EDUCAÇÃO DOMICILIAR

Educação em casa: como gerenciar a aprendizagem longe da sala de aula?

#talento digital #alto rendimento #sociedade

A pandemia da COVID-19 causou impacto em vários âmbitos, incluindo o setor educativo. Consequentemente, o processo de aprendizagem de milhares de crianças está acontecendo atualmente longe de suas salas de aula. A evolução das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) durante os últimos anos tem facilitado sua rápida implementação, mas com vantagens e inconvenientes.

A educação em casa é atualmente uma realidade, embora seja por pura necessidade. A pandemia da COVID-19, em maior ou menor grau, fez com que a competência educacional tenha sido transferida para dentro das residências a fim de evitar contágios descontrolados nas escolas. Embora existam várias opções de aprender em casa, as duas mais estendidas, considerando as circunstâncias, são o homeschooling e o ensino remoto. A primeira delas transfere completamente a função educativa para o ambiente familiar e depende da legislação vigente em cada país. A segunda transfere a educação para as residências como espaço físico, mas a competência continua sendo da escola.

A DIGITALIZAÇÃO DA EDUCAÇÃO

As novas tecnologias vêm sendo introduzidas pouco a pouco nas salas de aula, mas esse processo foi acelerado devido à crise do coronavírus. De qualquer forma, sua presença nos centros educacionais não pode ser igual em todo o mundo devido à exclusão digital. No entanto, o que é exatamente a digitalização da educação? Consiste basicamente em aplicar as TICs ao processo de ensino-aprendizagem com o objetivo de adquirir as habilidades convencionais e as competências digitais que esta nova era exige.

Mesmo com falhas e acertos, dada a urgência imposta pela COVID-19, a tecnologia permitiu que milhares de estudantes possam dar continuidade aos seus estudos em suas casas. A evolução ocorrida nos últimos anos da educação online e do desenvolvimento, por exemplo, de videogames educativos, fez com que essa nova situação seja menos traumática do que se esperava para os estudantes, o que trouxe a questão sobre se essa forma de educação disruptiva, apesar das incertezas, poderia ter chegado para ficar.

COMO FUNCIONA A EDUCAÇÃO DOMICILIAR

De acordo com as informações proporcionadas no último mês de março pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO), o fechamento parcial ou total das escolas afetou crianças e jovens de 185 países, alterando a rotina educativa de 89,4% da população estudantil do planeta. Para retornar à normalidade, milhares de instituições educacionais implementaram o ensino remoto através de diferentes alternativas digitais, disparando assim a educação à distância.

O ensino remoto faz parte do sistema educacional formal em todos os aspectos: currículo, horários, provas, diplomas, etc. Simplesmente transfere o lugar de estudo para a residência, seja de forma parcial ou total. Graças às TICs, estudantes e professores permanecem conectados e podem ver-se, ouvir-se, realizar tarefas individuais ou em grupo, fazer provas, entre outras atividades. Contudo, gerenciar a educação nas residências não é fácil. Modificar os hábitos em poucos meses, partindo, em alguns casos, do zero, representou um grande desafio para professores, assim como para os pais e alunos de todas as idades.
 

Como motivar as crianças durante a aprendizagem em casa.#RRSSComo motivar as crianças durante a aprendizagem em casa.

 VER INFOGRÁFICO: Como motivar as crianças durante a aprendizagem em casa [PDF]

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA EDUCAÇÃO DOMICILIAR

As vantagens de estudar em casa são várias. A seguir, analisamos algumas delas:

 Aumenta a responsabilidade individual do aluno.

 Melhora as competências digitais do estudante.

 Minimiza o bullying uma vez que os alunos não precisam ir à sala de aula.

 Reforça o envolvimento dos pais na educação de seus filhos, pois permite conhecer em primeira mão seu compromisso com os estudos e acompanhar mais de perto seu progresso.

No entanto, como é lógico, essa forma de ter acesso à educação apresenta certas lacunas e carências:

 Aumenta o isolamento social e reduz a realização de exercícios físicos.

 Dificulta a desconexão digital e pode favorecer o cyberbullying.

 Aumenta as diferenças sociais se o aluno tiver poucos meios tecnológicos ou se estes forem obsoletos.

 Aumenta as distrações ao não haver supervisão direta do professor.

O QUE É O 'HOMESCOOLING'

O homeschooling é uma alternativa que em muitos países está à margem do sistema educativo oficial. Por exemplo, nos Estados Unidos, após a experiência do confinamento, milhares de pais — mais de 10.000 só no estado da Carolina do Norte — solicitaram autorização para educar seus filhos em casa, e o homeschooling é exatamente isso, uma vez que os pais assumem o controle e decidem o quê, como e quando seus filhos vão aprender. É juridicamente legal? A resposta varia em função do lugar do mundo. Existem muitos países onde essa modalidade é legal, embora com diferentes níveis de regulamentação em cada um deles, em outros é proibido e em alguns se situa em um limbo jurídico (vazio jurídico).

Quais são suas vantagens? Na maior parte dos casos se trata de uma educação sob medida, ou seja, foca mais nos interesses de cada criança e em seus diferentes ritmos de aprendizagem e se baseia mais em experiências e competências do que em conteúdos. Não há horários, provas, nem um currículo concreto, pois são os pais que decidem e se responsabilizam por tudo. No que se refere às desvantagens, os especialistas coincidem em indicar as seguintes: falta de socialização e autonomia, risco de viés ao interagir menos com outras formas de pensar, inexperiência para trabalhar em equipe e dificuldades ao acessar diplomas oficiais.