Usina hidrelétrica Ricobayo I e Ricobayo II

Ricobayo: a primeira grande usina hidrelétrica da Europa

Energia hidrelétrica Armazenamento energético Instalações operacionais

Com quase um século de história, a represa e as usinas hidrelétricas de Ricobayo I e Ricobayo II em Zamora foram pioneiras na produção elétrica na Europa. Por isso, o reservatório foi considerado um dos maiores do continente com seus 1.148 hm³. Atualmente, ambas as usinas têm uma capacidade total instalada de 328 MW.

Ricobayo
Instalaçao operacional

Usina Hidrelétrica Ricobayo

Ubicación
Localização Zamora (Espanha)
Capacidad instalada
Capacidade total instalada 328 MW
Producción
Produção anual de energia 590 GWh
Puesta en marcha
Inicio de operação 1935 e 1999

O reservatório de Ricobayo (Zamora) consiste em duas usinas hidrelétricas: uma ao pé da barragem, a Ricobayo I, e uma subterrânea, a Ricobayo II. A primeira delas foi pioneira quando entrou em operação em 1935, marcando um marco na história da produção elétrica na Europa. A barragem de Ricobayo, associada às duas usinas hidrelétricas, está localizada na bacia do rio Esla, tem quase 100 metros de altura, conta com um volume total de 1.148 hm³ e sua superfície inundada é de quase 6 hectares (precisamente 5.725 ha). Em relação às usinas hidroelétricas associadas à barragem, Ricobayo I conta com uma potência nominal de 174,53 MW, enquanto a de Ricobayo II chega a 153,56 MW. 

O reservatório e a barragem de Ricobayo: uma construção histórica 

O primeiro projeto de construção da barragem de Ricobayo, menos ambicioso que o definitivo, data de 1919 quando o engenheiro civil José Orbegozo criou a Sociedad Hispano Portuguesa de Transportes Eléctricos para aproveitar o fluxo do rio Esla - o maior afluente do rio Douro. Orbegozo queria criar o maior reservatório da Europa, com cerca de 1.200 hm³, o que permitiria armazenar água no inverno e, portanto, ter uma grande capacidade reguladora

Os trabalhos começaram em 1929. A barragem de Ricobayo teria quase 100 metros de altura e mais de 200 metros de comprimento. Para este impressionante trabalho de engenharia, foi utilizada uma pedreira de granito de 400.000 m3 e pedras que pesavam até 2 toneladas, de modo que, para realizar sua construção, foi projetada uma vila inteira, o Salto del Esla, que abrigou os milhares de trabalhadores que foram empregados na construção da barragem. Por isso, no verão de 1930, o número de trabalhadores chegou a 2.600. Mais tarde, a mesma vila acolheu aqueles que vieram para trabalhar na usina hidrelétrica.

MAIS DE 90 ANOS DE HISTÓRIA

BARRAGEM DE RICOBAYO (ZAMORA)

  • Detalle de la presa en construcción 1929 Início das obras da barragem de Ricobayo (Zamora), com quase 100 metros de altura e mais de 200 em comprimento. A barragem foi construída com uma pedreira de granito de 400.000m3 e pedras com peso de até 2 toneladas.
  • Los trabajadores sobre la presa en construcción 1930 No verão de 1930, o número de trabalhadores chegou a 2.600.
  • Outubro de 1930 Visita do rei Alfonso XIII.
  • 1935 Ricobayo I inicia suas operações com uma potência de 100 MW (apenas 3 dos 4 grupos entram em funcionamento) e começa o fornecimento de energia elétrica do Salto de Ricobayo ao norte da Espanha através da linha "Esla - Alonsótegui" a 138.000 volts.
  • 1937 A usina se conecta a León por meio de uma linha de 110 km.
  • 1943 É construído o Laboratório de Hidráulica, a primeira instalação de P&D deste tipo, para estudar uma solução para o problema de erosão sofrido pela usina. Hoje, o laboratório já produziu mais de 150 testes de modelos reduzidos de barragens, vertedouros, túneis, vórtices e curvas de rendimento. A solução para os problemas no vertedouro, um sistema para quebrar a força da água, que foi estudado na Escola de Engenharia Civil de Madrid.
  • Vista aérea de la presa Março de 1948 A fabricação do quarto grupo, distinguido dos outros três por seu alternador, sua turbina e por ter uma ponte menor, veio mais tarde porque o navio no qual as máquinas viajavam afundou durante a Segunda Guerra Mundial e teve que ser fabricado novamente. Iniciou suas operações em março de 1948.
  • Gruas trabajando 1991 Começa a construção de sua ampliação. Se acrescenta uma nova usina para duplicar a capacidade instalada com Ricobayo II, de 158 MW.
  • Detalle del interior de la obra 1999 Início do funcionamento de Ricobayo II.
  • Vista aérea de Ricobayo 2019 Completa-se 90 anos do início da construção de Ricobayo.

 Veja fotos históricas de nossas instalações hidrelétricas.

Em 1935, a usina hidrelétrica de Ricobayo I iniciou suas operações com uma capacidade de 100 MW e começou a fornecer eletricidade pelo Salto de Ricobayo ao norte da Espanha através da linha Esla - Alonsótegui a 138.000 volts. Dois anos depois, em 1937, a usina foi conectada a León por meio de uma linha de 110 km, multiplicando depois as conexões com o resto de Castela e Cáceres. 

Naquela época, apenas três dos quatro grupos começaram a operar. A fabricação deste quarto conjunto - distinguido dos outros três por seu alternador, sua turbina e por ter uma ponte menor - foi complicada pelo fato de que o navio no qual as máquinas viajavam afundou durante a Segunda Guerra Mundial e teve que ser reconstruído. Como resultado, este quarto conjunto não foi ativado até 1948. 

Em 1991, foi iniciada a construção de Ricobayo II, uma nova usina hidrelétrica, de caráter subterrâneo, que busca duplicar a capacidade instalada, acrescentando 158 MW. 

Iberdrola, líder mundial em energias renováveis

Na Iberdrola, estamos comprometidos com as energias renováveis há mais de duas décadas como um pilar fundamental sobre o qual construir nosso modelo de negócios seguro, limpo e competitivo. Graças a essa visão, hoje somos líderes mundiais em energias renováveis, alcançando 42.387 MW de energia limpa em operação após o primeiro trimestre de 2024.

Esse compromisso está refletido em nosso Plano Estratégico, no qual destinaremos 15,5 bilhões de euros brutos para energias renováveis. Desse total, mais da metade terá como foco a energia eólica offshore nos EUA, no Reino Unido, na França e na Alemanha, sendo que 28% será designado à energia eólica onshore e 18%, à energia solar.