NotíciaVolver

26/02/2020

O EBITDA pela primeira vez ultrapassa os 10 bilhões de euros

Investimentos recorde de 8,158 bilhões de euros elevam o lucro líquido da Iberdrola até o montante histórico de 3,406 bilhões de euros em 2019: 13% a mais

Ignacio Galán

Presidente do grupo Iberdrola

Estes resultados refletem a visão estratégica e a capacidade de execução da empresa, que permitiram que nos antecipássemos em 20 anos em relação à atual transição energética

A Iberdrola demonstra, ano após ano, que seu modelo de negócio sustentável cria valor para os acionistas, funcionários e sociedade em seu conjunto

  • Os investimentos aumentam 32%: 44% do total se destina a área de redes e 41% à de renováveis. O Grupo reforça sua potência em todos os seus mercados, com 5.500 novos MW instalados em 2019 (cinco vezes a capacidade média anual instalada nos últimos exercícios).
  • Evolução positiva do negócio: O EBITDA cresceu 8,1% e passou, pela primeira vez, de 10 bilhões de euros, motivado pelas atividades das áreas de redes e geração, apesar de o Grupo ter registrado uma das menores produções hidroelétricas dos últimos anos.
  • Melhoria da solidez financeira: em um contexto de grandes investimentos, a geração de fluxos de caixa cresceu 10%, até 8,06 bilhões de euros. Este aumento se reflete na melhoria dos índices de solvência financeira.
  • A remuneração ao acionista cresceu 14% e se situa em 0,40 euros por ação: o Conselho de Administração propôs à Assembleia Geral de Acionistas um dividendo complementar de 0,232 euros brutos por ação, aos quais devemos agregar o dividendo intercalar de 0,168 euros brutos por ação pago no dia 5 de fevereiro. Os mais de 600.000 acionistas do Grupo se beneficiaram de uma revalorização da ação e dos dividendos pagos pela Companhia no ano de 37%, além de um aumento do dividendo em cinco anos superior a 47%.
  • Previsões de futuro: em 2020, graças a investimentos recorde superiores a 10 bilhões de euros, a Iberdrola espera que seu lucro líquido aumente num ritmo 'high single digit', mantendo a solidez financeira e a política de dividendos crescentes. Este ritmo de crescimento permanecerá nos exercícios seguintes.
  • Um modelo no qual os acionistas, funcionários e sociedade em geral saem ganhando: além do aumento de seus resultados e dos dividendos para os acionistas, o modelo de crescimento da Iberdrola reforça uma vez mais seus benefícios para os funcionários (5.000 novas contratações esperadas para 2020 e um acréscimo nas horas de treinamento) e para a sociedade em geral (mantendo as emissões duas terceiras partes abaixo de seus concorrentes europeus), comprando de fornecedores 20 bilhões de euros e alcançando 14 bilhões de euros de contribuição fiscal. Tudo isto propiciou que a Companhia tenha sido reconhecida com o prêmio à Transição Energética da S&P Platts.

A Iberdrola obteve um lucro líquido de 3,4063 bilhões de euros em 2019, números históricos que representam um aumento de 13% em relação ao exercício anterior. Tal resultado foi motivado pelos investimentos recorde que o Grupo realizou durante o ano e que chegaram a 8,158 bilhões de euros: 32% a mais.

O EBITDA também constituiu um marco na história da empresa, pois ultrapassou a cifra de 10 bilhões de euros (10,104 bilhões de euros) pela primeira vez, depois de ter registrado um aumento de 8,1% no exercício.

O Presidente do Grupo, Ignacio Galán, destacou que “estes resultados refletem a visão estratégica e a capacidade de execução da empresa, que permitiram que nos antecipássemos em 20 anos em relação à atual transição energética”

Do montante total de investimentos, 44% foram destinados à área de redes e 41% ao Negócio de renováveis. Estas áreas reforçaram seu ritmo investidor em 19% e em 85% até 3,5895 bilhões e 3,3447 bilhões de euros, respectivamente. Como resultado, a empresa instalou 5.500 novos megawatts (MW) em todos os seus mercados durante 2019, em comparação com os 1.000 MW de média dos anos anteriores. A esta nova capacidade serão acrescentados, até 2021 e 2022, 9.000 MW que a Iberdrola já está atualmente construindo na Espanha, Portugal, Reino Unido, Estados Unidos, México, Brasil e em novos mercados, como a Austrália. A empresa também tem uma carteira de projetos para desenvolvimento que totaliza mais de 40.000 MW em todo o mundo.

