DESCARBONIZAR O SETOR ELÉTRICO

As energias renováveis já estão disponíveis e são essenciais para aumentar a eficiência e a descarbonização

A eletricidade é a fonte secundária de energia mais descarbonizada, devido a sua capacidade de integrar energias renováveis e o que, mais que nenhuma outra, permite o aumento real de eficiência energética.

As energias renováveis não emitem CO2 nem outras emissões contaminantes, não geram resíduos e são cada vez mais competitivas do ponto de vista econômico. Espera-se alcançar em torno de 75% de geração elétrica renovável em 2030, com evolução adicional dessa marca até 2050. Para que isso seja possível, é necessário:

1. ESTIMULAR AS RENOVÁVEIS, incentivando os mecanismos competitivos.

Mais informações sobre as energias renováveis

As energias renováveis são a ferramenta fundamental para a luta contra as alterações climáticas, uma vez que não emitem CO2 nem outros gases poluentes. Além disso, não geram resíduos nem consomem água, sendo capazes de produzir eletricidade com respeito ao meio ambiente. Isto converteu a eletricidade em energia limpa por excelência e, para a eletrificação da economia, a única maneira possível de descarbonizar o sistema econômico atual. Contudo, além do meio ambiente, as energias renováveis têm muitas outras vantagens:  já são competitivas, pois reduziram significativamente seus custos de investimento; e oferecem estabilidade à economia, uma vez que, ao não consumir matérias primas, seu preço de produção é conhecido e invariável. Além disso, substituem os gastos com compra de combustíveis fósseis por investimentos locais, gerando emprego, favorecendo o desenvolvimento tecnológico e reduzindo o risco de escassez de energia em países que apenas têm recursos fósseis.

Por isto, a Iberdrola optou no ano 2000 pelas energias renováveis, atingindo mais de 30 GW de energias renováveis em todo o mundo e sendo líder mundial em energia eólica. A Iberdrola considera que o desenvolvimento de energias renováveis é prudente e necessário e, para isto, defende o desenvolvimento de todas as tecnologias renováveis que permitam obter um sistema elétrico eficiente. Esquemas regulatórios para as energias renováveis que possibilitem o retorno do investimento, uma vez que quase todo o custo dessas usinas é o investimento inicial e apenas têm custo de produção. Tais esquemas deveriam se basear em procedimentos competitivos e em garantir uma retribuição estável. Acompanhar o desenvolvimento das energias renováveis com a implementação de mecanismos regulatórios que atraiam investimentos e garantam o fornecimento em todos os momentos para manter a firmeza e a flexibilidade do sistema excluindo as instalações mais poluidoras. Um compromisso político, industrial e tecnológico para eletrificar o transporte e o setor de calor e frio, que são os setores mais poluentes.

Ocultar informação

2. DESENVOLVER E DIGITALIZAR A INFRAESTRUCTURA DE REDES para integrar esta geração limpa com um marco regulatório estável e previsível, que incentive o investimento.

A evolução do sistema elétrico para um sistema mais descentralizado

Hoje o sistema elétrico evolui de um modelo unidirecional, eletricidade a partir de grandes usinas para os clientes, para um sistema mais descentralizado e multidirecional, onde os clientes podem instalar a geração em suas casas: geração distribuída. Para esta transformação, a chave é a rede eléctrica. O prestigioso Electric Power Research Institute, EPRI dos Estados Unidos, publicou um estudo sobre os serviços prestados pela rede.

  • Disponibilidade de fornecimento: a rede permite que o cliente disponha de energia em todos os momentos e na quantidade necessária.
  • Correntes de arranque: a rede fornece a força de arranque instantânea dos motores elétricos utilizados na maioria dos aparelhos eletrodomésticos ou industriais.
  • Qualidade de tensão: os eletrodomésticos precisam de uma certa qualidade de eletricidade que é conseguida através de uma grande rede interligada.
  • Eficiência e transação de energia entre pessoas: a conexão de muitos elementos geradores com muitos elementos consumidores permite o uso daqueles que são mais eficientes e de menor custo. O desenvolvimento de mercados nos quais a energia possa ser valorizada. Ventas do excesso de produção, administração da demanda, flexibilidade, etc.

