CARTEIRA DE ENERGIAS RENOVÁVEIS

Nós nos antecipamos ao futuro com a maior carteira de energias renováveis do setor

#empresa #energias renováveis #investimentos

O plano de investimento da Iberdrola para o período 2020-2025 — agora ampliado até 2030 — reafirma sua aposta nas energias renováveis. Portanto, dos 75 bilhões de euros previstos para 2025, 90 %, serão destinados a investimentos orgânicos (68 bilhões) e, destes, 51 % (cerca de 34,68 bilhões) irão para a área de energias renováveis, que chegará a 60 gigawatts (GW) de potência instalada em 2025, dobrando a capacidade atual. Com a ampliação para 150 bilhões de euros até 2030, a companhia prevê atingir uma potência instalada de energia renovável de 95 GW, partindo de uma posição única com uma das maiores carteiras renováveis do setor, que chega a 81,5 GW.

Após aumentar sua carteira de projetos em 25 GW em 2020, reafirmando as bases de seu crescimento futuro, a Iberdrola tem hoxe uma das maiores carteiras de projetos de energias renováveis da indústria: um total de 81,5 GW distribuídos entre suas áreas tradicionais, às quais se somam novas plataformas de crescimento na Polônia, Suécia, Irlanda, Japão, Coreia, Taiwan e Austrália. Por tecnologias, esta carteira está dividida em: 36,6 GW fotovoltaicos; 25,2 GW eólicos offshore; 15,5 GW eólicos onshore; 3,4 GW hidrelétricos; e 1,1 GW correspondentes a baterias de armazenamento. Somente na Espanha, a companhia possui direitos de conexão para 15 GW e terrenos para uma capacidade equivalente.

No fechamento do Primeiro semestre 2021, dos 27.600 MW que o grupo se comprometeu a colocar em funcionamento no período 2020-2025, cerca de 22.000 MW já estão instalados, em construção ou com um alto grau de desenvolvimento, estando assim assegurada 80 % da nova capacidade prevista para esse período: 9.464 MW eólicos (6.570 MW onshore e 2.894 MW offshore), 10.894 MW fotovoltaicos, 1.200 MW hidrelétricos e 391 MW em armazenamento com baterias.

Mais concretamente, a Iberdrola avança atualmente na construção de 8,5 GW: 2.750 MW nos Estados Unidos, 2.860 MW nos territórios da Iberdrola Energía Internacional, 1.700 MW na Espanha, 1.050 MW no Brasil e 150 MW no Reino Unido (com 100 MW em baterias). Isso permitirá que a companhia finalize o exercício com 4.000 MW adicionais em operação, somados aos 2.960 MW verdes já colocados em funcionamento nos últimos 12 meses (1.950 MW eólicos onshore, 930 MW fotovoltaicos e 80 MW em baterias).

TRIPLICAREMOS NOSSA CAPACIDADE DE ENERGIA RENOVÁVEL NOS PRÓXIMOS 10 ANOS

A Iberdrola avança em seu plano de investimento com vistas a 2025 75 bilhões de euros, que agora foi ampliado para 150 bilhões até 2030. Graças a ele, a companhia dobrará sua atual capacidade instalada renovável em 2025, até 60 GW, e a triplicará em 2030, até atingir aproximadamente 95 GW. 90 % do plano de longo prazo do Grupo está alinhado à taxonomia verde da União Europeia.

Da mesma forma, dos 75 bilhões de euros de investimentos previstos até 2025, 90 % serão orgânicos (68 bilhões) e irão destinados principalmente às energias renováveis, mais concretamente, 51 %, cerca de 34,68 bilhões de euros. Os investimentos estão focados em países com objetivos climáticos e energéticos ambiciosos, como Estados Unidos — onde 33 % do investimento irá para as energias renováveis até 2025 —, Espanha (21 %), Reino Unido (12 %) e Brasil (5 %). Destaca-se especialmente a área geográfica onde opera a filial Iberdrola Energía Internacional (IEI), formada por Austrália, Portugal, França, Itália, Alemanha, Grécia e Irlanda, entre outros países. Essa empresa receberá 29 % do investimento até 2025 e aumentará sua capacidade de energia renovável instalada até 8 GW no encerramento do referido período.

 Energia eólica 'offshore'

A Iberdrola prevê investir em energia eólica offshore 2,1 bilhões de euros de 2020 a 2022 e 8,8 bilhões de 2023 a 2025. A energia eólica offshore, negócio no qual a companhia é pioneira, assim como foi com a eólica onshore 20 anos atrás, é um dos principais vetores de crescimento do grupo: no fechamento do Primeiro semestre 2021 possui 1,3 GW instalados, que triplicará com a construção de 2,6 GW novos até 2025, os quais progridem conforme o calendário previsto: o parque de Saint Brieuc (França, 496 MW), Vineyard Wind 1 e Park City Wind (Estados Unidos, 800 e 804 MW respectivamente) e Baltic Eagle (Alemanha, 476 MW).

