O QUE SÃO OS ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO

O fim dos estereótipos começa na sala de aula

A autoestima, a ambição e as expectativas das meninas são as primeiras vítimas dos estereótipos de gênero. Portanto, erradicar os clichês e seus comportamentos associados deveria ser prioritário para qualquer sociedade e deve começar nas escolas. Algumas iniciativas defendem a introdução de referências femininas nas salas de aula como primeiro passo.

Em 16 de junho de 1963, em plena luta pela conquista do espaço entre Estados Unidos e União Soviética durante a Guerra Fria, Valentina Tereshkova se tornou a primeira mulher astronauta. A bordo da Vostok 6 e, com apenas 26 anos, a Gaivota — esse era seu sinal de chamada durante o voo — fez história e virou um símbolo da igualdade entre homens e mulheres. Durante as 70 horas e 50 minutos em que esteve longe da Terra, deu 48 voltas em torno do planeta. Nada mais, nada menos. Quem disse que era impossível?

Passaram 56 anos desde o feito de Tereshkova, mas, ainda hoje, se alguém ler astronauta, arquiteto, engenheiro ou piloto é mais do que provável que você imagine a figura de um homem. A reação é involuntária, porque essa é a imagem que é aceita pela sociedade. Além disso, os números apoiam essa abstração. No caso dos pilotos de avião, por exemplo, só 3% no mundo são mulheres. Talvez, seja necessário questionar o porquê desse dado para encontrar o remédio.

AS CONSEQUÊNCIAS DOS ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO

Os estereótipos de gênero afetam meninas de todo o mundo – independentemente do nível de desenvolvimento de seu país – e são fomentados pela sociedade em geral, desde os pais até os professores. Essa é uma das principais conclusões do estudo Global Early Adolescent Study elaborado pela OMS e pela Universidade John Hopkins. E isso, apesar de algumas pessoas considerarem como trivial, tem consequências muito prejudiciais para as meninas desde muito cedo, pois reduz suas ambições e limita suas opções profissionais.

De acordo com a pesquisa Gender stereotypes about intelletual ability emerge early and influence children's interests publicada na revista Science em 2017, as meninas começam se sentindo menos inteligentes do que os meninos a partir dos seis anos. “Nem os meninos nem as meninas nascem sexistas. Há algo que todos nós, como sociedade, fazemos para que cheguem a esse ponto” – afirma Miriam González, fundadora da Inspiring Girls na Espanha. Por isso, essa questão tem um enorme contexto sociocultural, uma vez que associa, por exemplo, certas atividades, roupas e passatempos a homens e outros a mulheres. A UNESCO alerta que as mulheres estão sub-representadas em disciplinas STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática): só 29% dos pesquisadores no mundo são mulheres.

A SOLUÇÃO ESTÁ NA EDUCAÇÃO

A origem dos estereótipos está na educação e é aí onde mora a solução. Por isso, como afirma a UNESCO em seu Relatório de Monitoramento Global de Educação, o apoio dos governos é indispensável. Por exemplo, é importante revisar periodicamente os planos de estudos, livros didáticos e programas de formação docente para garantir que os estereótipos de gênero não se perpetuem ou assegurar a promoção de programas de aprendizagem, tutorias, redes ou bolsas de estudos para fomentar a incorporação das mulheres nos campos STEM.

Dentro das escolas, o papel dos professores é fundamental na hora de promover um ensino de qualidade e neutra em termos de gênero que vise o bem-estar dos estudantes e o respeito pelas normas profissionais. Lina Gálvez, diretora do Mestrado em Gênero e Igualdade na Universidade Pablo de Olavide de Sevilla e experiente pesquisadora de igualdade de gênero, dá alguns conselhos para que os docentes atuem contra a desigualdade dentro e fora da sala de aula:

Conscientizar-se sobre o sexismo. Questionar certos estereótipos que assumimos como naturais, mas que, na realidade, são construções sociais.

 Tratar a questão da igualdade sem complexidade. Ignorar as críticas ou as pressões exercidas por terceiros ao abordar questões sobre igualdade.

 Unir forças em prol de uma educação igualitária. Quanto mais pessoas se envolverem nesse tipo de educação, mais eficaz ela será.

 Trabalhar de forma transversal. Alertar às crianças que sigam suas preferências, independentemente se coincidem ou não com o estereótipo esperado.

Como evitar os estereótipos de gênero na escola?#RRSSComo evitar os estereótipos de gênero na escola?

 VER INFOGRAFÍA: Como evitar os estereótipos de gênero na escola? [PDF]

REFERÊNCIAS FEMININAS PARA EVITAR A DISCRIMINAÇÃO

É possível eliminar os estereótipos das nossas mentes? A organização Inspiring Girls, que nasceu no Reino Unido e já está presente em mais nove países, diz que sim. Seu objetivo é melhorar a autoestima, a ambição profissional e as expectativas profissionais das meninas em idade escolar, dando a possibilidade de elas enxergarem a grande variedade de profissões que existem no mercado de trabalho, sem que o fato de ser mulher represente qualquer tipo de limitação.

Como eles fazem isso? Organizando workshops entre meninas e mulheres consideradas referência em suas profissões. As mulheres voluntárias dedicam seu tempo para irem às escolas e explicar para as meninas sobre sua atividade profissional: o que eles são apaixonados em seu trabalho ou quais são os obstáculos durante o desenvolvimento de sua carreira. Trata-se, em resumo, de mostrar que referências femininas possam ser fontes de inspiração para as mulheres do amanhã.
 

 Como os robôs educativos ajudam no desenvolvimento de seus filhos?(*) Nota

 ODS 5: Igualdade de gênero(*) Nota

 

Lute contra o plástico. Capture Lord Plastik! Participe.

 

(*) Disponível na versão em espanhol.