Para determinar o valor econômico desses serviços fornecidos pela rede, a EPRI calcula o custo de obtenção de um fornecimento semelhante por meio de uma instalação isolada composta por baterias e painéis fotovoltaicos concluindo que estar isolado é até 10 vezes mais caro que obter a eletricidade da rede. A rede integra geração e consumo de uma maneira global, minimiza os investimentos e aumenta a eficiência do sistema e permite o desenvolvimento ideal dos recursos distribuídos e centralizados.

A Iberdrola está comprometida com as redes elétricas e pela adaptação da sua regulamentação a este novo ambiente complementando sua remuneração e incentivando a inovação tecnológica e operacional necessária para o setor elétrico do futuro; modernizando as tarifas de rede e refletindo os custos fixos e variáveis do sistema para que o cliente pague de acordo com o seu uso real da rede.

Ocultar informação

3. ESTABELECER MECANISMOS DE CAPACIDADE que assegurem a firmeza e flexibilidade necessária ao sistema de forma sustentável. Poderiam optar por soluções tanto pelo lado da geração como da gestão da demanda.

Modernizar o mercado de eletricidade, chave para superar seus desafios

Queremos um mundo mais limpo. E a maioria dos países está claramente comprometida com as energias renováveis, que estão aqui para ficar e serem onipresentes. A Iberdrola, líder mundial em energia eólica, que optou por renováveis em 2000 e continua a fazê-lo, defende um setor de energia que apoie estas tecnologias. O preço da energia, como no resto dos setores liberalizados, é determinado de acordo com a oferta e a demanda. No setor elétrico existe o mercado diário, onde os geradores presentam suas ofertas para a energia a ser produzida em cada uma das próximas 24 horas para atender a demanda. A concorrência faz que os geradores apresentem as ofertas mais baixas possíveis; se a oferta for alta, outro gerador venderá sua energia. As ofertas devem cobrir pelo menos os custos variáveis, como o combustível. No entanto, o que acontece no mercado diário quando as usinas renováveis conectadas aumentam significativamente? O combustível dessas tecnologias são o vento e o sol, cujo custo é zero, então oferecem preços muito baixos. Quando há vento e sol as renováveis produzem massivamente reduzindo consideravelmente o preço de mercado. As energias renováveis elétricas são a solução mais barata para a mudança climática.

Porém, se o preço obtido pelas energias renováveis no mercado diário for muito baixo, como recuperam o investimento inicial da construção? E o que acontece quando não há vento e sol? Para estas situações é preciso ter usinas firmes, isto é, capazes de produzir com base nas decisões do homem. No entanto, como estas usinas recuperam o investimento que só produzem em momentos específicos e, portanto, têm rendimentos muito baixos no mercado diário? A solução para estes desafios inclui modernizar o mercado da eletricidade, através da introdução de novos mercados a longo prazo adicionais ao mercado diário já existente e estabelecendo, tanto para as energias renováveis como para as usinas firmes, contratos a longo prazo assinados competitivamente, leilões para as energias renováveis para descarbonizar e leilões para as usinas firmes com as quais garantir o fornecimento em todos os momentos. Com estes mercados de longo prazo será possível atrair o investimento necessário para enfrentar as mudanças climáticas e manter a garantia de fornecimento ao custo mínimo para todos os consumidores.

Ocultar informação

4. FOMENTAR O ARMAZENAMENTO EFICIENTE COM AS TECNOLOGÍAS JÁ DISPONÍVEIS, para facilitar a gestão da alta penetração das renováveis até 2030 (bombeamento hidrelétrico para excedentes diários ou semanais e baterias para excedentes horários).