NotíciaVolver

22/07/2020

O lucro líquido inclui impactos da COVID-19 por um montante de 153 milhões de euros

Iberdrola acelera os investimentos até 3,582 bilhões de euros e atinge um lucro líquido de 1,845 bilhão de euros até junho, 12,2% a mais

Ignacio Galán

Presidente da Iberdrola

Avançamos firmes no nosso compromisso de investir 10 bilhões de euros em 2020, demonstrando que a via para uma recuperação rápida e sustentada é a economia verde

GESTÃO DA PANDEMIA COVID-19
  • Compromisso com os Stakeholders:
    • Funcionários: com uma incidência em seu quadro de pessoal muito inferior à média dos países onde está presente, a companhia obteve de forma pioneira a certificação da AENOR (Associação Espanhola de Normalização e Certificação) para seus protocolos contra a pandemia em âmbito mundial e avança em seus planos de desconfinamento de acordo com a legislação de cada território, com uma reincorporação plena na Europa continental
    • Fornecedores e tecido industrial: A Iberdrola adiantou pedidos no valor de 7 bilhões de euros no semestre com o objetivo de dar visibilidade a uma cadeia de suprimentos que gera 400.000 empregos indiretos em todo o mundo
    • Clientes: o grupo continua trabalhando para manter a qualidade e a segurança do fornecimento e preserva as medidas de proteção para os grupos sociais mais vulneráveis
    • Acionistas: a Iberdrola reafirma sua política de dividendos com uma nova edição do programa 'Iberdrola Remuneração Flexível' que oferece 0,232 euros por ação a título de remuneração complementar, que completa uma retribuição ao acionista imputável ao ano 2019 de 0,40 euros brutos por ação

 



RESULTADOS DO SEMESTRE E PREVISÃO PARA 2020
  • Um modelo de negócio resiliente no complexo contexto atual: apesar da queda de 13,6% no segundo trimestre, como consequência da paralisação da atividade durante o confinamento, o lucro líquido do primeiro semestre aumenta 12,2%. A manutenção da atividade nos últimos doze meses, com investimentos de 8,237 bilhões de euros e 4.900 novos megawatts colocados em funcionamento em tal período, a diversificação geográfica e de negócios e a melhoria da eficiência são os fatores-chave dos bons resultados até junho
  • Impactos da COVID-19 no semestre: o EBIT (Lucro antes dos Juros e Tributos) e o lucro líquido se situam em 228 e 153 milhões de euros, respectivamente, devido ao efeito na demanda e nas provisões por insolvências. A demanda e os preços se normalizam gradualmente na Espanha e Reino Unido, e países como Estados Unidos e Brasil avançam na implantação de medidas regulatórias de recuperação
  • Construindo 7.500 novos megawatts: os investimentos do período chegam a 3,582 bilhões de euros (+2,3%), em linha com o objetivo de investir 10 bilhões de euros em 2020 A Iberdrola garante sua expansão nos próximos anos com uma carteira de projetos renováveis que chega a 58.000 megawatts
  • Continua a estratégia de criação de plataformas de crescimento em energias renováveis em novos mercados: operações corporativas na Austrália, Suécia e França
  • Mantendo a solidez financeira: a geração de caixa chega a 3,922 bilhões de euros, melhorando os índices de solvência e vendo que sua notação de crédito é reafirmada pelas agências S&P, Moody´s e Fitch Em 2020, a empresa emitiu financiamento verde por 2,6 bilhões de euros, consolidando-se como líder mundial em financiamento verde e sustentável, superando a cifra de 22 bilhões de euros
  • Estimativas para 2020: em uma conjuntura ainda mais incerta devido aos efeitos da pandemia, o grupo mantém sua previsão de crescimento do lucro líquido em níveis de “dígito simples médio/alto', assim como sua política de remuneração ao acionista

A Iberdrola acelerou seus investimentos até chegar a 3,582 bilhões de euros no primeiro semestre, 2,3% a mais em relação ao mesmo período de 2019 e isso apesar da situação de confinamento causada pela COVID-19. Impulsionado por este esforço em investir e apesar do impacto negativo de 153 milhões de euros devido à pandemia, o lucro líquido se situou em 1,845 bilhão de euros no encerramento consolidado de junho, 12,2% a mais. O EBITDA do grupo cresceu até 4,9182 bilhões de euros, 1,4% a menos que o registrado nos seis primeiros meses do ano anterior, com crescimento nos Negócios de Renováveis (+5,3%) e Geração e Clientes (+14,3%) e uma menor contribuição da área de Redes (-10,6%). O EBITDA ajustado, resultante da eliminação dos impactos da pandemia sobre esta rubrica (157 milhões de euros), cresceu 4,2%, até 5,075 bilhões de euros.

O presidente da Iberdrola, Ignacio Galán, considerou positivamente estes seis meses e afirmou que “avançamos firmes no nosso compromisso de investir 10 bilhões de euros em 2020, demonstrando que a via para uma recuperação rápida e sustentada é a economia verde.”