Além disso, os investimentos realizados no Negócio de redes ampliaram o valor desses ativos regulados do Grupo até 31 bilhões de euros: 6% a mais em relação a 2018. Tudo isso num contexto de novos marcos regulatórios que proporcionam uma maior estabilidade.


Os acionistas, os funcionários e a sociedade no centro

Coincidindo com a apresentação dos resultados de 2019, Ignacio Galán também quis destacar a compatibilidade da obtenção de cifras históricas com o dividendo social do grupo: “A Iberdrola demonstra, ano após ano, que seu modelo de negócio sustentável cria valor para os acionistas, funcionários e para a sociedade em seu conjunto: contratamos 3.500 pessoas em 2019, compramos 20 bilhões de euros de 22.000 fornecedores e nossa contribuição fiscal anual foi de 14 bilhões de euros”.

Este último número é o resultado da soma dos 2,9 bilhões de euros de impostos expostos na conta de ganhos e perdas do Grupo e dos 5,2 bilhões de euros de impostos arrecadados de seus clientes e funcionários, juntamente com o impacto dos impostos indiretos de suas atividades.

A Iberdrola está há 20 anos focada em critérios ambientais, sociais e de boa governança (ESG), está absolutamente comprometida com a ética, a transparência e a governança corporativa. Esse compromisso ficou reforçado com a inclusão em seus Estatutos dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Agenda 2030 das Nações Unidas.

A Companhia conseguiu oferecer a seus mais de 600.000 acionistas uma revalorização da ação e dos dividendos pagos no ano de 37% e acumula um crescimento do dividendo de 47,6% nos últimos cinco anos. Como resultado desta evolução, bem como do foco contínuo da Companhia na boa governança, em 2019, a empresa ganhou numerosos reconhecimentos relacionados com este âmbito: Corporate Governance Awards da World Finance e Ethical Board Room, World´s Most Ethical Company pela Ethisphere e melhor utility do mundo em relações com os investidores de acordo com a IR Magazine.

No que diz respeito aos seus funcionários, a Iberdrola continua sendo uma referência de emprego estável e de qualidade. Portanto, com 3.500 novas contratações ao longo do ano passado, a empresa pretende continuar criando riqueza através de aproximadamente 5.000 novas admissões em 2020. Cabe destacar que 99% do quadro de pessoal da empresa tem contratos permanentes. Além disso, a empresa dedicou 55 horas médias de treinamento anual a seus funcionários e continuou apostando no talento jovem por meio de seu programa Early Career, depois de ter concedido bolsas para aproximadamente 900 estudantes de pós-graduação durante os últimos anos. Também reforçou o diálogo social com 36 novos acordos trabalhistas, tendo sido incluída pelo terceiro ano consecutivo no Bloomberg Gender Equality Index.

Do ponto de vista da sociedade em geral, a Iberdrola investiu 280 milhões de euros em P+D+inovação durante 2019, situando-se assim no top 3 mundial do setor. Seu programa de voluntariado internacional teve 7.500 participantes. Tudo isso, de forma concomitante à melhoria de 10% em sua qualidade de serviço e mantendo suas emissões de CO2 dois terços abaixo das de seus concorrentes tanto nacionais como europeus.

O seu compromisso com a criação de valor sustentável - ao mesmo tempo que combate os efeitos e riscos das mudanças climáticas - fizeram com que a Iberdrola fosse escolhida pela Bloomberg para o 'The Green 30 for 2020' e recebesse o prêmio S&P Global Platts Energy Transition, entre outros.


