Notícia

27.12.2019

A empresa coloca a região espanhola de Estremadura no centro de sua estratégia de energias renováveis com a instalação de 2.000 MW até 2022

A instalação de Núñez de Balboa está finalizada: a Iberdrola terminou em um ano a construção da maior usina fotovoltaica da Europa

  • A usina recebeu a licença de funcionamento e começou os testes de energização e início de operação no primeiro trimestre de 2020
  • Trata-se de um projeto muito representativo pelos seguintes aspectos: integração de milhões de componentes, coordenação de centenas de trabalhos, sua contribuição ao emprego e dinamização do tecido industrial, abastecimento de energia verde, contratos bilaterais com grandes consumidores e seu financiamento verde
  • O plano de relançamento de energias limpas da Iberdrola na Espanha prevê a instalação de 3.000 MW renováveis até 2022

A maior instalação fotovoltaica da Europa já está terminada. A Iberdrola finalizou num tempo recorde - somente um ano - a construção da usina de Núñez de Balboa. É um projeto que acabou de conseguir a licença de funcionamento por parte do Ministério para a Transição Ecológica da Espanha e onde os testes de energização da Rede Elétrica da Espanha (REE) já começaram. Tomando como base estes processos, as previsões indicam que a usina entrará em funcionamento no primeiro trimestre de 2020.

Com a finalização de Núñez de Balboa, cuja potência instalada é de 500 megawatts (MW) e com um investimento próximo a 300 milhões de euros, a Iberdrola avança em seu plano de relançamento de energia verde na Espanha. A previsão é instalar 3.000 MW até 2022, onde a Estremadura espanhola se situa no centro da sua estratégia.

Núñez de Balboa ocupa uma superfície de cerca de 1.000 hectares entre os municípios da província de Badajoz de Usagre, Hinojosa del Valle e Bienvenida. A instalação, promovida com a colaboração da empresa Ecoenergías del Guadiana, é um projeto renovável muito significativo que bateu recordes:

  • Milhões de componentes: montagem de 1.430.000 painéis solares, 115 inversores e duas subestações, que foram transportados via 3.200 contêineres até a obra. Ver mais aqui
  • Criação de empregos: envolvimento de mais de 1.200 trabalhadores em períodos de maior demanda de trabalho; 70% dos quais estremenhos; Ver mais aqui
  • Dinamizador do tecido industrial: a sua construção ajudou no desenvolvimento da cadeia de valor, com compras realizadas a cerca de trinta fornecedores, muitos deles locais, por um valor de 227 milhões de euros. Ver más aqui
  • Agente contra as mudanças climáticas: a usina gerará energia limpa para abastecer as necessidades de 250.000 pessoas/ano - população equivalente às cidades de Cáceres e Badajoz - e evitará a emissão à atmosfera de 215.000 toneladas de CO2/ano. Ver mais aqui
  • Projeto com financiamento verde: no seu desenvolvimento, a Iberdrola teve financiamento verde do Banco Europeu de Investimentos (BEI) e do Instituto de Crédito Oficial (ICO). Ver mais aqui
  • Promotor do consumo sustentável: com caráter pioneiro na Espanha, através de acordos de compra e venda de energia a longo prazo (PPA, Power Purchase Agreement), o projeto abastecerá com energia limpa grandes clientes comprometidos com o consumo sustentável do setor bancário, das telecomunicações e da distribuição.
  • Treinamento e capacitação em energias renováveis: A Iberdrola, a Prefeitura de Usagre e a Associação de Águas e Serviços da comarca de Llerena colaboram no treinamento dos alunos da Escola Profissional Campiña Sur na região espanhola de Estremadura, com visitas de formação ao local e estágios na instalação. Ver mais aqui

 

Outros 1.300 MW de energias renováveis em tramitação na região espanhola de Estremadura

A Iberdrola colocou a Estremadura no centro de sua estratégia renovável na Espanha, onde tem a previsão de instalar mais de 2.000 MW fotovoltaicos até 2022.

Junto com a usina de Núñez de Balboa (500 MW), a empresa mantém em tramitação mais de 1.300 MW renováveis em seis projetos fotovoltaicos: Francisco Pizarro (590 MW), localizado em Torrecillas de la Tiesa; Ceclavín (328 MW) em Alcántara; Arenales (150 MW) em Cáceres; Campo Arañuelo I, II e III (150 MW cada una) na comarca de Almaraz e Majada Alata e San Antonio (50 MW cada uma) em Cedillo. Nesta área também possui 300 MW com acesso à rede para outro projeto fotovoltaico. 

A agilidade da administração regional na tramitação de projetos renováveis, em geral, tornará possível que o complexo Campo Arañuelo (Arañuelo I, II y III), de 150 MW de potência, seja o próximo projeto a iniciar sua construção no começo de 2020. A sua construção – que durante sua edificação poderia gerar mais 200 empregos – tem um alto componente local, pois os trabalhos de engenharia e meio ambiente foram solicitados à empresa Ecoenergías del Guadiana, localizada na região espanhola de Estremadura, e os transformadores de potência serão fornecidos pela Faramax. O projeto também inclui um sistema de armazenamento de energia mediante o uso de uma inovadora bateria.  


Plano de relançamento de energias limpas na Espanha

O plano de relançamento da Iberdrola em energias renováveis na Espanha prevê a instalação de 3.000 MW novos até 2022 A empresa prevê chegar a 10.000 novos MW até 2030. Tais atuações permitirão a criação de 20.000 empregos.

Atualmente, os projetos em construção ou em tramitação (eólicos e fotovoltaicos) da Iberdrola já passam de 4.000 MW em regiões tais como Estremadura, Castela-La Mancha, Castela e Leão, Navarra, Aragão, Múrcia , Cantábria e Andaluzia.

Na Espanha, a Iberdrola é líder em energias renováveis, com uma capacidade instalada de mais de 16.000 MW, um volume que, em termos mundiais, representa mais de 30.300 MW e converte seu parque de geração em um dos mais limpos do setor energético.

Com a aposta em um modelo econômico descarbonizado, a Iberdrola se comprometeu a se comprometer a investimentos de 10 bilhões de euros em energias renováveis, redes de distribuição elétrica inteligentes e tecnologias de armazenamento, depois de ter destinado 100 bilhões desde 2001.

Acesso a informação legal