O QUE É A BIOÉTICA

A bioética e seu papel na proteção do meio ambiente

#sustentabilidade ambiental #natureza #mudanças climáticas

A bioética, que promove uma série de princípios para a correta interação do ser humano com a vida — tanto com seus semelhantes quanto com outros seres vivos —, deve vincular-se, agora mais do que nunca, à proteção do meio ambiente. Somente a coesão dos valores morais e éticos dos cidadãos com o respeito e o cuidado do ambiente garantirão a mitigação das mudanças climáticas e a sobrevivência das futuras gerações.

Quem deveria receber primeiro uma vacina em plena pandemia? Esta questão médica, plenamente atual, é um dos objetos de estudo da bioética. Também o são outros temas relacionados com a biologia, química, antropologia, etc. Por sua vez, a bioética também abarca questões relacionadas com o meio ambiente, visando uma melhor relação entre o ser humano e seu ambiente circundante.

BIOÉTICA: ORIGEM, DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA

O bioquímico norte-americano Van Rensselaer Potter criou o conceito bioética em 1970 para descrever uma nova filosofia que pretendia integrar a biologia, a ecologia, a medicina e os valores humanos. Nos Estados Unidos, nos anos subsequentes, desenvolveu-se uma concepção que reduzia a bioética ao campo da medicina. Como resposta a este reducionismo, Potter retomou sua concepção original e a ampliou para definir uma bioética que também abrangesse a relação entre a biosfera e a população humana.

A bioética é aplicável em muitas disciplinas e questões humanas: debates sobre os limites da vida, como o aborto ou a eutanásia; a maternidade de substituição; a designação de órgãos para trasplantes; ou o direito de recusar o atendimento médico por motivos religiosos. O campo da bioética alcança igualmente as aplicações da biotecnologia, incluindo a engenharia genética, que afeta humanos, animais e plantas, ou o impacto da poluição do ar, do solo e da água sobre os seres vivos.

A sua relevância é tão grande que a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) alberga desde 1993 o Comitê Internacional de Bioética. Este organismo, formado por 36 especialistas independentes, segue os progressos nas ciências da vida e suas aplicações para garantir o respeito à dignidade e liberdade humanas. Além disso, paulatinamente foram surgindo comitês de bioética a nível nacional.

OS PRINCÍPIOS DA BIOÉTICA

Em 1978, o Relatório Belmont, criado por uma comissão do Departamento de Saúde, Educação e Bem-estar dos Estados Unidos, estabeleceu os princípios básicos da pesquisa com seres humanos. Nesse mesmo ano, o filósofo Tom Beauchamp e o teólogo James Franklin Childress publicaram o livro Princípios da Ética Biomédica, uma obra prolífica onde descreveram os quatro princípios essenciais da bioética:

Princípio da autonomia

São os direitos de um individuo à autodeterminação e o respeito à sua capacidade de tomarem decisões informadas sobre assuntos pessoais com liberdade.

Principio da beneficência

Refere-se às ações que promovem o bem-estar dos demais. No contexto médico, isto significa zelar pelos interesses dos pacientes e seus familiares.

Principio da não-maleficência

Concretiza-se na frase "primeiro, não prejudicar" — do latim, primum non nocere —. Não causar danos ao paciente - que faz parte do juramento hipocrático - é considerado o mais importante.

Princípio da justiça

Refere-se à distribuição dos recursos de saúde escassos e à decisão de quem recebe tratamento, assim como à seleção adequada das pessoas que participam das pesquisas.

BIOÉTICA AMBIENTAL

A bioética ambiental é a parte da filosofia ambiental que amplia os limites tradicionais da bioética, passando de dar conta unicamente dos seres humanos a incluir os direitos do resto de seres vivos em nossos valores éticos e morais. Desse modo, inclui questões como: o que significa o respeito à natureza ou se podemos utilizá-la e protegê-la ao mesmo tempo.

Portanto, a bioética ambiental desempenha um papel muito importante na sustentabilidade e na mitigação do impacto da atividade humana no meio ambiente. Questões que vão desde a perda de biodiversidade ao desmatamento, ao efeito estufa, à poluição dos oceanos ou ao excesso de exploração de recursos, entre outras.

A relação do ser humano com a natureza.#RRSSA relação do ser humano com a natureza.

 VER INFOGRÁFICO: A relação do ser humano com a natureza [PDF]

A RESPONSABILIDADE DO SER HUMANO COM O MEIO AMBIENTE

Diante de um desafio como as mudanças climáticas, que ameaçam o planeta e as futuras gerações, faz-se mais necessário do que nunca que as pessoas, organismos internacionais, governos nacionais e empresas assumam a responsabilidade de proteger o meio ambiente e apostar na sustentabilidade. Com este objetivo, têm sido adotadas medidas em todo o mundo: