COP26: IBERDROLA NA CONFERÊNCIA DO CLIMA 2021

Esquentando motores para a COP26: impulsionamos a ação climática para cumprir os objetivos do Acordo de Paris

#mudanças climáticas #sustentabilidade ambiental

Sob o lema Unindo o mundo para enfrentar as mudanças climáticas, a próxima Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas (COP26) — que será realizada em Glasgow (Reino Unido) entre os dias 01 e 12 de novembro de 2021 — reunirá representantes de cerca de 200 governos com o objetivo de acelerar a ação climática para cumprir o Acordo de Paris. A presidência da conferência já trabalha com a sociedade civil e as empresas — entre as quais, o grupo Iberdrola — para preparar o encontro anual e inspirar a ação climática antes do evento.

 Tudo o que você precisa saber sobre a COP26

No dia 12 de dezembro de 2015, no âmbito da COP21, os líderes mundiais aprovaram em Paris um acordo histórico para frear as mudanças climáticas. Os países signatários se comprometeram a manter o aumento da temperatura média do planeta muito abaixo dos 2 ºC — em relação aos níveis pré-industriais — e a trabalhar para limitar esse aumento a 1,5 ºC. Também chegaram a um acordo para intensificar os esforços para se adaptar aos impactos causados pelas mudanças climáticas e conseguir que os fluxos de financiamento sejam consistentes em relação à transição para uma economia com baixos teores de carbono e um desenvolvimento resiliente a tais impactos climáticos.

Agora, cinco anos depois da aprovação do Acordo de Paris, a ação climática se ha converteu-se em parte fundamental dos planos de recuperação após a pandemia de COVID-19. Uma recuperação verde que cria empregos sustentáveis e que trata dos desafios vinculados à saúde pública, das mudanças climáticas e da perda de biodiversidade a fim de proteger o meio ambiente para as futuras gerações.

PRINCIPAIS MENSAGENS DA COP26

A COP26 pretende demonstrar a urgência e as oportunidades de avançar para uma economia neutra em carbono, assim como o poder da cooperação internacional para enfrentar os desafios mais graves que o mundo deve encarar. Nesse sentido, na Conferência do Clima de Glasgow enfatizará várias ideias e mensagens:

 É necessário aprovar um pacote de medidas equilibrado e negociado que cumpra o Acordo de Paris e permita avançar rumo aos objetivos climáticos da ONU.

 Para garantir o sucesso, é preciso que todos os países se comprometam a alcançar as emissões líquidas nulas quanto antes, fazendo cortes significativos antes de 2030.

 É necessário ajudar as sociedades e economias para que se adaptem às mudanças climáticas, especialmente as mais vulneráveis, para garantir uma transição justa.

 É fundamental substituir as fontes de energia poluentes por sistemas energéticos limpos, aproveitando a oportunidade oferecida pela rápida queda dos custos das energias renováveis e pelo armazenamento energético.

 É necessário acelerar a transição para um transporte sem emissões de carbono, eliminando gradualmente os motores a gasolina e diesel.

 Para que tudo isso seja possível, é imprescindível realizar a transformação verde do sistema financeiro, para que todos os países possam impulsionar investimentos limpos e resilientes.

 A descarbonização da economia mundial exige inovação e o compromisso de todos: cidadãos, investidores, empresas, países, regiões e cidades.

PARTICIPAÇÃO DA IBERDROLA NA COP26

O grupo Iberdrola está trabalhando intensamente para apoiar com seu exemplo e através de diferentes campanhas e atividades com uma abordagem ambiciosa. Esse enfoque visa renovar os compromissos políticos em relação às contribuições climáticas em nível nacional — as denominadas Contribuições Nacionalmente Determinadas ou NDCs (na sigla em inglês) — assumidos pelos países no âmbito do Acordo de Paris.

Com emissões de CO2/kWh que são já a metade ou quase três vezes inferiores que as de seus principais concorrentes, a companhia energética é atualmente uma referência internacional no combate contra as mudanças climáticas e continua progredindo nesse sentido. Deste modo, anunciou um plano de investimento histórico para 2020-2025 pelo qual se compromete a investir cerca de 35 bilhões de euros em energias renováveis e mais de 27 bilhões em redes inteligentes. Essa estratégia permitirá que se converta em uma companhia neutra em carbono na Europa até 2030 e reduza em 86 % suas emissões de CO2 em âmbito global, até 50 g/kWh, no final da década. Seu objetivo é alcançar a neutralidade em carbono a nível global até 2050.

