HISTÓRIA DA ELETRICIDADE

150 anos de caminhada rumo à sustentabilidade: história da eletricidade

A primeira usina elétrica de Edison apenas forneceu corrente elétrica para algumas lâmpadas. Desde então, a rede que leva eletricidade às nossas casas foi expandida e, atualmente, encara seu maior desafio: ser completamente livre dos combustíveis fósseis. Conheça a história da eletricidade até os dias atuais.

Todos sabemos que eletricidade e luz sempre caminham juntas. Mas, ao contrário do que popularmente foi estabelecido, o inventor da eletricidade não foi Edison. Assim como não foi o primeiro a patentear a lâmpada incandescente. Outros inventores anteciparam-se a ele em quase uma década, mas a sua invenção foi a única que se tornou comercialmente viável. Depois de ter obtido a patente em 1879, fundou a Edison Illuminating Company e, em 1882, inaugurou a primeira usina elétrica para vender eletricidade aos compradores de suas lâmpadas.

Ele começou com 80 clientes e 400 lâmpadas, mas, em dois anos, o negócio cresceu, chegando a marca de 500 clientes — entre eles, o The New York Times — e 10.000 lâmpadas. Além da primeira usina elétrica, também foi a primeira usina de cogeração, já que o vapor era aproveitado para aquecer os edifícios adjacentes. Nesse mesmo ano, o industrial H.J. Rogers criou a primeira usina hidrelétrica no rio Fox (Wisconsin, Estados Unidos).

BREVE
HISTÓRIA
DA ELECTRICIDADE
BREVE HISTÓRIA
DA ELECTRICIDADE
1879 1880 1882 1895 1951 1956 1959 1965 2020 20??
1879
Primeira lâmpada elétrica de Edison. Com filamento de carbono, ficou acesa por 14 horas.
1880
Primeira turbina. Patenteada por Lester Alan Peiton, gerava eletricidade ao girar com o impulso da água.
1882
Primeira usina elétrica comercial. Foi construída por Edison em Appleton (Wisconsin, EUA). Podia alimentar 250 lâmpadas incandescentes de 50 watts.
1895
Usina hidrelétrica do Niágara, a primeira a gerar corrente alternada. Abriu caminho para transmitir eletricidade por grandes distâncias.
1951
Primeira usina nuclear experimental em Ohio (EUA).
1956
Primeiro aerogerador. 200 kW de potência. Foi instalado na costa dinamarquesa.
1959
Primeiras células fotovoltaicas. Comercializadas pela empresa japonesa Sharp com tecnologia de silício monocristalino.
1965
Primeiro sistema de transmissão de mais de 700kv. Feito pela Hydro-Quebec, aumentou para 600 km a distância de transmissão de corrente alternada.
2020
Contador inteligente em todas as casas e empresas da Europa.
20??
Reator de fusão nuclear, a energia das estrelas, limpa e inesgotável, produzida na Terra.
Principais
acontecimentos
Fonte: IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers).
Principais
acontecimentos
Fonte: IEEE (Institute of Electrical and Electronic Engineers).
1879
Primeira lâmpada elétrica de Edison. Com filamento de carbono, ficou acesa por 14 horas.
1880
Primeira turbina. Patenteada por Lester Alan Peiton, gerava eletricidade ao girar com o impulso da água.
1882
Primeira usina elétrica comercial. Foi construída por Edison em Appleton (Wisconsin, EUA). Podia alimentar 250 lâmpadas incandescentes de 50 watts.
1895
Usina hidrelétrica do Niágara, a primeira a gerar corrente alternada. Abriu caminho para transmitir eletricidade por grandes distâncias.
1951
Primeira usina nuclear experimental em Ohio (EUA).
1956
Primeiro aerogerador. 200 kW de potência. Foi instalado na costa dinamarquesa.
1959
Primeiras células fotovoltaicas. Comercializadas pela empresa japonesa Sharp com tecnologia de silício monocristalino.
1965
Primeiro sistema de transmissão de mais de 700kv. Feito pela Hydro-Quebec, aumentou para 600 km a distância de transmissão de corrente alternada.
2020
Contador inteligente em todas as casas e empresas da Europa.
20??
Reator de fusão nuclear, a energia das estrelas, limpa e inesgotável, produzida na Terra.

