ODS 15: PROTEGER A VIDA TERRESTRE

A Iberdrola se compromete a alcançar a perda líquida de biodiversidade nula até 2030

O grupo Iberdrola protege, restaura e promove o uso sustentável dos ecossistemas terrestres em todos os países onde está presente, contribuindo de forma direta a alcançar o Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 15 das Nações Unidas: proteger a vida terrestre. Neste sentido, a empresa leva em consideração a conservação da biodiversidade no planejamento e desenvolvimento posterior de todas suas atuações.

NOSSA CONTRIBUIÇÃO PARA O ODS 15: PROTEGER A VIDA TERRESTRE

 A Iberdrola assumiu o compromisso de alcançar a perda líquida nula em termos de biodiversidade até 2030. Para tal, desenvolve programas de proteção da biodiversidade em todos os países onde está presente e inclui esta matéria em seus sistemas de gestão ambiental (SGA).

 O grupo realizou mais de 1.450 ações de proteção da biodiversidade nos últimos dois anos, conforme o exposto no seu Relatório de Biodiversidade 2018-2019 [PDF].

 Por isso, todos os seus projetos de novas instalações possuem um exaustivo plano ambiental para minimizar seus efeitos na flora e fauna. Descubra como protegemos e conservamos a biodiversidade em alguns de nossos projetos mais emblemáticos.

 É membro do Pacto pela Biodiversidade, promovido pela Fundação Biodiversidade, com o objetivo de mostrar o compromisso da empresa com a conservação do meio ambiente e com o uso sustentável da biodiversidade.

 A Iberdrola obteve a primeira certificação AENOR (Associação Espanhola de Padronização e Certificação) de Pegada Ambiental Corporativa.

 A Iberdrola México foi reconhecida com o prêmio à Excelência Ambiental pela PROFEPA (Procuradoria Federal de Proteção do Ambiente do México), graças ao esforço efetuado com os projetos Estero Garrapatas (Usina de Ciclo Combinado Altamira III e IV) e Apoio a Felinos (Altamira III e IV e Altamira V).

QUAL É O OBJETIVO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 15: PROTEGER A VIDA TERRESTRE?

O ODS 15 visa proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade.

POR QUE O ODS 15 É TÃO IMPORTANTE: PROTEGER A VIDA TERRESTRE?

Quase 31 % da superfície mundial está coberta por florestas. As florestas proporcionam aos seres humanos o essencial para a sobrevivência: o ar que respiramos, os alimentos que comemos e a água que bebemos. Abrangem mais de 80 % de todas as espécies terrestres, tanto de animais quanto de plantas e insetos, e mais de 1,6 bilhão de pessoas dependem das florestas para sua subsistência. Porém, a ação do homem elimina 13 milhões de hectares de florestas/ano.

Apesar dos esforços para alcançar as metas deste objetivo, o Relatório do progresso no cumprimento dos ODS de 2020 da ONU não oferece boas perspectivas e destaca que a conservação dos ecossistemas terrestres não tende à sustentabilidade; os ecossistemas terrestres continuam desaparecendo de forma alarmante e as espécies protegidas se encaminham à extinção.

Além de provocar a privação dos nutrientes essenciais para os seres humanos, o desmatamento e a invasão do habitat também são as principais vias de transmissão de doenças infecciosas emergentes, incluída a COVID-19. 75 % das doenças emergentes (entre elas, a gripe aviar ou o ebola) são transmitidas desde a vida silvestre para as pessoas. Isto acontece quando os seres humanos invadem habitats naturais e alteram os ecossistemas. Os delitos contra a vida silvestre, a caça furtiva e o tráfico ilícito de animais (como o pangolim, que é um dos principais suspeitos da transmissão do coronavírus desde os morcegos às pessoas), além de ameaçarem a saúde e a biodiversidade do ecossistema, também podem perturbar a saúde humana, o desenvolvimento econômico e a segurança mundial, como está ocorrendo com a atual pandemia.

Estima-se que mais de 2 bilhões de hectares da superfície terrestre estão degradados, o que afeta diretamente o bem-estar de aproximadamente 3,2 bilhões de pessoas, acarreta a extinção de espécies e intensifica as mudanças climáticas.

