CAUSAS E CONSEQUÊNCIAS DA CHUVA ÁCIDA

A chuva ácida, um perigo real para os seres vivos

A chuva ácida é uma das consequências da poluição atmosférica. Os gases provenientes da queima de combustíveis reagem com o oxigênio do ar e o vapor de água, transformando-se em ácidos que são depositados na superfície terrestre através das precipitações. Essa acidificação do solo e das águas superficiais exerce efeitos devastadores nos ecossistemas e representa um grave perigo para os seres vivos.

POR QUE OCORRE A CHUVA ÁCIDA?

As erupções vulcânicas, os terremotos, os incêndios naturais, os relâmpagos e alguns processos microbianos liberam dióxido de enxofre e óxidos de nitrogênio na atmosfera. Não obstante, é a ação humana a causadora da maior parte das emissões de dióxido de enxofre em consequência da queima de combustíveis na indústria e nas usinas elétricas, assim como da metade das emissões de óxidos de nitrogênio devido aos gases produzidos pelos veículos a motor. Da mesma forma — e embora em menor grau —, as explorações pecuárias intensivas produzem amoníaco a partir da decomposição da matéria orgânica.

Esses três poluentes, que podem ser transportados a grandes distâncias a partir de seus focos de origem, se oxidam quando entram em contato com a atmosfera originando a formação de ácido sulfúrico e ácido nítrico. Tais ácidos se dissolvem nas gotas de água das nuvens e caem na superfície terrestre mediante a denominada chuva ácida, que também pode ser em forma de neve ou nevoeiro.

Causas e consequências da chuva ácida.#RRSSCausas e consequências da chuva ácida.

 VER INFOGRÁFICO: Causas e consequências da chuva ácida [PDF]

EFEITOS DA CHUVA ÁCIDA

O pH da chuva sofre alterações quando combinada com o ácido sulfúrico e o ácido nítrico, por isso, quando a chuva cai sobre o solo e as águas, altera suas características químicas colocando em perigo o equilíbrio dos ecossistemas. É o que se conhece como acidificação do meio ambiente, um fenômeno que tem graves efeitos:

  • Os oceanos podem perder biodiversidad y productividad. A queda do pH das águas oceânicas prejudica o fitoplâncton, fonte de alimento de diferentes organismos e animais, o que pode modificar os níveis tróficos e acarretar a extinção de diferentes espécies marinhas.
  • As águas continentais também estão sofrendo acidificação a um ritmo muito rápido, um fato especialmente preocupante se tivermos em consideração que, apesar de apenas 1% da água do planeta ser doce, 40% dos peixes vivem nela. Tal acidificação aumenta a concentração de íons metálicos — principalmente íon de alumínio —, o que poderia ocasionar a morte de uma grande parte dos peixes, anfíbios e plantas aquáticas dos lagos acidificados. Além disso, os metais pesados são deslocados para as águas subterrâneas, que deixam de ser aptas para o consumo.
  • Nas florestas, o baixo nível de pH do solo e a concentração de metais como o alumínio impedem que a vegetação absorva corretamente a água e os nutrientes necessários. Isso danifica as raízes, diminui o crescimento e torna as plantas mais fracas e vulneráveis a doenças e pragas.
  • A chuva ácida também afeta o patrimônio artístico, histórico e cultural. Além de corroer os elementos metálicos de edifícios e infraestruturas, deteriora o aspecto externo dos monumentos quando depositada sobre eles. O maior dano se verifica nas construções calcárias, como o mármore, que se dissolvem pouco a pouco devido ao efeito dos ácidos e da água.

COMO EVITAR A CHUVA ÁCIDA?

Uma vez que o ser humano é seu principal causador, a solução para o problema da acidificação do meio ambiente está em suas mãos: para mitigar a chuva ácida, é imprescindível reduzir as emissões poluentes. Para tal, é necessário que exista um compromisso em âmbito governamental e empresarial que impulsione uma série de medidas:

  • Filtrar e desintoxicar a água utilizada pelas fábricas antes de devolvê-la aos rios.
  • Reduzir a emissão de gases poluentes por parte da indústria.
  • Favorecer a geração e o uso de energias limpas, em detrimento dos combustíveis fósseis.
  • Diminuir o consumo energético nas fábricas e empresas.
  • Potencializar a inovação e as novas tecnologias orientadas para a otimização do consumo energético e o desenvolvimento de energias limpas.
  • Plantar árvores para que absorvam o ar poluído.
  • Conscientizar a população sobre a importância da redução do consumo de energia nas casas.
  • Fomentar o uso do carro elétrico e de outros veículos não poluentes, como a bicicleta.

O grupo Iberdrola está plenamente alinhado com esse compromisso de reduzir a emissão de gases poluentes na atmosfera. Nesse sentido, assumiu o compromisso de reduzir suas emissões de CO2 em 50% até 2030, em relação aos seus níveis de 2007, e ser neutra em carbono em 2050.

 Transição energética e descarbonização

 A Iberdrola e o uso da água(*) Nota

 ODS 6: Água limpa e saneamento(*) Nota

 Usos da água: hábitos recomendáveis

   

(*) Disponível na versão em espanhol.