos relacionados à distribuição e energia comprada. A TransGrid administrará e pagará a manutenção da bateria da rede de Wallgrove.

A iniciativa permitirá que a Infigen aumente sua carteira de backup, além de incrementar significativamente sua capacidade de energia renovável com a compra e venda de energia limpa de clientes com contratos de fornecimento. A bateria da rede de Wallgrove proporcionará solidez à rede e estabilidade ao sistema de fornecimento de energia nesse estado.

O investimento da TransGrid para a Wallgrove Grid Battery inclui o apoio dos fundos da Agência Australiana de Energia Renovável ARENA - Australian Renewable Energy Agency, como parte do Programa Avançado de Energias Renováveis da ARENA e do Departamento de Planejamento, Indústria e Meio Ambiente (DPIE em sua sigla em inglês), integrante do Programa de Energias Emergentes do DPIE de Nova Gales do Sul.

A Infigen já possui uma bateria de 25 MW localizada no parque eólico de Lake Bonney no estado de Virgínia.


Austrália, nova plataforma de crescimento

Após a compra da Infigen, a Iberdrola definiu a Austrália como plataforma de crescimento. A operação permite que a companhia entre em um mercado em expansão através da aquisição de uma das principais empresas de energia renovável do país, estando alinhada à sua estratégia de consolidação como a maior companhia de energia renovável do mundo mediante novos projetos em sua carteira.

Após essa operação a Iberdrola passa a ser uma das companhias líderes do mercado australiano, pois controla mais de 800 MW de energia solar, eólica e baterias de armazenamento no país, incluindo capacidade própria e contratada e uma importante carteira de projetos: 453 MW em construção (incluindo Port Augusta) e mais de 1.000 MW em diferentes fases de desenvolvimento. No último exercício a Infigen aumentou sua produção de energia renovável vendida em 10% chegando a 1.959 GWh. Nos últimos três anos, suas vendas de energia renovável registraram um aumento de 40%. Sua receita anual registrou um crescimento de 3% chegando a 235,6 milhões de dólares australianos.

Recentemente, a Iberdrola deu início à construção do projeto híbrido eólico-solar Port Augusta de 317 MW de capacidade (210 MW eólicos e 107 MW solares) na Austrália Meridional. Com um investimento de 500 milhões de dólares australianos, a previsão é que entre em funcionamento em 2021. Durante sua construção serão criados aproximadamente 200 postos de trabalho e 20 serão destinados à sua operação e manutenção. A compra da Infigen complementa o projeto ao permitir a venda da energia produzida neste complexo para clientes industriais na Austrália.

A energia renovável na Austrália continua aumentando sua participação no mercado e deve acelerar seu crescimento nos próximos dez anos. De acordo com o Relatório de Energia da Austrália, 21% da produção de eletricidade do país em 2019 provinha de fontes renováveis, registrando-se um aumento de 46% na geração solar e 19% na eólica.

As previsões indicam que em 2030 as emissões do setor elétrico na Austrália sofrerão uma redução de 23% e a proporção de energias renováveis na matriz de geração chegue a 48%*.





*Fontehttps://www.minister.industry.gov.au/ministers/taylor/media-releases/record-new-renewable-capacity-2019