NOVAS PLATAFORMAS DE CRESCIMENTO

A Iberdrola consolida sua liderança mundial em energias renováveis apostando em mercados com grande projeção renovável

#empresa #energias renováveis #projetos Iberdrola

O grupo Iberdrola abriu novas plataformas de crescimento para se posicionar em mercados com grande projeção em energias renovável e reforçou sua presença nos principais países onde está presente, adicionando carteira de projetos de médio e longo prazo. Isso foi possível mediante 14 operações corporativas realizadas desde o início da pandemia da COVID-19, em consonância com sua estratégia de se consolidar como a maior companhia de energia renovável do mundo, e para o qual vai investir 150 bilhões de euros até 2030.

Novas plataformas de crescimento e reforco em mercadosalvo.#RRSSNovas plataformas de crescimento e reforco em mercadosalvo.

 VER INFOGRÁFICO: Novas plataformas de crescimento e reforço em mercados-alvo [PDF]

NOVAS PLATAFORMAS DE CRESCIMENTO E MAIOR PRESENÇA EM PAÍSES-ALVO

A Iberdrola, que se comprometeu a investir 150 bilhões de euros no período 2020-2030, se mantém fiel à estratégia que vem implementando há mais de 20 anos, apostando na reafirmação de sua liderança nas energias renováveis em países com boa classificação de crédito, estabilidade jurídica e regulatória e que oferecem oportunidades de crescimento futuro — é o caso do conjunto da Europa, Brasil, Estados Unidos, Austrália e Japão.

Uma estratégia que está sendo corroborada pelos novos objetivos ambientais, pelos leilões de capacidade renovável e pelos planos de desenvolvimento anunciados nos principais países onde o grupo está presente. Esse progresso irrefreável rumo à transição energética e à descarbonização e eletrificação da economia criará novas oportunidades de crescimento para a Iberdrola.

 Estados Unidos

O grupo, através de sua filial nos Estados Unidos, Avangrid, aprovou a compra da companhia elétrica norte-americana PNM Resources, que opera no Novo México e Texas. A empresa se fundirá com a Avangrid [PDF], dando origem a uma das maiores companhias do setor norte-americano, com 10 empresas elétricas reguladas em seis estados (Nova York, Connecticut, Maine, Massachusetts, Novo México e Texas) e a terceira operadora de energia renovável do país — líder em energia eólica offshore, com o primeiro projeto de grande escala, contratos de 1,6 GW e locação de capacidade de até 5 GW — com uma presença total em 24 estados.

Esta transação amistosa, avaliada em 8,3 bilhões de dólares, permitirá aos acionistas da PNM receberem aproximadamente 4,318 bilhões de dólares em numerário. A combinação da Avangrid1 e da PNM2, com 4,1 milhões de pontos de fornecimento, uma Base de Ativos Regulatórios (RAB) de 14,4 bilhões de dólares, mais de 168.000 quilômetros de redes de distribuição e transmissão, 10,9 gigawatts (GW) de capacidade instalada e uma carteira de projetos renováveis de 19 GW (dados do encerramento consolidado do Exercício 2019), acelerará o crescimento do grupo Iberdrola nos Estados Unidos.

O Novo México e o Texas são estados já conhecidos para a companhia. Atualmente possui 1.900 MW renováveis e 1.400 MW em carteira, além de ter iniciado a atividade comercial no Texas.

Da mesma forma, os estados de Nova York, Nova Jersey e Virgínia preparam leilões por 4,9 GW eólicos offshore. Além disso, o estado da Virgínia ambiciona ter 5,2 GW dessa tecnologia nos próximos anos.

 Austrália

A Iberdrola adquiriu a companhia australiana de energias renováveis Infigen Energy, após uma OPA amistosa finalizada em tempo recorde, e através da qual passa a ter uma participação de 98,25 % na empresa. Depois desta operação, a Austrália passou a ser uma das grandes plataformas de crescimento para a Iberdrola. O grupo se converteu em um dos líderes desse mercado, controlando mais de 800 MW de energia solar, eólica e baterias de armazenamento no país — incluindo capacidade própria e contratada — e uma importante carteira de projetos: 453 MW em construção (incluindo os 317 MW de Port Augusta) e mais de 1.000 MW em diferentes fases de desenvolvimento.

