PARQUE EÓLICO 'OFFSHORE' DE SAINT-BRIEUC

Saint Brieuc: o primeiro grande projeto de energia eólica 'offshore' da Iberdrola na Bretanha francesa

Com o início da fase de operação em 2023, o parque eólico terá capacidade total instalada de 496 megawatts (MW), energia suficiente para atender ao consumo de energia de 835.000 pessoas.

Localização
Baía de Saint-Brieuc, França

N° aerogeradores
62 turbinas SG 8.0-167 DD

Distância
A 16 km da costa francesa

Capacidade total instalada
496 MW

Investimento
2,4 bilhões de euros

Início da fase de operação
2023

Projeto
Saint-Brieuc

A região da Bretanha é uma terra de fortes ventos e grandes marés, características que sempre determinaram a paisagem, a economia e a vida na região. Com a ideia de aproveitar todo o seu potencial energético, a empresa projetou o parque eólico offshore de Saint-Brieuc: o primeiro em grande escala de energia eólica offshore na Bretanha e um dos primeiros na França a conseguir todas as autorizações necessárias por parte das administrações para sua construção e operação.

Com investimentos de 2,4 bilhões de euros, o parque eólico está previsto para iniciar sua fase de operação em 2023 e vai produzir energia suficiente para atender à demanda energética de 835.000 pessoas.

Isso será possível graças à capacidade total instalada de 496 megawatts (MW), distribuídos por 62 turbinas de 8 MW de potência. As turbinas serão instaladas por uma área de 75 km2, a cerca de 16 km da costa francesa.

LOCALIZAÇÃO DO PROJETO

Parque eólico 'offshore' de Saint-Brieuc.#RRSSLocalização do parque eólico offshore de Saint-Brieuc.

EVOLUÇÃO DAS OBRAS

O grupo Iberdrola, em colaboração com as empresas francesas RES e Caisse Des Dépôts, ambas integrantes do consórcio Ailes Marines (propriedade da Iberdrola após a recente aquisição de todas as suas ações), já iniciou a primeira fase de construção: a análise das condições técnicas e ambientais do local.

Esse primeiro passo consistiu em instalar, na área onde o parque será construído, três sistemas de medição do vento para registrar o potencial eólico da região durante os próximos dois anos. Isso será feito através do sistema LIDAR (Light Detection And Ranging), que permite determinar a direção predominante do vento para identificar qual é a posição mais adequada de instalação dos aerogeradores e, assim, garantir o melhor desempenho energético possível.

A empresa marítima holandesa Van Oord foi selecionada para transportar e instalar as 62 fundações tipo jacket — estrutura de treliça de aço — e a subestação offshore. A Van Oord iniciará as operações offshore em 2021 com a instalação das estacas, pelo qual implantará sua embarcação de instalação offshore Aeolus. O Aeolus, fabricado especificamente com a finalidade de construir parques eólicos offshore, será assistido por um segundo navio em 2022.

Saint Brieuc também terá participação espanhola com a presença da empresa Siemens Gamesa Renewable Energy (SGRE), que será responsável pela fabricação das turbinas do parque, de 207 metros de altura cada. Elas serão equipadas com a mais avançada tecnologia de direct drive, e suas pás — de quase 82 metros de comprimento — oferecerão uma área de varredura 18 % superior em relação ao modelo anterior, aumentando, assim, a produção anual de energia em 20 % em comparação com a sua predecessora.

Os aerogeradores serão produzidos na fábrica que a Siemens Gamesa começou a construir no porto francês de Le Havre, de onde sairão as pás, as naceles e as turbinas. A fábrica também possui uma área logística para os trabalhos de instalação, o que permitirá gerar 750 empregos que estarão plenamente operacionais em 2021.

Por outro lado, os sistemas de cabeamento de interconexão submarina serão proporcionados pelo Prysmian Group — líder mundial no setor de sistemas de cabeamento de energia e telecomunicações e que já trabalha conosco nos parques de Wikinger e Vineyard Wind — com o qual assinamos um contrato por um valor de cerca de 80 milhões de euros.

A empresa Prysmian instalará e colocará em funcionamento 90 km de cabos de interconexão de corrente alternada de alta tensão de 66 kV e três núcleos com isolamento XLPE. Os núcleos dos cabos serão fabricados nos centros de excelência do grupo localizados em Montereau-Fault-Yonne e Gron (França). Posteriormente, serão montados e finalizados em Nordenham (Alemanha), dando assim ao mercado francês os sistemas de cabeamento de última geração da Prysmian, de fabricação local. A entrega e a colocação em funcionamento estão previstas para o final de 2022.

Quando entrar em operação, em 2023, o complexo eólico vai ser a quarta instalação desse tipo do grupo Iberdrola, atrás da West of Duddon Sands, localizada no Mar da Irlanda; Wikinger, no Mar Báltico — esses dois primeiros já estão em funcionamento —; e East Anglia ONE, na região sul do Mar do Norte, que será um dos maiores parques eólicos offshore do mundo.