CIÊNCIA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

A ciência das mudanças climáticas: O que sabemos sobre o maior desafio que a humanidade enfrenta?

#mudanças climáticas #sustentabilidade ambiental #sociedade

As mudanças climáticas são uma realidade; várias evidências científicas constatam esse fato e seus efeitos, que já começam a se manifestar, podem ser devastadores para o planeta durante as próximas décadas. A Iberdrola preparou um documento (Ciência das mudanças climáticas 2020. Presente e futuro) que compila informação científica para facilitar a compreensão desse problema global.

A análise da evolução de uma série de indicadores proporciona evidências sobre as mudanças climáticas que estão ocorrendo atualmente e que ocorrerão no futuro. Por isso, a Iberdrola preparou um documento (Ciência das mudanças climáticas 2020. Presente e futuro) que compila informação científica de referência para dar uma visão geral do fenômeno das mudanças climáticas. O objetivo é reforçar a compreensão deste problema global e suas implicações e, ao mesmo tempo, facilitar dados e informações atualizadas e úteis para tratar seus principais riscos.

 Consulte o documento Ciência das mudanças climáticas 2020. Presente e futuro [PDF]

Este documento faz parte de nossa iniciativa de disponibilizar materiais educativos à sociedade com o objetivo de conscientizar e capacitar sobre as mudanças climáticas. Descubra mais materiais para continuar a mergulhar neste grande desafio global em nossa seção 'Aprenda sobre mudanças climáticas'.
 

O QUE É A CIÊNCIA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Há várias décadas estão ocorrendo alterações climáticas e a uma velocidade sem precedentes e as evidências científicas apontam para a ação do homem como responsável. A geração de gases de efeito estufa (GEE) que se acumulam na atmosfera e retêm o calor (efeito estufa) contribuem para um aumento da temperatura do planeta. Essa alteração de origem antropogênica é conhecida como mudanças climáticas e a ciência das mudanças climáticas é, portanto, a que estuda as causas e efeitos de tal fenômeno.

Definição de mudanças climáticas. 
Convenção-quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC)

As alterações no clima, direta ou indiretamente, são atribuíveis à atividade do ser humano que alteram a composição da atmosfera global e que se sobrepõem à variabilidade natural observável em períodos de tempo equivalentes

AS EVIDÊNCIAS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

As mudanças climáticas têm um caráter global, estão ocorrendo a uma grande velocidade e seus efeitos já são uma realidade. "São o desafio que marcará nossa época", garante o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres. Também adverte que representam uma ameaça inigualável para a paz, a prosperidade e os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS). As evidências científicas nesse sentido são evidentes. A seguir, elencamos algumas delas:

 O ser humano, com sua atividade e suas emissões, está afetando a composição da atmosfera.

 A crescente concentração de GEE na atmosfera está contribuindo para um aumento do efeito estufa e, consequentemente, da temperatura global.

 O aquecimento observado na superfície se relaciona com outras alterações no sistema terrestre — acidificação e desoxigenação dos oceanos, retrocesso das massas de gelo (geleiras, por exemplo ), subida do nível do mar, aumento de eventos meteorológicos extremos, etc. —.

 As consequências dessas mudanças são evidentes em diferentes níveis: biodiversidade, saúde, segurança alimentar e hídrica, pobreza, conflitos e migrações ou economia.

AS CONCLUSÕES DA CIÊNCIA DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

1. A influência humana no sistema climático é clara

A emissão adicional de GEE antropogênicos conduz a um aumento da temperatura do planeta, cujos efeitos podem durar milênios antes que os processos naturais os eliminem da atmosfera. A concentração atmosférica de CO2, o GEE que contribui com mais de dois terços para o aquecimento global, alcançou seu máximo médio anual de 409,8 ppm em 2019, portanto são níveis superiores aos observados, pelo menos, nos últimos 800.000 anos e muito superiores aos níveis com os quais o ser humano tem convivido.

O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) concluiu que a influência humana através da emissão de GEE foi a causa dominante do aquecimento observado desde meados do século XX. O IPCC também estimou que os objetivos do Acordo de Paris implicam não superar uma concentração atmosférica de CO2-eq de 450 ppm para limitar o aumento da temperatura a 2 ºC ou de 430 ppm para 1,5 ºC no final do século. O aumento na concentração de CO2 se deve principalmente às emissões provenientes da queima de combustíveis fósseis, as quais representam três quartas partes das emissões totais de CO2.