ScottishPower, principal parceira da COP26

A filial do grupo no Reino Unido, ScottishPower, confirmou sua participação como principal parceira da COP de Glasgow, onde está localizada sua sede corporativa. A Presidência da COP26 trabalhará com empresas que se destaquem por seus ambiciosos compromissos climáticos e que tenham planos de redução de emissões realistas e de curto prazo, baseados na ciência e alinhados aos objetivos do Acordo de Paris. Essas companhias fornecerão seus recursos e experiência a fim de contribuírem para o sucesso da conferência e ajudarão a desenvolver ações internacionais para tratar das as mudanças climáticas.

A ScottishPower foi a primeira companhia energética integrada do Reino Unido a ter uma geração 100 % limpa, produzindo toda a sua eletricidade a partir de energia eólica offshore e onshore. Dos 75 bilhões de euros que o grupo prevê investir entre 2020 e 2025, aproximadamente 10,88 bilhões se destinarão ao Reino Unido, com a finalidade de liderar a transição do país para uma economia neutra em carbono.

Como principal parceira da COP26, a companhia pretende impulsionar a ação climática para reforçar sua ambição e acelerar as medidas necessárias para avançar rumo a um clima mais seguro para todos. Também visa criar uma consciência pública sobre a importância e urgência desse desafio e sobre como a necessidade de um futuro sustentável e mais justo deve estar no centro da recuperação da economia mundial.

 

 

CONTRIBUIÇÃO DA IBERDROLA PARA OS OBJETIVOS DA COP26

Mudanças climáticas.

Referência mundial no combater contra as mudanças climáticas

Plenamente alinhado com o Acordo de Paris, o grupo Iberdrola pretende reduzir suas emissões de CO2 até 50 gCO2/kWh em 2030 e ser neutro em carbono em âmbito global até 2050.
Comprometidos.

Uma ação climática ambiciosa e urgente

O combate contra as mudanças climáticas foi o motor da estratégia da companhia, que investiu mais de 100 bilhões de euros nos últimos 20 anos para alcançar um modelo energético descarbonizado.
Conferências climáticas.

Presença ativa nas conferências climáticas

A Iberdrola desenvolve uma intensa atividade no contexto do debate global e regional sobre políticas climáticas, participando ativamente da agenda do clima global.
ODS 13.

Alinhados ao ODS 13 das Nações Unidas

O grupo foca no cumprimento do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 13, ação climática, contribuindo ativa e decisivamente para um futuro sustentável e baixo em carbono.
Green Recovery.

Apostamos na 'Green Recovery'

Com a certeza de que a recuperação pós-COVID-19 só pode ser verde, a Iberdrola acelerou seus investimentos em energias renováveis, digitalização e mobilidade elétrica.
Transição energética.

Lideramos a transição energética

A companhia tem um plano de investimentos histórico de 75 bilhões de euros até 2025 para se antecipar à revolução energética que a economia mundial deve enfrentar.
Renováveis.

Somos líderes mundiais em energias renováveis

O grupo começou a apostar nas energias renováveis há mais de duas décadas, como um pilar fundamental sobre o qual construir seu modelo de negócio limpo, confiável e inteligente.
Mobilidade sustentável.

Promovemos a mobilidade sustentável

A Iberdrola reforça sua estratégia contra as mudanças climáticas através de seu Plano de Mobilidade Sustentável, implementado em 2016 com o objetivo de avançar para a eletrificação do transporte.
Financiamento verde.

Referência internacional em financiamento verde

Somos o grupo empresarial líder em emissão de bônus verdes em termos mundiais e o primeiro emissor espanhol a aderir à rede de bônus sustentáveis do índice Nasdaq.
TCFD.

Transparência na gestão do risco climático

A companhia implementou as 11 recomendações da TCFD sobre transparência na gestão dos riscos e oportunidades decorrentes das mudanças climáticas.

 
 

Todas as informaçoes sobre

A COP26

O que é a COP?

A Conferência das Partes ou COP é o órgão supremo da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (CMNUCC), um tratado que estabelece as obrigações básicas dos 196 Estados (ou partes) e da União Europeia para combater as mudanças climáticas. Foi assinado na Cúpula da Terra de 1992 e entrou em vigor em 1994. Desde então, todos os anos se realiza uma COP para revisar o estado de sua implementação e propor, avaliar e aprovar outros instrumentos que apoiem sua instauração.

Quem são os participantes da COP?

As partes são os estados-membros da CMNUCC e da União Europeia — atualmente, cerca de 200 países —, que participam através de seus chefes de Estado ou de Governo ou, em seu nome, os ministros. Além das partes, na COP podem estar presentes como observadores representantes de empresas, organizações internacionais, stakeholders ou associações.

Qual é o objetivo da COP?

A COP reúne governos de todo o mundo com milhares de cientistas, empresários, representantes institucionais e ONGs para anunciar novos compromissos climáticos e avançar nas negociações sobre mudanças climáticas. Seu objetivo é tornar operacionais todos os pontos do Acordo de Paris. Trata-se, portanto, de um encontro ineludível na agenda climática global.

Quantas COPs já ocorreram?

Desde 1995, foram realizadas 25 COPs. A primeira ocorreu em Berlim e, desde então, foram convocadas em diferentes cidades da Europa, América, África e Ásia. Bonn, na Alemanha, recebeu várias COPs por ser a sede da UNFCCC.

Onde e quando será realizada a COP26?

A COP26 será realizada em Glasgow (Reino Unido) entre os dias 1 e 12 de novembro de 2021, especificamente no Scottish Event Campus (SEC). Inicialmente, a 26.ª Conferência das Partes estava prevista para novembro de 2020, mas a CMNUCC decidiu adiá-la para 2021 devido à pandemia de COVID-19.

Glasgow foi escolhida para ser sede da Conferência do Clima devido ao seu compromisso e trajetória com a sustentabilidade. A cidade escocesa pretende ser neutra em carbono em 2030 e converter-se em uma das cidades mais verdes de Europa graças à sua campanha Sustainable Glasgow. Além disso, ocupa a quarta posição no índice Global Destination Sustainability Index.

Quem preside a COP26?

O Reino Unido preside a COP26, em associação com a Itália. É a primeira vez que o país britânico sedia uma Conferência das Partes, em reconhecimento à sua liderança no combate contra as mudanças climáticas.

Desde 1990, o Reino Unido conseguiu reduzir em mais de 40 % suas emissões sendo o maior produtor de energia eólica offshore do mundo. Foi a primeira grande economia que aprovou leis para alcançar a neutralidade em carbono e anunciou planos para duplicar seu financiamento climático internacional e mobilizar apoio para os países em desenvolvimento. O país, que possui um Plano Ambiental de 25 anos para tratar dos principais problemas ambientais da atualidade (qualidade do ar, recuperação da natureza, redução de resíduos e eficiência dos recursos), prevê que até 2030 sua economia baixa em carbono crescerá quatro vezes mais rápido do que a restante economia mundial.

Qual a importância da COP26?

A COP26 reunirá mais de 30.000 delegações — incluido chefes de Estado, especialistas em clima, empresas e ativistas — para estabelecer um plano de ação coordenado que permita cumprir os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris: manter o aumento da temperatura global muito abaixo dos 2 °C e avançar para cenários climáticos e energéticos que contribuam para limitá-lo a 1,5 °C. Para tal, se pedirá aos países que adotem uma abordagem ambiciosa a fim de renovar seus compromissos climáticos em nível nacional ou NDCs (Contribuições Nacionalmente Determinadas).

Qual o lema da COP26?

O lema da COP26, Unindo o mundo para enfrentar as mudanças climáticas, insiste na importância da cooperação internacional para tratar das mudanças climáticas.

Que outras atividades serão realizadas no âmbito da COP26?

De 30 de setembro a 2 de outubro de 2021 será realizada em Milão (Itália) a denominada Pré-COP, uma reunião preparatória onde participarão entre 35 a 40 países, representantes da Secretaria da CMNUCC, os presidentes dos órgãos subsidiários da Convenção e uma série de stakeholders que desempenham um papel-chave na luta contra as mudanças climáticas e na transição para o desenvolvimento sustentável. O evento proporcionará um ambiente informal para debater e intercambiar pontos de vista sobre alguns aspectos políticos essenciais das negociações posteriores.

Anteriormente, de 28 a 30 de setembro, também em Milão, será realizada a Cúpula da Juventude, que agrupará quase 400 jovens de 18 a 29 anos provenientes dos 197 países-membros da CMNUCC para elaborar propostas concretas sobre assuntos que afetam as negociações da Pré-COP de Milão e da COP de Glasgow. Sob o título Juventude pelo Clima: Impulsionando a ambição, o encontro contará com dois dias dedicados aos grupos de trabalho e uma última jornada de debates entre os jovens representantes das delegações e os ministros presentes na Pré-COP26.

 MAIS INFORMAÇÕES SOBRE AS ANTERIORES COP