Mais concretamente, a Infigen é possuidora de sete parques eólicos em operação que somam mais de 670 MW e controla outros 560 MW através de diversos ativos de sua propriedade, leasing ou capital lite, incluindo energia adquirida mediante quatro PPA (Power Purchase Agreement) (245 MW) e baterias de armazenamento energético (75 MW). Esses 75 MW incluem os 25 da bateria que já gerenciava no parque eólico de Lake Bonney (Austrália do Sul) e outros 50 que irá operar na subestação de Wallgrove (Nova Gales do Sul) através de um acordo assinado com a distribuidora local TransGrid.

Além disso, a Iberdrola acabou de iniciar a construção de Port Augusta na Austrália do Sul, sua primeira instalação híbrida eólica solar no mundo. Trata-se de uma instalação renovável que combinará um parque eólico de 210 MW de capacidade instalada e uma usina fotovoltaica de 107 MW, que produzirá energia limpa suficiente para abastecer a demanda anual de 180.000 residências australianas assim que inicie seu funcionamento, previsto para 2021. O complexo, que envolverá um investimento de 500 milhões de dólares australianos, criará aproximadamente 200 postos de trabalho durante sua fase de construção e, uma vez em operação, empregará cerca de 20 pessoas.

 Japão

O grupo considera o mercado japonês como uma nova plataforma de crescimento em energias renováveis, mais especificamente pelo seu emergente setor eólico offshore, depois de adquirir 100 % da promotora nipônica Acacia Renewables para o possível desenvolvimento de 3,3 GW eólicos offshore. A empresa japonesa possui atualmente dois parques eólicos offshore em desenvolvimento com uma potência conjunta de 1,2 GW, que poderiam estar em funcionamento em 2028, além de outros quatro projetos em carteira que totalizam uma capacidade de 2,1 GW.

Essa transação significou a criação de uma joint venture entre a Iberdrola e a Macquarie's Green Investment Group (GIG). Ambas as parceiras serão detentoras de uma participação igual nessas seis instalações e se encarregarão de desenvolver os projetos.

A Iberdrola também acelera sua aposta nesse mercado com um novo projeto de 600 MW. A companhia assinou um acordo com a promotora local de energias renováveis Cosmo Eco Power — subsidiária da Cosmo Energy Holdings Co. Ltd. — e a empresa de engenharia Hitz para o desenvolvimento conjunto do parque eólico offshore Seihoku-oki na prefeitura de Aomori, no noroeste do país.

Com essa operação, o grupo aumenta sua carteira no Japão até 3,9 GW eólicos offshore e competirá nas rodadas 2 (2021/2022), 3 e 4 (2023/2024) dos leilões offshore anunciados pelo governo japonês, que pretende ter entre 30 e 45 GW operacionais em 2040.

A carteira de projetos eólicos 'offshore' da Iberdrola no Japão.#RRSSA carteira de projetos eólicos 'offshore' da Iberdrola no Japão.

 Brasil

O grupo, através de sua filial brasileira, Neoenergia3 Nota , adquiriu a distribuidora CEB Distribuição no valor de aproximadamente 400 milhões de euros, assumindo o funcionamento de sua atividade. Trata-se da distribuidora de energia elétrica de Brasília, capital do país, que fornece eletricidade para 3 milhões de habitantes e que, até agora, era estatal.

A combinação da Neoenergia com o CEB-D cobrirá uma área de mais de 840,8 mil km2, com uma rede de distribuição de 616.731 km em 18 estados e atenderá 15,3 milhões de clientes, 7,7 % a mais do que os administrados atualmente. A concessão CEB-D garante 25 anos de atividade regulada com rendimentos estáveis e previsíveis.

Além disso, seu plano de investimentos em 2021 vai triplicar o volume anual historicamente atribuído pelo CEB-D e vai melhorar a qualidade do serviço, implantar e digitalizar a rede e oferecer maior eficiência e satisfação aos seus clientes.

Segundo o presidente do grupo, Ignacio Galán, a operação reforça "nosso compromisso com o Brasil e permite à Neoenergia consolidar sua posição de liderança no país e na América Latina". Além disso, afirmou que isso contribui para o crescimento econômico e a geração de empregos em Brasília.

O grupo também adquiriu uma carteira de projetos eólicos de 400 MW no Brasil com o objetivo de reforçar sua estratégia renovável no país. A Neoenergia possui uma capacidade instalada de 4 GW, dos quais 3,5 correspondem às energias renováveis (88 %), e está implementando mais 1 GW através da construção de novos parques eólicos.

