APLICAÇÕES DO 'BLOCKCHAIN' NA INDÚSTRIA DA ARTE

O 'blockchain' revolucionará a indústria da arte

As aplicações do blockchain chegaram ao mundo da arte. Essa tecnologia, na qual se baseia o bitcoin ou moeda virtual, já pode ser aplicada às indústrias criativas para superar grande parte dos obstáculos enfrentados pelos autores hoje em dia. Algumas de suas principais vantagens consistem em garantir, entre outros aspectos, direitos autorais, transparência nas vendas ou proveniência das obras.

COMO O 'BLOCKCHAIN' AJUDA O SETOR DA ARTE?

As aplicações de blockchain — ou cadeia de blocos — são bastante conhecidas no setor das finanças. Elas permitem operações seguras na internet como o pagamento com criptomoedas ou os contratos inteligentes (smart contracts). Em 2017, essa tecnologia, criada em 2008, tinha um valor de mercado global que ultrapassou a marca de 700 milhões de dólares, conforme relatou um estudo da Wintergreen Research, empresa que faz análises de mercados. De acordo com suas previsões, esse valor pode chegar a 60 bilhões de dólares em 2024.

Em outras áreas, como a arte, seus benefícios ainda não são explorados. Mas as aplicações de blockchain na música, no cinema, no teatro ou na indústria editorial poderiam significar melhorias revolucionárias em um futuro não muito distante. Essas são suas principais vantagens:

REDUÇÃO DE INTERMEDIÁRIOS

O número de intermediários nas operações de compra e venda dificulta o acesso dos autores ao seu público e encarece seus trabalhos.

Alguns dos revendedores que aparecem na lista Forbes podem ganhar quase 1 bilhão de dólares em um ano com o comércio de obras. Só em 2017 foram efetuadas 39 milhões de transações em todo o mundo, e o mercado global da arte alcançou um valor de 63 bilhões de dólares durante o mesmo ano, de acordo com o portal de dados Statista.

As iniciativas baseadas em aplicações de blockchain e smart contracts devolverão aos artistas o controle de suas obras. Assim, eles poderão mostrar ou vender seus trabalhos para potenciais compradores em um ambiente on-line seguro e a preços rentáveis.

É o que faz a Maecenas Fine Art, pioneira nos leilões de arte via blockchain. Nessa plataforma, os vendedores fazem um inventário de suas obras, e os investidores podem comprá-las por fragmentos, tornando o custo da operação mais baixo. Sem intermediários e com a transparência, rastreabilidade e rapidez que o blockchain possibilita.

GARANTE A PROPRIEDADE INTELECTUAL

O blockchain também pode ser aplicado a inovações na área de direitos autorais. Graças a essa tecnologia, podemos armazenar de forma permanente a propriedade intelectual de um trabalho na nuvem e administrá-la de onde e quando quisermos.

Isso melhora a transparência e garante os direitos autorais em um momento delicado para a evolução da arte na internet: em 2017, foram feitas 300 bilhões de visitas a sites de conteúdo pirata no mundo, 1,6% a mais em relação a 2016, de acordo com estudo da empresa londrina Muso sobre pirataria on-line.

A Kodak e a Baidú são duas empresas com iniciativas blockchain para proteger e gerenciar a propriedade intelectual das fotografias que circulam na rede. A primeira por meio de uma criptomoeda única para comprar imagens dentro de sua própria plataforma; e a segunda usa um app onde as informações de copyright ficam armazenadas no blockchain.

MELHORA A RASTREABILIDADE DAS CRIAÇÕES

Outra aplicação do blockchain é melhorar a rastreabilidade das obras de arte. Como se trata de uma tecnologia criptográfica complexa, podemos registrar o percurso completo de um quadro, escultura ou qualquer objeto valioso, desde a criação até seu destino final.

No blockchain são armazenadas informações de, entre outras coisas, registros, vendas, estudos, análises, certificações e avaliações de uma obra. Assim, é possível reduzir o tráfico ilícito de bens culturais e também resolver o problema das falsificações.

Outras vantagens da aplicação do blockchain na arte.#RRSSOutras vantagens da aplicação do blockchain na arte.

 VER INFOGRÁFICO: Outras vantagens da aplicação do 'blockchain' na arte. [PDF]

Ver conteúdo

Além de eliminar intermediários, proteger os direitos autorais e facilitar o rastreamento da arte, o blockchain tem outros benefícios:

  • Quebra o monopólio da indústria

O blockchain capacita pequenos artistas empreendedores a acabar com o domínio de grandes casas de leilão e galerias de arte.

