NotíciaVolver

16/02/2021

Com uma capacidade de 300 MW, representa uma oportunidade para desenvolver uma cadeia de valor no país e situar a indústria espanhola como referência internacional

Iberdrola projeta o primeiro parque eólico offshore flutuante em escala industrial na Espanha com um investimento superior a 1 bilhão de euros

  • Polo industrial e de criação de empregos: o projeto e a engenharia poderiam começar este ano. Até sua entrada em operação, em 2026, criará mais de 2.800 empregos/ano e envolverá 66 centros tecnológicos e empresas espanholas, 52 delas PMEs
  • A inovadora instalação se converteria na ponta de lança de até 2.000 MW em novos projetos identificados pela Companhia na costa espanhola
  • O projeto faz parte das 150 iniciativas apresentadas pela Companhia ao programa Next Generation EU para a transformação industrial da Espanha, que mobilizariam investimentos de 21 bilhões de euros e envolveriam centenas de PMEs

A Iberdrola projeta aquele que será o primeiro parque eólico offshore flutuante em escala industrial da Espanha, ao qual destinaria mais de 1 bilhão de euros de investimento para a implantação de 300 MW de energia limpa na costa espanhola. O projeto representa uma oportunidade para desenvolver uma cadeia de valor no país e situar a indústria espanhola como referência internacional. Foi apresentado ao programa Next Generation EU e está alinhado aos pilares do Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência do Governo da Espanha.

A instalação renovável se tornaria um polo de industrialização e criação de empregos no país: o estudo, projeto e engenharia poderiam começar neste ano e até sua entrada em operação (2026), criaria mais de 2.800 empregos anuais exigindo a participação de 66 empresas e centros tecnológicos espanhóis, incluindo 52 PMEs. No curto prazo, no cenário 2021-2022 e antes do começo da fase de construção, a iniciativa poderia criar entre 1.000 e 2.000 empregos.

A atividade envolveria, segundo as estimativas da Companhia, nove comunidades autônomas espanholas, contribuindo assim para a estruturação do território e a criação de oportunidades industriais e de inovação em um mercado em crescimento, com um alto componente exportador. O projeto também contribuiria para lutar contra as mudanças climáticas, evitando a emissão na atmosfera de 202.500 tCO2/ano.

Dessa forma, a Iberdrola valorizaria as capacidades de um tecido industrial que ela mesma contribuiu para criar no país nos últimos anos. A empresa colaborou com fornecedores espanhóis como a Navantia, Windar, Ingeteam ou Haizea Wind para a construção de componentes críticos de seus parques eólicos offshore de Wikinger (Alemanha) e East Anglia ONE (Reino Unido), assim como daqueles que mantém em desenvolvimento, tal como o de Saint Brieuc (França).

Essa atividade impulsionou uma base empresarial, que converteu a Espanha no quinto país do mundo por número de fábricas na cadeia de suprimentos do setor eólico offshore.


Ponta de lança do desenvolvimento de até 2.000 MW de energia eólica offshore flutuante

Esse projeto inovador e pioneiro seria a ponta de lança para o desenvolvimento de até 2.000 MW eólicos offshore flutuantes que a Companhia identificou e que poderiam ser construídos na costa da Galiza, da Andaluzia ou nas Ilhas Canárias.

O projeto faz parte das 150 iniciativas apresentadas pela Companhia ao programa Next Generation UE - nos âmbitos da eletrificação do calor, offshore flutuante, mobilidade sustentável, hidrogênio verde, iniciativas em energias renováveis inovadoras, redes inteligentes, economia circular e armazenamento energético -, que mobilizariam investimentos de 21 bilhões e envolveriam centenas de pequenas e médias empresas.

Os projetos permitiriam criar 45.000 postos de trabalho/ano, um crescimento econômico de mais de 1,5% do PIB, melhorar a competitividade e a balança de pagamentos - entre 500 milhões e 1 bilhão de euros/ano - além de contribuir para o desafio demográfico, dado que mais de 7 bilhões de euros seriam destinados a entornos rurais.

Os projetos terão um impacto positivo na competitividade do tecido industrial espanhol e permitirão a recuperação verde no curto prazo e, no médio e longo prazo, a transformação do país, orientando-o para setores com futuro. Os projetos contribuirão para o binômio transição verde e digital, estabelecido pela União Europeia e estão alinhados ao Plano de Recuperação, Transformação e Resiliência do Governo da Espanha.

Além disso, a Iberdrola está implantando um plano de investimento de 14,3 bilhões de euros até 2025 na Espanha, que se enquadra em uma estratégia de crescimento que a levará a investir 75 bilhões de euros no mundo.


Rumo à liderança eólica global, também offshore

A Iberdrola se converteu em uma referência internacional no mercado eólico offshore e possui uma das maiores carteiras eólicas offshore do mercado, que ultrapassa a marca de 30 GW.

A Companhia controla parques eólicos no mar Báltico alemão (Wikinger e Baltic Eagle), no Mar do Norte (East Anglia ONE e East Anglia Hub) e no Mar da Irlanda (West of Duddon Sands). Da mesma forma, avança nos projetos Vineyard Wind ONE (800 MW em frente às costas de Massachusetts), Park City Wind (com uma capacidade de 804 MW) e Kitty Hawk (Virgínia) - através da Vineyard Wind - e no parque Saint Brieuc na costa francesa.

Nos últimos meses também acessou uma carteira em estágios iniciais em novos mercados, que se tornarão plataformas de crescimento nesse segmento, como é o caso da Suécia, Japão, Polônia e Irlanda. Na Dinamarca, a Iberdrola recentemente chegou a um acordo para ir com a Total ao próximo leilão offshore do país com o parque eólico offshore Thor (1 GW).

Até 2025, a Iberdrola prevê atingir 60 GW de capacidade renovável instalada no mundo, dos quais 4 GW corresponderão à energia eólica offshore.

Acesso a informação legal