PENSAMENTO CRÍTICO

O valor do pensamento crítico na sociedade atual

#liderança #alto rendimento #treinamento

As fake news, surgidas com o alvorecer das novas tecnologias e das redes sociais — que expandem seu impacto — estão, infelizmente, de moda. A melhor forma de enfrentar os argumentos falaciosos é desenvolver o pensamento crítico para analisar aquilo que lemos, escutamos ou vemos antes de assumir tais fatos como verdadeiros.

O pensamento crítico não é um conceito novo — longe disso —; a sua origem, de fato, vem da antiga Grécia: Sócrates com sua maiêutica, Platão e sua dialética, Aristóteles e sua retórica... apesar desses pensadores, a paternidade do conceito foi dada ao filósofo Max Black, que o utilizou como título de um livro de lógica em 1946. Nem os mestres gregos nem Black sabiam ainda nada daquilo que agora conhecemos como fake news, mas sim da capacidade de raciocinar do ser humano.

O QUE É O PENSAMENTO CRÍTICO E SUA IMPORTÂNCIA NA ATUALIDADE

Há tantas definições como especialistas que trataram do assunto; mas talvez uma das mais simples e precisas foi a de Francis Bacon (não confundamos com o pintor) em 1605. "O pensamento crítico é ter o desejo de buscar, a paciência para duvidar, o empenho para meditar, a lentidão para afirmar, a disposição para considerar, o cuidado para ordenar e o ódio por qualquer tipo de impostura". A partir de uma perspectiva mais moderna, o pensamento crítico é entendido como a capacidade de analisar e avaliar a consistência dos raciocínios, especialmente daquelas afirmações que a sociedade aceita como verdadeiras no contexto da vida cotidiana — como as fake news — particularmente relevantes atualmente pela sua sua proliferação e rápida viralizaçao.

Francis Bacon (1561-1626)

O pensamento crítico é ter o desejo de buscar, a paciência para duvidar, o empenho para meditar, a lentidão para afirmar, a disposição para considerar, o cuidado para ordenar e o ódio por qualquer tipo de impostura

De fato, as fake news têm muita relação com aquilo que se conhece como efeito bandwagon e este, por sua vez, com a análise crítica da realidade — ou melhor dito — com a ausência de tal análise. O termo se refere a uma teoria psicológica conforme a qual os indivíduos adotam condutas e ideias pelo mero fato de esta ser a posição de uma grande maioria de pessoas, sem questionar nem analisar nada antes. O melhor antídoto contra esta tendência é a promoção e o desenvolvimento do pensamento crítico.

PARA QUE SERVE O PENSAMENTO CRÍTICO? VANTAGENS

O sentido crítico nos ajuda a discernir entre argumentos medíocres e argumentos brilhantes, a distinguir a informação que tem valor daquela que é prescindível, a desmontar prejuízos, a encontrar conclusões bem fundamentadas, a criar alternativas, a melhorar a comunicação e, finalmente, a ser donos do nosso pensamento e agir em conformidade. Apesar de ser uma atividade cognitiva intimamente relacionada com a razão, a finalidade do pensamento crítico está orientada para a ação, sendo aplicável a qualquer aspecto do nosso dia a dia, incluída a resolução de problemas ou tomadas de decisões. Por esta razão, sua esfera de influência vai desde o âmbito pessoal ao profissional.

O pensamento crítico pode ser adquirido? Alguns especialistas consideram que sim, sobretudo se essa formação começa na etapa escolar. Na idade adulta, fica mais complicado, mas há algumas atitudes que podem ajudar: analisar a informação em pequenas doses (a importância dos detalhes e a procura de matizes), praticar a curiosidade e o ceticismo (fazer-se perguntas e comparar com outras fontes) e questionar tudo aquilo que nos dizem (particularmente, se está em linha com as nossas próprias crenças).

Capacidades de uma pessoa com pensamento crítico.#RRSSCapacidades de uma pessoa com pensamento crítico.

 VER INFOGRÁFICO: Capacidades de uma pessoa com pensamento crítico [PDF]

SETE FATORES-CHAVE DO PENSAMENTO CRÍTICO

Os doutores Richard Paul e Linda Elder, pesquisadores da The Critical Thinking Organization, estabeleceram sete padrões intelectuais universais que devem ser aplicados ao pensamento cada vez que queiramos avaliar a qualidade de algum raciocínio. São os seguintes e cada um deles tem relação com o anterior:

 Clareza

Se algum raciocínio não for claro, quem o recebe também não pode avaliar se a ideia é certa ou relevante nem lançar contra-argumentos. Neste caso, convém fazer perguntas como "Você poderia me dar um exemplo?", que ajudem a compreender e inclusive visualizar a ideia.

 Veracidade

Uma proposição pode ser clara, mas não exata. Os conceitos vagos e as ambiguidades são inimigas das mensagens sólidas. Fazendo perguntas como "Qual é a fonte?" nos certificamos de que a proposição, se vier de fontes confiáveis, é veraz.

 Precisão

Uma proposição como, por exemplo, "essa moça é bastante alta" pode ser certa e veraz, mas carece de precisão. Diante de uma afirmação destas características, devemos solicitar mais detalhes: "Você poderia ser mais específico?" ou "Quanto ela mede exatamente?".

 Pertinência

Uma proposição pode ser clara, veraz e precisa, mas não pertinente. O que queremos dizer é se ela tem relação direta com, por exemplo, o assunto do debate. Para nos certificarmos da sua pertinência, podemos questionar o interlocutor sobre como ela se vincula com o assunto.

 Profundidade

Uma proposição pode ser clara, veraz, precisa e pertinente, mas não ter profundidade. Por exemplo, a frase "Diga não às drogas", utilizada para desaconselhar seu consumo, trata um problema muito complexo de forma superficial. "Você poderia me dar argumentos?" é a pergunta a ser feita neste caso.

 Amplitude

Uma proposição pode ser clara, veraz, precisa, pertinente e profunda, mas não ser suficientemente ampla ao não levar em conta outros pontos de vista. Perguntas como "Existe outra maneira de tratar este problema?" ajudam a ter uma perspectiva.

 Lógica

Uma proposição pode ser clara, veraz, precisa, pertinente, profunda e ampla, mas não ter lógica. Quando argumentamos, colocamos diferentes pensamentos em ordem. Se ditos pensamentos se apoiam mutuamente, o pensamento é lógico. Se, por outro lado, não se respaldam ou são contraditórios, então a combinação não é lógica.