  • Manter o anonimato do colecionador

O blockchain fornece dados públicos sobre obras de arte sem revelar a identidade dos colecionadores.

  • Conecta artistas

O blockchain criará um mercado on-line interconectado onde os criadores poderão comprar materiais e ferramentas mais baratos.

  • Certifica a propriedade do colecionador

Em casos de roubo, perda ou destruição de uma obra de arte e seus documentos legais, os proprietários podem comprovar seus direitos de propriedade para as companhias de seguro.

  • Promove a criação de arte digital

O blockchain facilita o trabalho de artistas que dependem de algoritmos de computador ou elementos digitais para criar suas obras de arte.

  • Certifica a qualidade dos arquivos

O blockchain certifica a produção de imagens originais ou de alta qualidade em trabalhos feitos em uma tela.

  • Opera com criptomoedas

Compra e venda são aceleradas, e as comissões bancárias cobradas sobre as transferências desaparecem.

  • Galerias de Digitalização

Os espaços físicos perderão protagonismo para um mercado on-line descentralizado e autônomo que operará por meio de contratos inteligentes.

Ocultar conteúdo

O SUCESSO DA OPEN MUSIC INITIATIVE

O salto da música para a Internet provocou uma mudança radical nessa indústria. Do reprodutor de CD passamos para a reprodução contínua (streaming) e para serviços como o Spotify — com 191 milhões de usuários ativos e mais de 40 milhões de músicas em setembro de 2018, de acordo com a própria empresa — ou o Youtube — com mais de 5 bilhões de reproduções diárias em junho de 2018, de acordo com a agência de dados Omnicore —, que dominam os conteúdos musicais no mundo.

Com essa mudança, os músicos pediram uma solução que permitisse que eles tivessem o domínio de suas criações e recebessem uma porcentagem mais justa por elas. Entre as diferentes aplicações do blockchain surgiram plataformas como a Open Music Initiative, sem fins lucrativos e que devolve aos autores o controle de suas obras.

Essa iniciativa do Berklee College of Music e do Instituto Tecnológico de Massachusetts (MIT) rastreia o uso de uma determinada obra musical, seu número de reproduções e onde ela foi reproduzida. Ela também permite elaborar contratos inteligentes (smart contracts) para que os artistas vendam os direitos de sua própria composição com segurança e autonomia.

No mercado da venda de ingressos apareceram serviços de blockchain para reduzir a fraude e a especulação. Por meio de tickets inteligentes são elaborados registros únicos de compradores autorizados para que os responsáveis por eventos possam controlar e bloquear os ingressos de revenda.

Outras tecnologias que revolucionaram a arte.#RRSSOutras tecnologias que revolucionaram a arte.

 VER INFOGRÁFICO: Outras tecnologias que revolucionaram a arte. [PDF]

Ver conteúdo

Além do blockchain, há outras inovações que transformaram as indústrias criativas. Estas são algumas das mais conhecidas:

1. Edição de imagens digitais

A edição de imagens pelo computador revolucionou a fotografia. Com essa tecnologia, é possível retocar cores, contrastes, brilho, elementos da imagem, formatação.

2. Streaming

É a tecnologia de transmissão contínua mais usada no mercado da Internet. Reproduzir e baixar um áudio ou vídeo é feito simultaneamente.

3. Crowdfunding

O crowdfunding colaborativo na web permite que artistas financiem seus projetos com pequenas contribuições de muitos usuários diferentes.

4. Impressão 3D

Impressoras 3D abriram novos caminhos para escultura e arquitetura. Permite a inovação em design e materiais.

5. Video mapping

Essa técnica permite criar desenhos, imagens ou sons em superfícies, como fachadas de edifícios, monumentos etc.

6. Realidade Aumentada

Combina objetos reais com virtuais. A artista Scarlett Raven usa a realidade aumentada para mostrar o processo criativo por trás de cada uma de suas pinturas.

[Ocultar conteúdo]

 Você sabe o que é 'blockchain' e como isso vai nos afetar?(*) Nota

 Os templos da arte do século XXI(*) Nota

 Comprometidos com o desenvolvimento cultural

   

(*) Disponível na versão em espanhol.