RESKILLING E UPSKILLING

'Reskilling' e 'upskilling': o treinamento profissional na era da transformação digital

#treinamento #alto rendimento #competências profissionais

Impulsionadas pela revolução digital, as novas profissões especializadas em tecnologias como o Big Data ou a Inteligência Artificial estão florescendo em um ritmo tal que o mercado de trabalho não é capaz de satisfazer. Com o objetivo de fechar esta fissura, as empresas estão oferecendo a seus colaboradores treinamento para otimizar seu desempenho (upskilling) ou reajustá-los em um novo posto de trabalho (reskilling). A seguir, descubra os benefícios destas tendências.

O mercado de trabalho não está sendo capaz de manter o ritmo da revolução digital: é o que asseguram as empresas de consultoria estratégicas, como a McKinsey & Company. Como consequência, nos próximos anos nos encontraremos — de fato, já está acontecendo — com um défice profissional para satisfazer determinados postos de trabalho que exigem indivíduos com habilidades tecnológicas especializadas.

Surpreendidas pela Quarta Revolução Industrial, as empresas têm experimentado grandes mudanças internas nos últimos anos, renovando sua cultura empresarial, digitalizando-se e promovendo a criatividade e a inovação entre seus funcionários. Estes últimos, por sua parte, viram-se obrigados a abraçar a aprendizagem ao longo da vida (lifelong learning) para não ficarem para trás no mercado de trabalho. A revolução digital impõe uma marcha excessivamente exigente, criando continuamente novas profissões e funções onde faltam trabalhadores com a formação adequada.

O QUE É 'RESKILLING' E 'UPSKILLING'. DIFERENÇAS

Tecnologias como o Big Data, que permite aos especialistas neste campo analisarem dados maciços para encontrar soluções inovadoras, têm cada vez maior importância para as empresas. Porém, ainda não há suficientes analistas de dados para satisfazer a demanda dos mercados. A mesma coisa acontece com outras tecnologias disruptivas, como a Inteligência Artificial ou a Internet das Coisas. Aqui é onde o reskilling e o upskilling entram em jogo para as empresas, dotando os colaboradores de novos conhecimentos para satisfazer as necessidades do negócio.

A diferença entre ambos os conceitos está no objetivo da formação: enquanto o upskilling visa ensinar a um trabalhador novas competências para otimizar seu desempenho, o reskilling (também conhecido como reciclagem profissional) procura dar treinamento a um funcionário para realojá-lo num novo posto na empresa. Em linhas gerais, diz-se que o primeiro cria trabalhadores mais especializados e o segundo mais versáteis.

OBJETIVOS DO 'RESKILLING' E DO 'UPSKILLING'

Entre os principais benefícios destes dois tipos de formação, estão:

 Combatem a exclusão digital no âmbito da empresa e a tornam mais competitiva.

 Reduzem os processos de seleção e, consequentemente, os períodos de adaptação.

 Ajudam a criar fidelidade e reter o talento. Os colaboradores são conscientes de que a empresa investe neles ao melhorar seus perfis profissionais.

 Oferecer um treinamento contínuo ao quadro de pessoal melhora a reputação corporativa.

 Contribuem para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, mais concretamente o 8, 9 e 10.

 Promovem uma cultura de empresa dinâmica adaptada a um ambiente em constante evolução.

DAS 'SOFT SKILLS' ÀS 'HARD SKILLS'

Na hora de dar treinamento aos seus funcionários, as empresas devem ser responsáveis tanto pelas chamadas habilidades duras (hard skills) como pelas habilidades suaves (soft skills). As duras são aquelas habilidades técnicas de um colaborador que lhe permitem desempenhar um trabalho determinado, como o manejo de determinados softwares. As suaves se referem à inteligência emocional, à capacidade de comunicação, à gestão da mudança e demais habilidades pessoais e interpessoais que ajudam um trabalhador a se desenvolver de forma eficiente em uma empresa moderna.

Para onde devemos dirigir o reskilling e o upskilling?#RRSSPara onde devemos dirigir o 'reskilling' e o 'upskilling'?

 VER INFOGRÁFICO: Para onde devemos dirigir o 'reskilling' e o 'upskilling'? [PDF]


De acordo com o relatório Towards a Reskilling Revolution do World Economic Forum em 2019, entre as soft skills mais demandadas pelas empresas de hoje estão:

  • O pensamento crítico e inovador.
  • A aprendizagem ativa e as estratégias de aprendizagem.
  • A criatividade, originalidade e iniciativa.
  • A capacidade para resolver problemas complexos.
  • A liderança e a influência social.

No lado oposto, entre as habilidades suaves cada vez menos demandadas pelo mercado de trabalho pois no futuro ficarão relegadas à robotização e à automatização, estão:

  • A destreza manual e a precisão.
  • A capacidade de memória e a escuta ativa.
  • A gestão de recursos financeiros e materiais.
  • As habilidades matemáticas.
  • A coordenação e a gestão do tempo.

COMO IMPLEMENTAR UM PLANO DE 'RESKILLING' OU 'UPSKILLING'

Embora cada organização tenha seu próprio método, em linhas gerais os passos para implementar um plano de reskilling e upskilling podem ser resumidos nos seguintes:

 Estudar quais são as necessidades do negócio para saber os novos postos de trabalho e habilidades necessários para a empresa.

 Fazer uma avaliação das habilidades do quadro de pessoal para, de acordo com as necessidades do negócio, determinar quem necessita de upskilling e quem precisa de reskilling.

 Conceber um sistema de formação com diferentes perfis, facilitando o training por meio de ferramentas digitais e horários favoráveis, preferivelmente durante o turno de de trabalho.

 Realizar uma avaliação contínua para determinar o nível de progresso e analisar a resposta dos colaboradores.