O bom andamento dos negócios impulsiona o EBITDA

O EBITDA do grupo chegou a 10,104 bilhões de euros em 2019, o que representa um aumento de 8,1% com relação a 2018. Esta boa evolução é especialmente relevante se levarmos em conta que a empresa registrou uma das menores produções hidroelétricas dos últimos anos.

Por Negócios, a área de redes teve um EBITDA de 5,2622 bilhões de euros (7,1% a mais), incentivado fundamentalmente pelo bom comportamento no Brasil e no Reino Unido, graças à contribuição dos novos investimentos em transmissão e distribuição.

Na área de geração e clientes, o aumento foi de 21,1% do EBITDA, que passou de 2,468 bilhões de euros durante o exercício. Este bom comportamento esteve respaldado pela contribuição de cerca de 2,6 GW de nova capacidade de geração instalada no México durante o ano, pelo aumento da produção na Espanha e pela melhor evolução das nossas atividades da área comercial e serviços digitais a nível global.

A área de renováveis, por sua vez, obteve um EBITDA de 2,3851 bilhões de euros (2,4% a menos) em um ano onde a maior produção eólica compensou de forma significativa a baixa produção hidroelétrica, especialmente na Espanha.


Solidez financeira e dividendo com tendência crescente

A Iberdrola continuou reforçando sua solidez financeira durante o exercício anterior graças à geração de fluxo de caixa, que aumentou 10% até 8,06 bilhões de euros, e à conclusão do plano de rotação de ativos por um valor de 3,5 bilhões de euros, três anos antes do previsto. Dito plano aumentou em 2020 com a venda da participação na Siemens Gamesa por um montante de 1,1 bilhão de euros.

Portanto, em um contexto de investimentos históricos, a Iberdrola cumpriu seu compromisso de manter estáveis seus índices de solvência financeira: a relação entre fluxo de caixa (FFO) e dívida líquida melhorou 0,7 pontos básicos até 22,2% e entre dívida líquida e EBITDA se situou em 3,6 vezes, com relação a 3,7 vezes do ano anterior[1].

A Iberdrola também continuou sendo o líder privado global no que tange o financiamento verde, com 11,036 bilhões de euros com este formato.

Igualmente, a boa evolução do exercício possibilitou que o Conselho de Administração da Iberdrola proponha à Assembleia Geral de Acionistas, convocada para o próximo 2 de abril, a aprovação de um dividendo complementar por um montante de 0,232 euros brutos por ação, que será pago no mês de julho. A soma deste aporte com o dividendo intercalar já pago no último dia 5 de fevereiro dá como resultado uma remuneração total ao acionista imputável a 2019 de 0,40 euros brutos por ação, 14% a mais do que no exercício anterior. Isto significa atingir com três anos de antecipação o patamar de dividendo estipulado inicialmente para 2022.


Crescimento de investimentos e resultados futuros

O plano de investimentos, o aumento contínuo da eficiência e as boas perspectivas operacionais permitem vislumbrar uma positiva evolução para 2020 tanto em termos de resultados como de remuneração ao acionista.

Mais concretamente, a Iberdrola prevê investir mais de 10 bilhões de euros durante 2020, 40% a mais do que a média dos últimos três anos. Tal fato resultará em até 4.000 novos MW de capacidade instalada (8% a mais) e num aumento de cerca de 4% da base de ativos regulados.

Assim, o negócio de redes será impulsionado por novos acordos de tarifas, o de renováveis por uma maior capacidade em operação e o de geração e clientes por uma maior produção.

A combinação destes fatores positivos, juntamente com as exigentes políticas climáticas que estão sendo implementadas em seus países de referência, permitem que a Iberdrola espere um crescimento do lucro líquido para 2020[2] em níveis 'high single digit', mantendo sempre sua solidez financeira e sua política de dividendos. Este ritmo permanecerá nos seguintes exercícios.





[1] Pro forma, excluindo o impacto da norma IFRS16.

[2] Sem incluir os ganhos de capital antes de impostos por um importe aproximado de 485 milhões de euros pela venda da participação na Siemens Gamesa.

Acesso a informação legal