COMPLEXO EÓLICO TERRESTRE DE OITIS

Oitis, o nosso maior projeto eólico terrestre na América Latina

O grupo Iberdrola constrói no Brasil o complexo eólico terrestre de Oitis. Composto por 12 parques, o novo desenvolvimento terá uma capacidade instalada total de 566,5 MW, o que o converte no maior projeto eólico terrestre da companhia na América Latina e o segundo no mundo.

Localização
Estados do Pauí e Bahia (nordeste do Brasil)

Capacidade total instalada
566,5 MW

Entrada em operação
2023

Complexo eólico
terrestre de Oitis

A Iberdrola reforça sua presença no setor das energias renováveis brasileiro com um novo desenvolvimento. Por meio de sua filial Neoenergia*, está construindo no Brasil seu maior complexo eólico terrestre na América Latina até a data presente: Oitis. Localizado entre os estados do Piauí e Bahia, o projeto estará formado por 12 parques que juntos terão uma capacidade instalada de 566,5 MW após o término completo de sua colocação em funcionamento, prevista para 2023.

As obras foram iniciadas em novembro de 2020 — três meses antes do plano inicial — no parque Oitis 22, no município de Casa Nova (Bahia) e significarão a entrada da Iberdrola em um novo estado: Piauí (no qual estarão localizados 10 dos 12 parques). Também contribuirá para o desenvolvimento econômico e social tanto deste estado como do vizinho estado da Bahia, ambos no nordeste do Brasil, onde gerará mais de 1,500 empregos.

Os 12 parques ocuparão uma área de 2,1 milhões de m2 — seis vezes o tamanho do Maracaná — e terão 103 aerogeradores com capacidade unitária de 5,5 MW, um dos mais modernos e eficientes modelos do mercado global de energia. Cada um deles terá 126 metros de altura, o equivalente a um prédio de 25 andares e suas bases terão uma estrutura de 79 toneladas de aço e concreto composto por 22 toneladas de cimento e 1.000 t de cascalho e areia.

Serão construídas uma subestação com tensão em 500 KV e aproximadamente 71 quilômetros de linha de transmissão para garantir a conexão do novo complexo eólico com a subestação Queimada Nova II, no Piauí.

Com seus 566,5 MW de potência, Oitis galgará ao pódio mundial dos complexos eólicos onshore do grupo Iberdrola em capacidade instalada, atrás apenas da americana Peñascal, no estado do Texas (606 MW), e justo à frente do parque eólico escocês Whitelee (539 MW), localizado ao sul de Glasgow (Reino Unido).

Graças a ela, poderá abastecer cerca de quatro milhões de pessoas — população equivalente à do estado de Paraíba — e evitará a emissão de 1,2 milhão de toneladas de CO2 por 20 anos.

Além disso, 102 km de estradas de acesso serão construídos, que beneficiarão a população local.

O foco da energia gerada em Oitis será a comercialização no mercado livre de energia. Dois dos parques — Oitis 1 e 8 — já têm a venda garantida de 30 % da energia limpa que gerarão, depois do leilão organizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) em junho de 2020. As outras 10 instalações — Oitis 2, 3, 4, 5, 6, 7, 9, 10, 21 e 22 — negociarão a venda de sua produção elétrica no mercado.

Considerando esse complexo e o de Chafariz, 67,6 % da energia já foi vendida para o ano de 2022.

A Neoenergia possui atualmente 516 MW de potência eólica operativa e, contando o complexo eólico Oitis, tem 1.038 MW eólicos em construção. Uma vez terminados todos os projetos, totalizará 1.600 MW eólicos em funcionamento, o que equivale a triplicar o número atual. Além disso, a venda de 51 % dessa energia já está pactuada através de contratos regulados e os outros 49 % serão colocados no mercado livre.

 

(*) A Iberdrola, S. A. tem uma participação indireta de 50 % + 1 ação na Neonergia, S. A.