AÇÕES PARA PRESERVAR O MEIO AMBIENTE

Consumo responsável: a chave para preservar o meio ambiente

Você tem certeza de que sabe como preservar o meio ambiente? Muitas pessoas acreditam que têm uma convivência respeitosa com a natureza, mas nossos hábitos de consumo revelam o contrário. Muitos de nossos costumes corriqueiros parecem sustentáveis, mas, na realidade, poluem. Conheça os cinco erros mais prejudiciais para a saúde de nosso planeta.

HÁBITOS DE CONSUMO PARA LUTAR CONTRA A POLUIÇÃO

Se em 2050 chegarmos a 9,6 bilhões de habitantes no mundo, como é previsto pela Organização das Nações Unidas (ONU), serão necessários quase três planetas de recursos naturais para que seja possível nos abastecer e viver como hoje. Mas só existe uma Terra e, por isso, cada coisa que fizermos por ela, mesmo que seja muito pequena, tem uma grande importância.

Conheça cinco práticas diárias que você pensava que eram inofensivas — ou, até mesmo, sustentáveis —, mas que, na verdade, provocam danos consideráveis ao meio ambiente.

 Comer carne, peixe e fruta em excesso

São alimentos imprescindíveis em nossa dieta, embora não muito saudáveis para o ambiente natural. Em um relatório de 2018, o Greenpeace alertou que 14,5% de todos os gases de efeito estufa (GEE) vêm da pecuária industrial. A indústria da carne, por exemplo, afeta negativamente o uso do solo, uma vez que entre 75% e 80% dos terrenos agrícolas do mundo são destinados à produção pecuária. Por outro lado, se essas mesmas terras fossem destinadas ao cultivo de vegetais, teríamos alimentos para mais 4 bilhões de pessoas.

A pesca massiva também não contribui para preservação do meio ambiente, já que essa atividade afeta a biodiversidade dos ecossistemas marinhos. Além disso, para fazer um consumo responsável de fruta, é recomendável que sejam escolhidas as frutas da estação.

 Comprar cápsulas de café e sachês de chá

No mundo, são descartadas mais de 7 bilhões de cápsulas de café por ano, cerca de 13.500 por minuto, de acordo com cálculos da Halo, a principal fabricante britânica de embalagens. As cápsulas são compostas, em sua maioria, por alumínio e plástico, o que faz com que elas sejam grandes inimigas do meio ambiente.

Estados Unidos, Itália e Espanha são os países que mais consomem esses recipientes de doses únicas. Além disso, não é comum que seus consumidores reciclem ou descartem incorretamente esse tipo de embalagem, uma vez que não são consideradas embalagens pela legislação e deveriam ser depositadas em pontos de coleta especiais.

Os sachês de chá também favorecem a poluição ambiental: os sachês são prejudiciais ao nosso planeta porque contêm náilon ou Polietileno tereftalato (PET), um tipo de plástico derivado do petróleo.

Por isso, é recomendável reduzir o consumo desse tipo de produto e optar por alternativas mais sustentáveis como as cafeteiras tradicionais ou o chá a granel.

 Utilizar sacos de papel

Acreditamos que, por serem feitos de papel, não prejudicam tanto como os cinco bilhões de sacos de plástico anuais que, de acordo com a ONU, utilizamos no mundo. Mas a realidade é bem diferente: dificilmente são reutilizados e costumam acabar no contêiner do lixo orgânico.

Além disso, o gasto de energia para fabricar um saco de papel é quatro vezes maior em relação ao saco de plástico. Sua produção exige muita água e madeira, emite gases nocivos na atmosfera e utiliza produtos químicos que poluem os recursos hídricos e danificam os ecossistemas. Um bom substituto para os sacos de papel são os de algodão, resistentes, laváveis e reutilizáveis.

 Lavar com detergentes e amaciantes não ecológicos

A maioria dos sabões de roupa é tóxico, pois contém corantes e outras substâncias poluentes como fosfatos, tensoativos, solvente 1,4 dioxano ou branqueadores ópticos que nunca se degradam. Esses elementos provocam irritações e alergias, poluem a água e danificam os ecossistemas marinhos.

Os impactos ambientais causados pelo uso de detergentes apenas nos Estados Unidos é de 218 kg por família e ano, sem considerar o gasto de energia da máquina de lavar e da secadora. A solução é usar detergentes ecológicos para a roupa com ingredientes naturais e biodegradáveis.

 Beber água engarrafada

As garrafas de plástico são um claro exemplo de poluição ambiental. De acordo com o Greenpeace, elas demoram cerca de 500 anos para se decompor. Ao todo, são 500 bilhões de unidades fabricadas por ano no mundo que podem afetar nossa saúde devido às micropartículas que deixam na água engarrafada.

Em 2018, a ONG americana Orb Media analisou a água mineral de mais de 250 garrafas de marcas líderes e 93% deram positivo para polipropileno, nylon ou PET. A única opção responsável com o meio ambiente é, portanto, beber água da torneira ou usar garrafas de vidro reutilizáveis.

Por isso, a Comissão Europeia apresentou no último dia 1.º de fevereiro uma revisão da legislação comunitária sobre a água potável e o acesso a ela, cujo objetivo é, entre outras coisas, aumentar a confiança dos cidadãos em relação ao consumo da água da torneira. Conforme previsto pela instituição europeia, as novas medidas reduzirão os eventuais riscos para a saúde associados ao consumo de água potável de 4% para menos de 1%. Além disso, ao diminuir o consumo de água engarrafada, a Comissão espera que as residências europeias economizem mais de 600 milhões de euros por ano.


Outras dicas para preservar o meio ambiente.#RRSSOutras dicas para preservar o meio ambiente.

 VER INFOGRÁFICO: Outras dicas para preservar o meio ambiente [PDF]

 Economia circular (*) Nota

 Produtos orgânicos

 Usos da água: hábitos recomendáveis


 Cidades sustentáveis e consumo responsável

   

(*) Disponível na versão em espanhol.