No referente à gestão da pandemia, a Iberdrola colocou no centro da estratégia todos os seus Stakeholders. Os protocolos de atuação do grupo diante da COVID-19 foram os primeiros certificados pela AENOR (Associação Espanhola de Normalização e Certificação) em âmbito mundial e a taxa de incidência da doença entre seus funcionários é muito menor do que a média dos países onde a Iberdrola está presente, com os profissionais da empresa na Europa continental já trabalhando nos escritórios. Nos demais países, os planos de reincorporação avançam conforme a legislação vigente.

Em termos de fornecedores, a Iberdrola adiantou pedidos no valor de 7 bilhões de euros no semestre, dando assim visibilidade a uma cadeia de suprimentos que gera 400.000 empregos em todo o mundo. Os clientes também permaneceram no centro da estratégia, mantendo sempre a segurança do fornecimento e garantindo medidas especiais para aqueles grupos sociais mais vulneráveis.

Os acionistas, por sua vez, foram beneficiados com uma remuneração imputável a 2019 de 0,40 euros por ação, uma vez implementada a nova edição do programa 'Iberdrola Remuneração Flexível', através do qual receberão 0,232 euros brutos por ação como rubrica de dividendo complementar, que serão pagos no próximo dia 04 de agosto. Dessa forma, completam-se os 0,168 euros brutos por ação pagos no último mês de fevereiro como dividendo provisório. Tudo isso evitando o efeito de diluição através da execução do programa de recompra de ações próprias, para manter o capital social em 6,24 bilhões de títulos.


Avançando em direção ao futuro com uma carteira renovável de 58.000 MW

Esses resultados mostram a resiliência do negócio da Iberdrola, inclusive depois de a pandemia ter causado impacto em seu EBIT de 228 milhões de euros e em seu lucro líquido de 153 milhões de euros. Da mesma forma, no segundo trimestre do ano, o lucro líquido baixou 13,6%, até 587,9 milhões de euros, porém, o conjunto do semestre registra um aumento de 12%, até 1,845 bilhão de euros. Entretanto, a demanda e os preços começam a se recuperar na Espanha e Reino Unido, ao mesmo tempo que países como os Estados Unidos e o Brasil iniciam a implementação de medidas regulatórias de compensação, através das quais o grupo espera recuperar cerca de 70 milhões de euros.

Em relação aos investimentos de 3,582 bilhões de euros no semestre, 90% foram destinados aos Negócios de Redes e Renováveis. Considerando os últimos doze meses, o montante já chega a 8,237 bilhões de euros. Como consequência, a Iberdrola instalou cerca de 1.600 megawatts (MW) de capacidade no primeiro semestre e mais de 4.900 MW no último ano. A esse esforço em investimentos devemos adicionar os 7.500 MW que atualmente estão em construção.

A companhia também continua aumentando sua carteira de projetos mediante sua estratégia de crescimento Greenfield M&A em energias renováveis através de operações corporativas na Austrália (oferta pela Infigen Energy), Suécia (acordo com a Svea Vind Offshore para o desenvolvimento de até 9 gigawatts de energia eólica offshore) e França (aquisição da Aalto Power).

Tudo isso situa a carteira renovável da Iberdrola em 58.000 MW, dos quais 60% se situam nos Estados Unidos e Espanha. Destacam-se especialmente as oportunidades em energia eólica offshore, com 12.000 MW em direitos, aos quais devemos acrescentar os 9.000 MW de opções na Suécia. Os novos projetos estão apoiados pelos diferentes planos de recuperação verde aprovados na Espanha, Reino Unido, Estados Unidos, Brasil e União Europeia.

Esse desenvolvimento está sendo realizado ao mesmo tempo que a melhoria da eficiência, com uma redução de 3,3% nas despesas operacionais líquidas até junho, e aumenta a geração de fluxo de caixa, que atinge 3,922 bilhões de euros no semestre, 1,1% a mais.

De acordo com seu compromisso de manter a solidez do seu balanço, a Iberdrola possui uma liquidez de 14,6 bilhões de euros no encerramento de junho, suficiente para satisfazer as necessidades de financiamento de 30 meses em um contexto normalizado. A companhia teve suas notações de crédito reafirmadas pelas agências S&P, Moody´s e Fitch e voltou a deixar claro a confiança dos investidores na empresa, com 2,6 bilhões de euros emitidos no semestre com as melhores condições, já superando a cifra de 22 bilhões de euros de financiamento verde e sustentável, reafirmando assim sua liderança mundial neste âmbito.


Perspectivas para 2020: A Iberdrola mantém as previsões

Os investimentos previstos de até 10 bilhões de euros no exercício, a nova capacidade implementada no ano, que chegará perto de 4.000 MW, os rate cases do Brasil e Estados Unidos, a contínua economia de custos e a melhoria da eficiência fazem com que a Iberdrola possa reafirmar suas previsões para o final do ano, em um contexto ainda incerto como consequência da COVID-19.

Por isso, a companhia mantém sua perspectiva de crescimento para o lucro líquido em um ritmo de “dígito simples médio/alto”, com o dividendo aumentando na mesma linha. Tudo isso, dependendo de fatores externos como a demanda, a evolução dos preços da eletricidade, a dívida vencida e a implementação de medidas que compensem os efeitos da pandemia.  

Acesso a informação legal