BLENDED LEARNING (APRENDIZADO HÍBRIDO)

'Blended learning': como funciona a aprendizagem semipresencial?

#talento digital #sociedade #alto rendimento

A digitalização revolucionou a educação, permitido que os estudantes possam aprender a partir de qualquer lugar. Durante a pandemia da COVID-19 isso se tornou fundamental, reabrindo o debate sobre o modelo educativo e fazendo com que professores e estudantes se perguntem: chegou o momento de apostar em um modelo semipresencial?

O impacto da digitalização na educação já era uma realidade antes da pandemia da COVID-19 com o crescimento da educação online, mas o confinamento tornou-a massiva — exceto naqueles lugares onde existe exclusão digital —, o que obrigou os estudantes a acessarem a educação em suas próprias casas. Depois da primeira onda, o mundo docente enfrentou o desafio do novo ano letivo, adotando a aprendizagem semipresencial, ou blended learning, que se revelou como uma aposta de presente e futuro.

O QUE É O 'BLENDED LEARNING'

O blended learning, também conhecido como b-learning, é um tipo de aprendizagem que combina o ensino remoto e presencial com um objetivo: reunir o melhor de ambos os métodos para chegar a uma aprendizagem mais eficiente. Embora não seja novo, uma vez que esse modelo de educação disruptiva surgiu no final dos anos 90 através do Clayton Christensen Institute for Disruptive Education, o vertiginoso desenvolvimento das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) fez com que tanto esse quanto outros modelos de aprendizagem virtual decolassem.

Donna J. Abernathy, escritora e pesquisadora de 'e-learning'

A aprendizagem 'online' não é o grande assunto do futuro, é o grande assunto do presente

Não existe uma única forma de aplicar o blended learning, ou seja, a forma de ministrar esse método de ensino depende dos interesses de cada escola, pois algumas priorizam as aulas presenciais enquanto outras preferem o método digital. Uma referência é o High Tech High, uma rede de escolas norte-americanas que há anos aposta nesse modelo. Dessa forma, seus estudantes utilizam programas online para complementar as aulas de matemática ou de idiomas e, segundo apontam seus resultados, 98 % de seus alunos conseguem entrar na universidade, portanto poderíamos dizer que é um sucesso.

MODALIDADES DO 'BLENDED LEARNING'

O Clayton Christensen Institute for Disruptive Innovation aponta quatro modelos fundamentais:

 Rotacional

Os estudantes fazem rotação seguindo um horário fixo ou de acordo com o critério do professor entre diferentes modalidades de aprendizagem, sendo uma delas o método virtual. Esse modelo, por sua vez, oferece diversas opções (estações, laboratório, individual), no entanto o mais famoso é a sala de aula invertida, ou flipped classroom, onde os estudantes aprendem fora de sala através de recursos educativos online e realizam as atividades práticas na classe guiados pelo professor.

 Flex

Os professores instruem e apoiam sua turma de alunos em aula em um horário flexível e com pouca procura — tutorias, por exemplo —, ao mesmo tempo que os estudantes progridem segundo seu próprio ritmo em relação ao conteúdo mediante plataformas online.

 À la carte

Os alunos escolhem que disciplinas aprender de forma virtual, dependendo da própria oferta da escola, mas as demais matérias são ministradas de forma presencial.

 Virtual aprimorado ou enriquecido

Algumas sessões são ministradas aos alunos em sala de aula, mas depois estes têm liberdade para completar o curso de forma online. Apesar de não terem seus professores cara a cara todos os dias da semana, exige o cumprimento de um certo número de horas de aprendizagem presencial.

VANTAGENS E DESVANTAGENS DO 'BLENDED LEARNING'

A seguir, elencamos algumas das principais vantagens do blended learning: melhora a motivação e o desempenho dos estudantes, promove a participação, a autoaprendizagem e o trabalho em equipe, abre novas vias de inter-relação entre professores e alunos, permite uma maior flexibilidade, incentiva a inteligência digital e a aquisição de competências digitais, etc.

No entanto, esse modelo de aprendizagem também tem inconvenientes. Na opinião dos especialistas, o maior deles é que inicialmente pode ser complicado dada a exigência de trabalho individual e a imprescindível aquisição de competências tecnológicas que envolve, provocando uma dilatação da curva de aprendizagem.

Por que adotar um modelo blended learning?#RRSSPor que adotar um modelo 'blended learning'?

 VER INFOGRÁFICO: Por que adotar um modelo 'blended learning'? [PDF]

COMO DESENVOLVER UM MODELO 'BLENDED LEARNING'

Os principais passos para instaurar com sucesso o modelo blended learning são os seguintes:

1. Ter um plano. Implementar o modelo blended learning envolve uma mudança estratégica que exige, a sua vez, um plano por parte da direção da escola.

2. Ir passo a passo. Estabelecer objetivos claros e executar de forma sistemática o plano permite aprender rapidamente dos erros. Além disso, as pequenas conquistas proporcionam conhecimento e motivação.

3. Envolver o pessoal da escola. É imprescindível consultar os professores, assim como os alunos e pais para que possam entender melhor o que precisam e desejam em cada momento.

4. Dispor dos recursos adequados. Os material didático online é diferente do presencial. Um conteúdo interativo interessante melhora a experiência de aprendizagem.

5. Adaptar a tecnologia às necessidades. É preciso se perguntar como a tecnologia pode contribuir para que professores e alunos alcancem a melhor aprendizagem possível.

6. Avaliar os resultados. Compilar os dados e analisar as informações constantemente é a melhor forma de saber se os objetivos foram ou não atingidos.