COMPROMISSO COM O MEIO AMBIENTE

A juventude se manifesta contra as mudanças climáticas

Greta Thunberg é o ícone da luta da juventude contra as mudanças climáticas. E ela não está só. Milhares de jovens preocupados com o futuro do planeta aderiram ao Fridays For Future, iniciativa que promove encontros, todas as sextas-feiras, para ampliar a conscientização sobre esse problema global.

GRETA THUNBERG, ÍCONE DO ECOLOGISMO

Nenhuma geração tem tanto a perder com os efeitos negativos das mudanças climáticas como a Geração Z. Seu futuro está ligado ao futuro do planeta, e eles estão dispostos a preservá-lo. Eles sabem que fechar os olhos para essa realidade, cujas consequências são cada vez mais tangíveis, não é uma opção. Não fechar os seus e abrir os olhos do mundo foi o que fez a líder desse movimento, Greta Thunberg, durante seu discurso na COP24, realizada em dezembro de 2018, em Katowice (Polônia).

“No ano de 2078, comemorarei meus 75 anos. Se eu tiver filhos, eles, talvez, passem esse dia comigo e, talvez, me perguntem sobre vocês, sobre por que não fizeram nada enquanto ainda havia tempo para agir. Vocês dizem que amam os seus filhos, no entanto, roubam o futuro deles”. Foi com essa dureza que a jovem sueca — tinha 15 anos no dia desse discurso — se manifestou diante de representantes políticos e empresariais de diversos países. Suas palavras inspiraram jovens pelo mundo e foram o pontapé da iniciativa Fridays For Future.

Em 15 de março de 2019, a Juventude pelo Clima, a plataforma digital que surgiu para coordenar os protestos estudantis, convocou greves e concentrações que reuniram mais de um milhão de jovens em 2.083 cidades de 125 países. Seu objetivo: conscientizar a sociedade sobre as mudanças climáticas e exigir aos governos que ajam contra seus efeitos.

AS ADVERTÊNCIAS DA ONU

Só dois dias antes da greve convocada pela Juventude pelo Clima, a ONU (Organização das Nações Unidas) lançou um alerta aterrorizante sobre a crise ambiental que a humanidade está provocando no planeta. Uma situação de emergência crescente cujo efeito mais evidente é o aquecimento global, que está derretendo as calotas polares e alterando os ciclos climáticos. Uma crise que já ameaça outras esferas da vida, aumentando o número de migrações por motivos climáticos y provocando un impacto nunca visto na flora e na fauna.

O relatório Perspectivas do Meio Ambiente Mundial (GEO6), apresentado durante a IV Assembleia da ONU para o Meio Ambiente em Nairóbi (Quênia) e elaborado por 250 cientistas e especialistas de mais de 70 países, lançou afirmações tão impressionantes como estas:

  • A contaminação atmosférica causa, atualmente, entre 6 e 7 milhões de mortes prematuras por ano.
  • A temperatura do Ártico aumentará entre 3 e 5 graus centígrados entre 2019 e 2050.
  • Mitigar os efeitos das mudanças climáticas custaria 22 bilhões de dólares e a economia para a saúde seria de cerca de 54 bilhões.

AÇÕES DE JOVENS CONTRA AS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

A Geração Z tem um mantra: é tempo de agir e tem que ser agora. O compromisso dos jovens com o meio ambiente não é novo e não se limitou única e exclusivamente à organização de mobilizações e greves. Basta olhar para o passado que encontramos importantes projetos e iniciativas liderados por crianças e jovens que representaram um ponto de virada para suas comunidades:

  • Em 2005, vários furacões danificaram as dunas das praias das Bahamas, e os estudantes da Escola Hope Town mobilizaram sua comunidade para que plantassem na areia um tipo de arbusto muito resistente. Assim, nasceu o movimento Sandwatch. Em 2011, quando os furacões voltaram, as raízes mantiveram as dunas em seu lugar.
  • Os estudantes da escola secundária Lester Vaughan de Barbados, entre 2005 e 2007, produziram 3.154 litros de biodiesel com a coleta do óleo vegetal usado em suas comunidades. Além de conscientizarem sobre o uso do biodiesel como combustível alternativo, evitaram o desperdício de um tipo de óleo que danifica o meio ambiente.
  • O projeto Ghana Bamboo Bikes, premiado em 2010 pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), incentiva a fabricação de bicicletas com bambu em vez de aço. Essa iniciativa, além de fomentar uma forma de transporte não contaminante, conseguiu reduzir a taxa de desemprego entre os jovens.

Para a vice-secretária geral da ONU, Amina Mohammed, é evidente que os jovens vão liderar a luta contra as mudanças climáticas. “Peço aos líderes juvenis que se unam nesse esforço, porque necessitamos que eles defendam e liderem as ações climáticas globais e as práticas sustentáveis. Não achem que este planeta está garantido. É o único que temos”, lembrou em sua visita, em novembro de 2018, à Universidade Tsinghua de Pequim (China).

Elementos-chave para entender a Geração Z.#RRSSElementos-chave para entender a Geração Z.

 VER INFOGRÁFICO: Elementos-chave para entender a Geração Z [PDF]

EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA AS CRIANÇAS

Os jovens são o presente desse movimento, mas as crianças são o futuro. Se algum menino ou menina tiver consciência da importância da redução de suas emissões contaminantes, quando for adulto(a), será capaz de contribuir com seu grãozinho de areia para fazer deste planeta um mundo melhor. Portanto, é necessário explicá-los o que é a mudança climática e educá-los para mitigarem suas consequências. Como podemos fazer isso?

 Inventando um conto: compreender uma informação por meio de uma história é mais simples. Invente um conto divertido para ser contado às crianças antes de irem dormir.

 Recompensando a reciclagem: a reciclagem é simples, mas criar o hábito nas crianças é mais complexo. Crie um sistema de prêmios para quando eles cumprirem as tarefas.

 Transformando resíduos em brinquedos: brincar e aprender é possível. Crie atividades que estimulem crianças a construírem brinquedos com embalagens que já não serão utilizadas e dê uma “segunda vida” às coisas.

O exemplo de Greta Thunberg é o mais conhecido, mas não é o único. Inúmeras crianças e jovens de todo o mundo estão demonstrando dia após dia seu compromisso com a proteção do meio ambiente devido, em parte, à presença de recursos educativos que buscam aumentar o conteúdo sobre mudança climática nas escolas. Graças a isso EducaClima conhecemos Diana Monteiro, de 12 anos, que estuda no Colégio CiudadEscuela Muchachos de Madrid (Espanha).