VOLUNTARIADO INTERNACIONAL

Você pode mudar o mundo!

25% de europeus e norte-americanos colaboram como voluntários. Na Espanha, 260.000 pessoas participam de projetos internacionais. Eles querem mudar o mundo, mas, muitas vezes, esse novo mundo é o que os transforma.

Voluntariado Iberdrola.

“O mais difícil? O retorno. Voltar a essa sociedade consumista e, muitas vezes, superficial.” É assim que a madrilenha Ana Morenas descreve o impacto de trabalhar como voluntária no campo de refugiados sírios de Katsikas (Grécia). "Lá, as questões materiais são deixadas de lado. O gratificante são as pessoas. Você compartilha tudo, vive muitas experiências... É uma experiência muito intensa". Todas as manhãs, Ana ajudava no armazém e, à tarde, na creche.

Elena Sanz prestou apoio aos refugiados sírios na Espanha. “Apesar da difícil situação, todos demonstram uma grande força, coragem e positivismo que muitos de nós gostaria de ter”, comenta sobre a experiência que classificou como “mais do que enriquecedora”.

Cormac Lacey passou três semanas em uma favela de São Paulo (Brasil) ensinando informática a vários adolescentes. "Vi a esperança no rosto deles. O mais importante foi colocar a ideia de que eles podem alcançar qualquer objetivo que se proponham na vida". O relacionamento com os demais voluntários foi excepcional: "compartilhávamos um olhar positivo sobre a vida e, por isso, a equipe era muito mais do que a soma de seus componentes".

Para Hannia Caballero, também foi difícil retornar do orfanato Darna, no Marrocos, para seu trabalho em um cartório de notas. "Criam-se laços com as crianças, com suas cuidadoras e vemos que seu trabalho é muito pontual, apesar de elas necessitarem de apoio permanente".

Em um mundo global, a solidariedade também se internacionalizou e há muito a ser feito nos países mais desfavorecidos em relação à infância, igualdade, educação, saúde ou ajuda humanitária.

O voluntariado internacional permite viajar, viver e mergulhar em novas culturas, aprender idiomas e crescer como pessoa ao conhecer, em primeira mão, realidades muito diferentes do dia a dia do país de origem.

Como podemos colaborar?

Há muitas formas. O mais comum é participar de um programa de uma ONG. Existem muitas possibilidades, desde a ONG pagar todas as despesas (viagem, alojamento, comida etc.) até ela se encarregar de pagar apenas o seguro (e as despesas ficarem por conta do voluntário, como foi o caso da Hannia). A Ana foi para a Grécia por sua conta. Entrou em contato com a ONG Aire e com a associação Olvidados, que reservou um lugar em seu albergue por cinco euros por noite. Comprou a passagem de avião e, em Katsikas, se colocou a serviço dos coordenadores do ACNUR.

Elena e Cormac são dois exemplos de uma forma de colaboração cada vez mais importante: o voluntariado corporativo. As duas participaram de programas da Iberdrola, tanto em ações locais e pontuais quanto em projetos internacionais e de longo prazo, como o projeto Involve. A empresa promove o voluntariado e oferece tudo: treinamento, viagem, alojamento etc. Muitos empregados repetem a experiência todos os anos.

 A Iberdrola e seu Programa Internacional de Voluntariado Corporativo

De acordo com o Observatório do Voluntariado Corporativo, 87% das empresas ibero-americanas e 67% das espanholas têm programas de voluntariado. Em 7,3% das empresas mais de metade dos empregados participa, embora o mais comum seja uma participação inferior a 10%.

De acordo com o relatório The Big Tenth da Associação Internacional para o Fomento ao Voluntariado, 73% das empresas afirmam que empregariam mais rapidamente um candidato com experiência como voluntário do que outro sem ela e 58% apontam que a experiência como voluntário pode ser mais valiosa do que a experiência em um trabalho remunerado. Os empregados também pensam assim: mais de 90% consideram que o voluntariado aumenta as habilidades de liderança e a capacidade para resolver problemas e tomar decisões.

Milhões de voluntários

Determinar o número de voluntários é muito complicado, principalmente devido à amplitude de sua definição. A Plataforma do Voluntariado da Espanha calcula esse número em 3,1 milhões em 2015. Cerca de 262.000 destes exercem, anualmente, seu trabalho em outro país. Os homens são a maioria: 54% do total e dois terços no caso do voluntariado internacional.

PORCENTAGEM DA POPULAÇÃO VOLUNTÁRIA EN UMA ONG
Dados por faixa etária (Outubro 2015)

13,11%

De 14 a 24
anos

8,71%

De 25 a 34
anos

6,06%

De 35 a 44
anos

6,16%

De 45 a 54
anos

6,34%

De 55 a 64
anos

8,41%

De 65 y más
anos

Fonte: A população espanhola e seu envolvimento com as ONGs. PVE, 2015.

 

A União Europeia [PDF] tem entre 92 e 94 milhões de voluntários (23% da população), seja de forma permanente ou pontual, enquanto, nos Estados Unidos, o departamento do Trabalho calcula que o voluntariado representa 25,4% da população.

A UE fomenta o voluntariado entre os jovens com o programa European Voluntary Service. A iniciativa acaba de completar duas décadas e já prestou assistência a 100.000 voluntários de 17 a 30 anos. Seus projetos duram de duas semanas a um ano e cobrem todas as despesas.