 VER INFOGRÁFICO: breve história da eletricidade [PDF]

LONGA DISTÂNCIA

As primeiras usinas elétricas funcionavam com corrente contínua, o que impedia a transmissão da energia por longas distâncias. Outro gênio resolveu o problema: Nicola Tesla e sua aposta na corrente alternada. Em 1895, ele construiu, junto ao industrial George Westinghouse, a usina hidrelétrica das cataratas de Niágara, levando eletricidade para a cidade de Buffalo, a 40 quilômetros de distância. Começava, assim, a eletrificação do mundo e, com ela, a segunda revolução industrial.

Em 1898, dois novos projetos impulsionaram esse processo: a usina hidrelétrica de Decew Falls no Ontário (Canadá) foi a primeira a gerar eletricidade de alta voltagem para ser transmitida por grandes distâncias; e a de Rheinfelden (Alemanha) foi a primeira a usar corrente alternada trifásica a 50 hertz, norma aplicada atualmente em quase todo o mundo.

Em 1900, 40% da eletricidade dos Estados Unidos era gerada a partir de usinas hidrelétricas. Em 1940, passou a ser 30%. Atualmente, representa apenas 10%. Em 1951, foi inaugurada a primeira usina nuclear experimental no Ohio (Estados Unidos). Durante o século XX, os combustíveis fósseis e as usinas nucleares substituíram a água como geradores de energia no mundo todo. O desafio do século XXI? Sem dúvida, substituí-los por mais fontes renováveis.

 A história da Iberdrola

SOL E AR

A ideia de concentrar os raios do sol para aproveitar seu calor surgiu na Grécia antiga, mas foi o visionário Frank Schuman o primeiro a torná-la comercialmente viável. Em 1911, ele fundou a Sun Power Co., criando a primeira usina solar em Tancony (Estados Unidos). Mas seu grande projeto, interrompido pela Primeira Guerra Mundial, foi uma fazenda solar de 52.000 km2 no Deserto do Saara (Egito), suficiente para abastecer todo o planeta.

O aproveitamento do sol por meio de placas fotovoltaicas começou na década de 1960. Em 2016, foram instalados 75 GW desse tipo de energia no mundo, 50% a mais em relação a 2015. Estima-se que a potência instalada no mundo todo chegue aos 750 GW em 2025, com a China como principal motor, de acordo com estudo da Globaldata.

Outra grande fonte de energia renovável e limpa é o vento, a de maior crescimento na última década no mundo. A instalação do primeiro aerogerador de 200 kW foi na costa dinamarquesa em 1956. Hoje, a capacidade instalada no mundo é de quase 500 GW. A Europa, por sua vez, instalou 1.558 MW de energia eólica offshore (no mar) em 2016 — principalmente, Alemanha, Holanda e Reino Unido —, atingindo uma potência total acumulada de 12.631 MW, de acordo com a Associação Europeia de Energia Eólica (WindEurope).

O sonho de uma energia limpa e inesgotável pode virar realidade no futuro se o projeto ITER conseguir atingir seus objetivos em 2027. Trata-se da fusão nuclear, a energia das estrelas, reproduzida em um reator de confinamento magnético. O combustível é o hidrogênio, um dos elementos mais abundantes em nosso planeta.

Qual dessas energias vai substituir o petróleo nos livros de história e nos oferecer um futuro com energia limpa, sustentável e inesgotável? A resposta virá em algumas décadas.

 Iberdrola, a energética do futuro

GERENCIAR A REDE

A eletricidade é um produto especialmente complexo: é produzida, distribuída pela rede e vendida ao usuário final. Por isso, a rede elétrica é tão importante: ela deve formar um sistema com várias fontes de geração onde seja possível somar ou substituir umas às outras.

As usinas solares e os parques eólicos não geram eletricidade em uma noite de verão sem vento. Em períodos de seca, o uso de água para a geração de eletricidade será limitado. Se, nessas condições, a população ligar o ar-condicionado em suas casas e gerar um pico de demanda, será preciso intensificar o uso das usinas térmicas ou comprar potência de algum país vizinho. A rede e seus gestores devem estar preparados para atenderem à demanda com os recursos necessários.

 Projeto STAR: Iberdrola e as redes inteligentes