 Polônia

A Iberdrola desembarca na Polônia para se posicionar na etapa inicial de desenvolvimento de seu mercado eólico offshore, com um grande potencial de crescimento nas próximas décadas. A companhia chegou a um acordo para a compra de 70 % da promotora Sea Wind que possui uma carteira composta por sete projetos offshore com uma capacidade de até 7,3 GW.

Através dessa transação, o grupo também promove a criação de um hub no Mar Báltico, que atuaria como epicentro de serviços eólicos offshore e conteúdo local para os projetos da companhia no eixo Alemanha, Polônia e Suécia.

A Iberdrola criará um hub no Mar Báltico que agrupará seus projetos na Alemanha, Polônia e Suécia.#RRSSA Iberdrola criará um 'hub' no Mar Báltico que agrupará seus projetos na Alemanha, Polônia e Suécia.

Da mesma forma, a Iberdrola assinou um acordo com a CEE Equity Partner para a aquisição de nova capacidade em energia renovável no país: três parques eólicos onshore que somam uma potência de 163 MW e cuja produção está praticamente associada a contratos de compra e venda de energia (PPAs) para 10 anos. Dois dos projetos, com uma capacidade de 112,5 MW, já estão em funcionamento, e o terceiro (50,4 MW) iniciará sua construção em breve.

 Suécia

A Iberdrola assinou uma opção de aquisição majoritária com a Svea Vind Offshore AB (SVO) para o futuro desenvolvimento da maior carteira de projetos de energia eólica offshore da Suécia. Esses projetos, cujo total é de 9 GW de capacidade e que estão em diferentes fases de tramitação, entrarão em funcionamento a partir de 2029 e se concentram em duas áreas geográficas consideradas de interesse nacional para o desenvolvimento da energia eólica: Gavle (seis parques que somam 5,1 GW de potência) e Oxelosund (dois parques com 3,9 GW de potência conjunta).

Graças a essa operação, a companhia entra com força no mercado sueco, onde até agora não estava presente. Um país que devido à sua enorme projeção de desenvolvimento em energias renováveis, se converteu em estratégico para o grupo.

 Irlanda

A Iberdrola chegou a um acordo com a DP Energy para adquirir uma participação majoritária de seu portfólio eólico offshore: 3 GW, distribuídos em três clusters com projetos na costa Leste, Oeste e Sul do país, que disputarão o próximo leilão em 2025-2030.

Tais projetos são os parques Inis Ealga (costa Sul do condado de Cork) e Clarus (costa Oeste de Clare), ambos com a tecnologia eólica offshore flutuante. O terceiro, o projeto Shelmalere, estará localizado em frente à costa Leste e será realizado com tecnologia eólica offshore de fundação fixa. Uma vez em operação, essas infraestruturas vão gerar energia verde para uma população equivalente a 2,6 milhões de residências irlandesas.

Dessa forma, o grupo se posiciona na etapa inicial de desenvolvimento do mercado eólico offshore irlandês, com grande potencial de crescimento nos próximos anos. A Iberdrola prevê um investimento no país de até 100 milhões de euros em novos projetos renováveis e de armazenamento energético até 2025. Entre as atividades em desenvolvimento, destacam-se a repotencialização do parque eólico de Barnesmore, no condado de Donegal, e os projetos da Irlanda do Norte de Rigged Hill e Corkey; todos eles com armazenamento. Também está construindo a maior instalação de baterias do país, em Gorman (50 MW), que entrará em operação este ano.

 Dinamarca

A Iberdrola uniu suas forças com a Total para entrar em um novo mercado eólico offshore: Dinamarca. Ambas as companhias constituíram uma empresa conjunta (50 % cada) que foi pré-selecionada pela Agência Dinamarquesa da Energia para participar da licitação do parque eólico offshore Thor, que, com uma potência entre 800 e 1.000 MW, será um dos maiores do mundo.

A parceria permitirá somar as capacidades e a experiência da Iberdrola no âmbito da geração eólica com o conhecimento da Total sobre o funcionamento offshore nas águas dinamarquesas. O complexo, cuja adjudicação está prevista para o último trimestre de 2021, estará localizado no Mar do Norte (cerca de 20 quilômetros da costa de Thorsminde) e poderia começar a funcionar entre 2025 e 2027.