A superfície florestal mundial, como vemos, continua diminuindo, embora seja verdade que num ritmo levemente mais desacelerado que em décadas anteriores: de 2015 a 2020, a taxa anual de desmatamento foi de 10 milhões de hectares, em comparação com 12 milhões do período 2010-2015. Em termos globais, as florestas deixaram de ocupar 31,9 % da superfície (2000) para cobrir 31,2 % (2020). Entretanto, mesmo que o desaparecimento das florestas continue sendo alto, os dados de 2020 mostram que aquelas que estão em áreas protegidas aumentaram ou permaneceram estáveis. Atualmente, de 4,060 bilhões de hectares florestais no mundo, mais da metade está sujeita a planos de proteção.

Porém, a biodiversidade diminui num ritmo alarmante e a atividade humana torna os ecossistemas mais frágeis e menos resistentes. O risco de extinção de espécies piorou 10 % com relação às três últimas décadas em âmbito mundial. Atualmente, mais de 31.000 espécies estão em perigo de extinção.

Para tentar reverter a situação, os países se esforçam para implementar princípios programáticos para proteger a biodiversidade e os ecossistemas, incluindo um trabalho de conscientização dos cidadãos. No começo de 2020, 123 países se comprometeram a estabelecer metas voluntárias para atingir a neutralidade da degradação da terra. Além de melhorar a diversidade e o bem-estar de milhões de pessoas, isso também favoreceria o combate contra as mudanças climáticas.

Reverter essa realidade se converteu em um objetivo primordial em âmbito internacional. Por este motivo, proteger, recuperar e promover o uso sustentável dos ecossistemas terrestres, gerir de forma sustentável as florestas, combater a desertificação, deter e reverter a degradação da terra e deter a perda de biodiversidade é o ODS 15 dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU, aprovados em setembro de 2015 como parte da Agenda 2030.

 

A IBERDROLA COM OS ODS

FATORES-CHAVE PARA ENTENDER O DESMATAMENTO NO MUNDO

A QUEM AFETA?

13 milhões de hectares de florestas desaparecem por ano. As árvores absorvem aproximadamente 2 bilhões de toneladas de C02 por ano, enquanto o desmatamento gera 12% das emissões mundiais de gases de efeito estufa (GEE). Cerca de 1,6 bilhão de pessoas precisam das florestas para subsistir; 70 milhões destas são indígenas e dependem totalme das matas.

COMO SE DISTRIBUI NO MUNDO?

Os 10 países que perderam mais hectares de floresta durante o ano de 2017 ficam nos trópicos, onde a cobertura arbórea diminuiu de forma constante durante os últimos 17 anos:

5.000.000

4.000.000

3.000.000

2.000.000

1.000.000

0

Brasil

Rep. Dem.
del Congo

Indonesia

Sri Lanka

Madagascar

Malasia

Bolivia

Colombia

Paraguay

Costa de Marfil

PRINCIPAIS CAUSAS

As crescentes expansões agrícola e urbana; a proliferação de indústrias que querem utilizar a madeira como combustível; os desastres naturais, ccomo incêndios e tempestades tropicais; e a ausência de leis de proteção de áreas verdes em alguns países.

COMO PODEMOS ACABAR COM ELA?

é necessário reciclar e reduzir o consumo de papel e plástico; reflorestar os terrenos queimados e semear árvores de reprodução rápida; é necessário estabelecer programas de educação florestal para conscientizar a população; e colocar em funcionamento políticas mundiais que garantam a proteção e o desenvolvimento das florestas.


 

 VEJA INFOGRÁFICO: Chaves para entender o desmatamento no mundo [PDF]

METAS DO ODS 15: PROTEGER A VIDA TERRESTRE

As metas concretas fixadas para o ano 2030 são:

  • Assegurar a conservação, recuperação e uso sustentável dos ecossistemas terrestres e dos ecossistemas interiores de água doce, em especial florestas, zonas úmidas, montanhas e terras áridas.
  • Combater a desertificação e promover a restauração das terras e solos degradados.
  • Assegurar a conservação dos ecossistemas de montanha, incluindo a sua biodiversidade, para melhorar a sua capacidade de proporcionar benefícios que são essenciais para o desenvolvimento sustentável.
  • Tomar medidas urgentes para acabar com a caça ilegal e o tráfico de espécies da flora e fauna protegidas.