Do mesmo modo, a estratégia da companhia no segmento eólico offshore será impulsionada pelos processos de leilões previstos a curto prazo em seus principais mercados: Europa (37.000 MW entre 2021-2022), Estados Unidos e Ásia-Pacífico (13.800 MW até 2024). A notável expansão da carteira desta tecnologia — mais de 25 GW na atualidade —, assentada sobre novas plataformas de crescimento com grande potencial, como é o caso do Japão, Polônia, Suécia e Irlanda, permitirá que o Grupo alcance 12.000 MW operacionais em 2030.

Em 2020, os projetos eólicos offshore contribuíram com 585 milhões de euros para o EBITDA, depois de terem registrado um crescimento de 72 % que chegará a 2,3 bilhões de euros em 2030.

Parques eólicos offshore em funcionamento:

  • East Anglia ONE (Mar do Norte): 714 MW de potência; até a data presente é o maior parque eólico da história da Iberdrola. Iniciou sua operação em agosto de 2020 e possui 102 turbinas que produzem energia limpa para 630.000 residências britânicas.
  • Wikinger (Mar Báltico): esta instalação de 350 MW significou a entrada da Iberdrola na Alemanha, país onde avança com a construção de outros dois parques eólicos offshore: Baltic Eagle (476 MW) e Wikinger Süd (10 MW). A soma desses três projetos, todos eles situados junto à ilha de Rügen, dará lugar ao maior complexo eólico offshore do mar Báltico, com uma capacidade total instalada de 836 MW e um investimento conjunto de 2,5 bilhões de euros.
  • West of Duddon Sands (Mar de Irlanda): é a primeira instalação marinha que a Iberdrola implementou em outubro de 2014. Produz energia para 280.000 residências britânicas.

Parques eólicos offshore atualmente em construção:

  • Saint Brieuc (Bretanha francesa): com um investimento de 2,4 bilhões de euros, estima-se que uma vez iniciada sua fase de exploração em 2023 terá uma produção de 1.820 gigawatts/hora (GWh) por ano, o que permitirá satisfazer a demanda energética de 835.000 pessoas.
  • Baltic Eagle (Mar Báltico): representa a segunda grande iniciativa de energia eólica offshore promovida pelo grupo Iberdrola na Alemanha, onde também está em desenvolvimento o parque de Wikinger Süd (10 MW).
  • Vineyard Wind (Massachusetts): será o primeiro parque eólico offshore da Iberdrola nos Estados Unidos. O parque de Vineyard Wind 1 terá uma potência de 800 MW, sendo capaz de satisfazer as necessidades energéticas de 400.000 de residências.
  • Park City Wind (Connecticut): sua entrada em operação está prevista para 2025. Como o de Vineyard Wind 1, terá uma potência de 800 MW.

Além desses parques já em operação ou em construção, a Iberdrola possui uma carteira adicional de 22,6 GW.

Dessa forma, a Iberdrola se situa em uma excelente posição para participar dos leilões e licitações previstos para os próximos meses em suas novas plataformas de crescimento tanto para projetos em carteira — Estados Unidos, 3.600 MW; Reino Unido, 3.100 MW; Japão, cerca de 2.000 MW; Alemanha, 300 MW — quanto para nova carteira — Polônia, 14 GW de capacidade objetivo do leilão; Reino Unido, 10 GW de capacidade objetivo do leilão; Irlanda, cerca de 5 GW de objetivo nacional 2022-2025; França, 1,6 GW; Dinamarca, 1,6 GW; Taiwan; 1,2 GW, Holanda, 1,4 GW; Estados Unidos, 7 GW —.

 Energía fotovoltaica

O investimento previsto em energia solar fotovoltaica chega a 4,2 bilhões de euros até 2022 e 5,5 bilhões até 2025, o que impulsionará um crescimento de 6 GW e 8 GW respectivamente, somando uma capacidade instalada total de 15 GW em 2025. No fechamento do Primeiro semestre 2021, a Iberdrola possui mais de 2,2 GW operacionais de energia fotovoltaica e, da capacidade que se comprometeu a colocar em funcionamento no período 2020-2025, 10,9 GW já estão instalados, em construção ou garantidos. A carteira de projetos desta tecnologia chega a 36,6 GW.

Os principais projetos fotovoltaicos são: Francisco Pizarro, Ceclavín, Arenales, Puertollano e Campo Arañuelo (na Espanha); Montague Solar, Lundhill, Mohawk e Bakeoven (Estados Unidos); Cuyoaco (México); Carland Cross Hybrid, Coldham Hybrid e Coal Clough Hybrid (Reino Unido); Algarve Setúbal (Portugal) e Montalto di Castro (Itália).

