O QUE É A FOTOGRAFIA CONCEITUAL?

A fotografia conceitual ou a arte de representar o abstrato

A fotografia conceitual fala conosco com imagens. Cada foto que captura contém uma poderosa mensagem capaz de transmitir as ideias mais abstratas do nosso pensamento. Esta modalidade artística tem adquirido importância com os anos e hoje é uma das categorias dos reconhecidos Sony World Photography Awards.

O surgimento da arte conceitual no final dos anos 60 deu à fotografia um novo sentido que transcendia sua capacidade de imortalizar identidades, lugares e momentos. As imagens planas e mudas deram lugar a uma fotografia conceitual cheia de significado, que utiliza a criatividade para representar ideias e emoções abstratas, como o amor, a nostalgia, a solidão ou a passagem do tempo, com o objetivo de provocar a reação do espectador.

Uma das principais características da fotografia conceitual é o fato de que os artistas reflitam sobre as cenas e as preparem detalhadamente antes de capturá-las, para acentuar a mensagem que desejam transmitir. Algumas vezes, até mesmo introduzem nas composições elementos fantásticos e exagerados, ou usam edição digital para incluir efeitos a posteriori que podem surpreender quem as vê.

A imagem que abre este artigo — de título e autor desconhecidos — mostra o tambor de um revólver carregado com cigarros no lugar de balas. A mensagem que subjaz nessa foto é evidente e reflete perfeitamente tudo o comentado na fotografia conceitual.

Principais aplicações da fotografia conceitual.#RRSSPrincipais aplicações da fotografia conceitual.

 VER INFOGRÁFICO: Principais aplicações da fotografia conceitual [PDF]

PASSOS PARA FAZER FOTOGRAFIA ARTÍSTICA CONCEITUAL

A complexidade deste gênero fotográfico tornou-o um dos mais difíceis. É recomendável seguir algumas diretrizes:

 Defina o conceito
Antes de montar a cena e pegar a câmera, você deve ter a certeza de qual é a mensagem e como a irá transmitir.

 Procure a inspiração
As boas ideias quase nunca caem do céu. A fotografia conceitual requer método, disciplina e rotinas de trabalho como a reflexão, a observação e a exploração contínuas.

 Anote o que vier à sua cabeça
Quando você tiver uma ideia, anote-a imediatamente em um bloco de notas ou no celular para não esquecer.

 Use símbolos
Muitos deles são universais e pode utilizá-los para expressar conceitos como o tempo (um relógio), o infinito (uma estrada reta que se perde no horizonte), etc.

 Simplifique a mensagem
Expresse sua ideia da forma mais clara e simples possível. Uma imagem pode admitir diversas leituras, mas a mensagem tem que ser evidente.

 Cuide muito da produção e execução
Nesta fase, decidem-se aspectos técnicos, como o tipo de lente, o enquadramento, a iluminação, a localização, a composição, os objetos ou modelos, etc.

 Esforce-se na pós-produção
Inclui todo o processo de edição e retoques fotográficos. É uma das etapas mais importantes e pode demorar semanas ou meses.

MOVIMENTOS ARTÍSTICOS DA FOTOGRAFIA CONCEITUAL

Existem duas formas principais de conceber esta modalidade artística conforme o tipo de mensagem que transmite:

  1. Opta por imagens e composições mais simples, sem distrações, para que as mensagens sejam claras e universais. O espectador deve entender a vontade do artista no primeiro olhar, sem que haja espaço para outras interpretações.
  2. Joga com ideias mais complexas e fotografias que contêm mais elementos e simbologia. Neste caso, a mensagem é mais difusa e o significado da imagem é determinado pela leitura do espectador. Este tipo de fotografia conceitual é mais arriscado, pois o público pode interpretar mal a mensagem ou inclusive ignorá-la.

ARTISTAS CONCEITUAIS QUE DEVERÍAMOS SEGUIR

Entre os autores mais importantes em termos mundiais deste gênero fotográfico, destacam nomes como:

  • Chema Madoz: este artista espanhol está considerado como uma das grandes referências internacionais da fotografia conceitual. Ganhou o Prêmio Nacional de Fotografia espanhol e o Prêmio Higashikawa, entre outros reconhecimentos, e expôs sua obra em galerias e museus de todo o mundo.
  • Jordi Larroch: fotógrafo e poeta espanhol, em sua obra combina objetos cotidianos levemente modificados para conceder-lhes um novo significado. As imagens de Larroch se dividem em duas séries (Branco e Preto).
  • Amy Stein: fotógrafa norte-americana e autora de séries conceituais como Stranded e Domesticated. A obra de Stein explora a nossa relação com o selvagem e os efeitos dos nossos impulsos sobre o comportamento dos seres humanos e animais.
  • David Levinthal: autor norte-americano conhecido por utilizar bonecas e brinquedos em cenas que ilumina de forma dramática para que tenham um aspecto humano. A maior parte de sua obra faz referência a elementos da cultura pop americana e da TV a cores.
  • Heidi Lender: esta fotógrafa norte-americana começou sua carreira escrevendo sobre suas experiências em sessões de fotos para revistas de moda. Com a câmera, Lender se concentra na exploração do ser humano e o autorretrato é uma constante em sua obra.