2. As evidências científicas demonstram que as mudanças climáticas são uma realidade

As evidências científicas constatam que os efeitos decorrentes das mudanças climáticas estão acontecendo a uma velocidade inigualável:

  • As temperaturas globais estão aumentando de maneira sistemática desde 1880, tal como podemos comprovar através de fatos concretos, pois desde que existem registros verificou-se que 19 dos 20 anos mais calorosos ocorreram desde 2001, especificamente 2019 foi o segundo ano mais quente com uma temperatura média na superfície superior em ~1,1 ºC à da era pré-industrial 1850-1900. Desde a década de 1980, cada decênio tem sido mais quente do que o anterior em um intervalo de 0,1 ºC a 0,3 ºC (Organização Meteorológica Mundial, OMM).
  • As consequências o aquecimento global estão sendo constatadas através de outras variáveis, como a redução da camada de gelo, a acidificação e desoxigenação dos oceanos ou a subida do nível do mar.
  • Também existe uma relação entre o aquecimento global e os eventos climáticos extremos. Apesar da complexidade de seu estudo, uma vez que devido à sua definição são raros ou excepcionais, há um consenso generalizado de que sua frequência e intensidade estão aumentando em muitas regiões como resultado das mudanças climáticas globais.

3. As mudanças climáticas afetam o bem-estar humano e seus setores de atividade

As mudanças climáticas e particularmente os eventos meteorológicos extremos afetam o bem-estar humano e a atividade de todos os seus setores, tanto de forma direta quanto indireta, através de seus impactos nos ecossistemas naturais e nos sistemas socioeconômicos. Atualmente se considera que este fenômeno está entre os três maiores impulsores da perda de biodiversidade reduzindo a qualidade dos recursos naturais fundamentais para o fornecimento de alimentos, sendo definido como o maior desafio para a saúde do século XXI e como uma das maiores ameaças para a estabilidade econômica por diferentes organismos internacionais.

4. As mudanças climáticas exigirão uma ação de adaptação

A adaptação às mudanças climáticas por parte do ser humano será fundamental durante as próximas décadas, pois há uma certa mudança no clima que é inevitável:

  • Devido às emissões acumuladas, à inércia do sistema climático e à taxa atual de emissões, os efeitos físicos das mudanças climáticas são semelhantes para todos os cenários de emissões até 2050, sendo previsível que atinja o limite de 1,5 ºC por volta de 2040 (IPCC) se os índices de aquecimento atuais forem mantidos.
  • A grande variação nos resultados físicos, sempre condicionada pelas ações das próximas décadas, surge a partir de 2050. Portanto, caso alcancemos a neutralidade climática global em 2050, a temperatura global poderia se manter em 1,5 ºC em 2100. Mas a estabilização da temperatura global na superfície não significa a estabilização em todos os aspectos do sistema climático, por exemplo, a subida do nível do mar permanecerá durante séculos, pois responde mais lentamente às mudanças.

5. A mitigação das mudanças climáticas é fundamental

Quanto maior a perturbação do clima, maior será o risco de sofrer impactos generalizados, severos e irreversíveis nos sistemas ecológicos e humanos. Para evitar que tais impactos aumentem exponencialmente, é importante minimizar cada décimo de aumento da temperatura através de ações de mitigação é vital. Limitar o aumento da temperatura a 1,5 ºC em 2100 ainda é possível e permitiria reduzir substancialmente a magnitude de muitos desses impactos — subida do nível do mar, ciclones, aumento no número de incêndios, ondas de calor, tufões, etc. —.

6. A ação climática causará um profundo impacto em âmbito global

Os esforços mundiais para reduzir as emissões nas próximas décadas terão um grande impacto no clima global durante a segunda metade deste século. Para tal, as ações de mitigação deverão trazer consigo outras de adaptação às transformações para enfrentar de forma eficaz o desafio das mudanças climáticas.

Ciência das mudanças climáticas 2020. Presente e futuro.#RRSSCiência das mudanças climáticas 2020. Presente e futuro.

 VER INFOGRÁFICO: Ciência das mudanças climáticas 2020. Presente e futuro [PDF]