Com esta operação, a Iberdrola visa reforçar sua posição no mercado eólico offshore do norte da Europa, onde já controla três parques que perfazem uma capacidade total de quase 1.500 MW: West of Duddon Sands, no Mar da Irlanda, implementado em 2014 e com uma potência de 389 MW; Wikinger, em águas alemãs do Mar Báltico, em funcionamento desde 2017 e com 350 MW; e East Anglia ONE, nas águas britânicas do Mar do Norte, operacional desde 2020 com uma capacidade de 714 MW.

 França

Em consonância com sua estratégia de fortalecer sua presença e crescimento no setor renovável francês, a Iberdrola comprou a empresa Aalto Power, até então propriedade da Aiolos e Caisse des Dépôts et Consignations, por 100 milhões de euros. Fundada em 2005 e com sede em Marselha, a Aalto Power já dispõe de 118 megawatts (MW) eólicos onshore operacionais na França e uma carteira de 636 MW em projetos eólicos onshore no país em diferentes fases de desenvolvimento.

Essa transação concede à Iberdrola os primeiros megawatts em operação em terras francesas, reforçando seus planos renováveis no país, onde recentemente também adquiriu 100 % do parque eólico offshore de Saint-Brieuc. A companhia já possuía 70 % das ações da Ailes Marines — empresa responsável pelo desenvolvimento, construção, instalação e operação desse parque situado na Bretanha francesa — e agora adquiriu os 30 % restantes da Avel Vor.

O projeto de Saint-Brieuc conta com um investimento de 2,4 bilhões de euros e terá uma capacidade total instalada de 496 MW. Após sua entrada em operação, prevista para 2023, cobrirá a demanda de energia de 835.000 pessoas.

Localizacao do parque eólico offshore de Sain Brieuc.#RRSSLocalização do parque eólico 'offshore' de Sain-Brieuc.

 Reino Unido

O grupo Iberdrola, através de sua filial no Reino Unido, ScottishPower, comprou dois projetos eólicos onshore na Escócia que totalizam 165 MW e cujo desenvolvimento envolverá cerca de 190 milhões de euros em investimentos. Ambos os projetos, adquiridos de alguns acionistas individuais locais da 3R Energy e da empresa Mitchell Energy, estão localizados no condado de South Lanarkshire, a aproximadamente 35 quilômetros ao sul de Glasgow.

O primeiro inclui a construção de um parque eólico de 100 MW com 20 turbinas de 5 MW cada uma e uma altura máxima de 200 metros. O segundo permitirá repotencializar Hagshaw Hill, o primeiro parque eólico não experimental desenvolvido na Escócia há 25 anos. Após tal processo, a instalação, que atualmente tem 42 MW de potência instalada, passará a contar com 65 MW.

Graças a essa transação, a ScottishPower poderá desenvolver seu terceiro maior complexo eólico do país, com 220 MW de capacidade, dado que aos 165 MW adquiridos se somará 55 MW de outro parque adjacente que já estava promovendo e que agora será reativado. O empreendimento, que exigirá para seu desenvolvimento um investimento global de cerca de 250 milhões de euros, será capaz de fornecer energia verde para quase 135.000 residências.

Da mesma forma, o Reino Unido reforçou sua aposta na energia eólica offshore e projeta 40 GW até 2030.

 Espanha

Enquanto isso, a Espanha, outro mercado-alvo do grupo, trabalha na estruturação dos fundos europeus para a recuperação pós-COVID, alinhada à transição verde, à qual destinará 37 % dos 72 bilhões de euros. Também prepara uma estratégia de hidrogênio verde com investimentos previstos de 8,9 bilhões de euros até 2030, alinhada ao objetivo da União Europeia de alcançar uma potência instalada de 40 GW dessa tecnologia até 2030.

 

1 Avangrid, Inc, companhia listada na New York Stock Exchange, é uma empresa integrada de energia com negócios regulados e operações em 24 estados que consolida as operações nos Estados Unidos de sua companhia matriz, Iberdrola. A Iberdrola, S.A. tem uma participação de 81,5 % na companhia.

2 PNM Resources é uma empresa listada na New York Stock Exchange, com um valor de mercado em 20 de outubro de 2020 de aproximadamente 3,926 bilhões de dólares, um valor de empresa de 7,48 bilhões de dólares e um EBITDA de 586 milhões de dólares no final de 2019.

3 A Iberdrola, S.A. tem uma participação indireta de 50 % + 1 ação na Neonergia, S.A.