 Energia eólica 'onshore'

A Iberdrola planeja investir em energia eólica onshore 6,1 bilhões de euros entre 2020 e 2022 e 5,9 bilhões entre 2023 e 2025, o que lhe permitirá alcançar 26 GW instalados em 2025. No fechamento do Primeiro semestre 2021, a companhia possui 18,9 GW operacionais dessa tecnologia e, da capacidade que se comprometeu a colocar em funcionamento no período 2020-2025, 6,5 GW já estão instalados, em construção ou garantidos. A carteira de projetos de energia eólica onshore chega a 15,5 GW.

Os principais projetos eólicos onshore são: Puylobo, ERPASA e Martín de la Jara (Espanha); Pier e Santiago (México); Beinn and Tuirc 3 e Halsary (Reino Unido); Chafariz e Oitis (Brasil); La Joya I-II, Midland e Golden Hills (Estados Unidos); Mikronoros e Askio II e III (Grécia) e Rokani (Romênia).

 Energia hidrelétrica e armazenamento energético

Para o exercício de 2025, a Iberdrola prevê chegar a 14 GW em energia hidrelétrica tanto tradicional quanto armazenamento energético através de tecnologia de bombeamento.

O grupo investirá 1 bilhão de euros até 2022 e mais 700 milhões até 2025 para aumentar sua capacidade de armazenamento energético, que crescerá 1,7 GW até 2025. A carteira dessas tecnologias chegará a 3,4 GW para a energia hidrelétrica e a 1.100 MW no caso das baterias de armazenamento.

LIDERANDO O DESENVOLVIMENTO DO HIDROGÊNIO VERDE

A Iberdrola identificou o hidrogênio verde como um vetor estratégico para o segmento industrial. Portanto, em linha com os planos de recuperação europeus, a companhia prevê a instalação de 600 MW operacionais até 2025 — serão mais de 800 MW em 2027 — e produzirá 15.000 toneladas de hidrogênio renovável — em comparação com as 1.000 previstas até 2022 — que espera elevar para 85.000 toneladas até 2030. O grupo já trabalha, junto à empresa Fertiberia, no desenvolvimento da maior usina de hidrogênio verde para uso industrial da Europa, que entrará em funcionamento em 2021 e representará um investimento de 150 milhões de euros.

A companhia também apresentou 54 projetos ao programa Next Generation EU, que ativariam investimentos de 2,5 bilhões para atingir uma produção anual de 60.000 ton/ano. Ao mesmo tempo, liderará o desenvolvimento de uma cadeia de valor para apoiar a implantação de novos fabricantes de eletrolisadores e promoverá parcerias com outros grupos industriais. Nesse sentido, a Iberdrola assinou um acordo com a empresa norueguesa Nel, a maior fabricante de eletrolisadores do mundo, para desenvolver eletrolisadores de grande tamanho e promover a criação de uma cadeia de fornecedores dessa tecnologia na Espanha. Para concretizar o projeto, a companhia energética constituiu, junto à empresa basca Ingeteam, a Iberlyzer, que se converterá na primeira fabricante de eletrolisadores em larga escala da Espanha.

Da mesma forma, a Iberdrola anunciou a criação de uma nova unidade de negócio de hidrogênio verde com o objetivo de se posicionar como líder mundial nessa tecnologia.

O hidrogênio verde se apresenta como a solução para a descarbonização eficiente no médio prazo. A maior parte (85 %) da atual demanda de energia na União Europeia pode ser eletrificada com as tecnologias limpas disponíveis (segundo dados do Eurostat). Entretanto, os 16 % restantes poderiam ser descarbonizados ao substituir o hidrogênio cinza — gerado por fontes poluentes — por hidrogênio verde na indústria e na química, assim como utilizando o hidrogênio verde como combustível em setores que não podem usar eletricidade, tais como transporte marítimo, aéreo ou pesado. Substituir todo o hidrogênio cinza mundial significaria produzir 3.000 TWh/ano de energias renováveis adicionais.

NEUTRA EM CARBONO

Essa estratégia de investimentos em energias limpas e nossa aposta em favorecer medidas para combater as mudanças climáticas em âmbito mundial nos levou a continuar reduzindo nossas emissões próprias até situá-las no fechamento do Exercício 2020 em 98 gramas por kWh.

Do mesmo modo, nos comprometemos a ser uma empresa neutra em carbono na Europa, onde nossas emissões no Primeiro semestre 2021 já são de apenas 43 g/kWh, e a reduzir nossas emissões de CO2 em âmbito global até 50g/kWh. Cabe destacar que a Iberdrola já gera 100 % de sua energia com emissão zero em países como o Reino Unido, Alemanha ou Portugal. O grupo, referência mundial na luta contra as mudanças climáticas e no processo de transição energética, estabeleceu como objetivo atingir a neutralidade em carbono em âmbito mundial até 2050.