FOODTECH

'Foodtech', a transformação tecnológica do setor alimentício

#ciência #sociedade #P+D+I

As novas tecnologias transformaram o mundo e as regras de jogo em muitos setores. O alimentício, pelo contrário, ainda está se perguntando como aplicar inovações como o big data ou a Internet das Coisas (IoT) em seu negócio. Os desafios do setor são numerosos, incluída a sustentabilidade alimentar, e as foodtech marcam o caminho.

A tecnologia é atualmente o ingrediente mais valorizado da nossa dieta. É o que se comprova com o crescente investimento em projetos de inovação, como por exemplo aqueles relacionados com o foodtech, por parte da indústria agroalimentar mundial. O objetivo para o setor é se adaptar aos novos tempos e chegar a consumidores cada vez mais exigentes e com hábitos alimentícios mais saudáveis e sustentáveis.

O QUE SÃO AS 'FOODTECH'?

As foodtech — uma palavra inglesa que fusiona food (comida) e technology (tecnologia) — são empresas e projetos que aproveitam tecnologias como a Internet das Coisas (IoT), o big data e a Inteligência Artificial (IA), entre outras, para transformar a indústria agroalimentar num setor mais moderno, sustentável e eficiente em todas as suas etapas, que vão desde a elaboração dos alimentos até a distribuição e o consumo.

Estes projetos de pesquisa e desenvolvimento (P+D) estão geralmente controlados por start-ups muito inovadoras que fazem fortes investimentos e tentam dar soluções criativas e tecnológicas para desafios contemporâneos tais como: crescimento demográfico e suas repercussões na segurança alimentar, digitalização da sociedade, efeitos das mudanças climáticas, falta de recursos naturais, desperdício alimentar e impacto ecológico da produção de alimentos.

O IMPACTO DAS 'FOODTECH'

As empresas foodtech representam uma minúscula parcela da indústria agroalimentar, mas se tornaram a vanguarda do setor. Algumas destas start-ups estão listadas inclusive no índice Nasdaq (a Bolsa tecnológica dos Estados Unidos), como por exemplo a Beyond Meat e seu célebre hambúrguer vegetal de laboratório, que foi financiado, entre outros, por personagens tão conhecidos como Bill Gates (cofundador da Microsoft) ou pelo ator Leonardo Di Caprio.

O potencial das start-ups foodtech convence também os analistas de mercados. Em plataformas como Research and Markets, há estudos como o Global Food Tech Market Analysis & Forecast 2016-2022 que concedem a este setor um valor total de mais de 250 bilhões de dólares em 2022, graças, em parte, à popularização do comércio eletrônico, ao crescimento da Internet e à introdução dos celulares inteligentes.

Os alimentos do futuro.#RRSSOs alimentos do futuro.

 VER INFOGRÁFICO: Os alimentos do futuro [PDF]

TENDÊNCIAS E EXEMPLOS DE 'FOODTECH'

Na revolução alimentar provocada pelas foodtech se destacam especialmente: a agricultura biotecnológica, as plataformas de compra e venda de produtos agrários, a bioenergia e os biomateriais, a robótica agrícola, os alimentos ecológicos e os novos sistemas de cultivo, entre outras categorias. O portal TechFood Magazine identifica algumas tendências foodtech:

 As dietas personalizadas

Este mercado de 127 bilhões de dólares em termos globais tem iniciativas bem-sucedidas no Japão: um programa que utiliza a IA, as redes sociais e o ADN para criar cardápios adaptados a cada pessoa.

 As proteínas vegetais e a carne sintética

Os hambúrgueres de laboratório estão recebendo boas críticas e causam sensação entre o grande público. Também existem protótipos de bifes de carne artificial que poderiam ser comercializados em 2 ou 3 anos.

 O snacking e o upcycling

Os insectos, as algas ou a pele que sobra do salmão são ingredientes que já podem ser incluídos na categoria de aperitivos saudáveis, cujo mercado internacional poderia chegar a um valor de 32 bilhões de dólares em 2025, conforme vaticina a empresa de consultoria Grand View Research.

 A rastreabilidade alimentar

Os grandes supermercados estão começando a utilizar a tecnologia blockchain para garantir, por exemplo, que sua carne de frango procede de aves isentas de antibióticos.

 A automatização de supermercados e restaurantes

Garçons e cozinheiros robóticos, veículos de distribuição dirigidos remotamente e drones que supervisionam as estantes lineares e fazem o inventário em tempo real são algumas das inovações da venda ao público.

OS DESAFIOS DA SUSTENTABILIDADE ALIMENTAR

A Organização das Nações Unidas (ONU) inclui, em seus Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), os principais desafios alimentares do planeta. A seguir, expomos alguns deles:

  • A indústria agroalimentar mundial consome 30% da energia que produzimos e emite 22% das emissões totais de gases de efeito estufa (GEE).
  • Anualmente, desperdiçamos um terço dos alimentos que produzimos, às veces inclusive antes de chegarem à mesa. Além disso, 26% da humanidade tem obesidade ou excesso de peso.
  • A nossa dieta repercute no meio ambiente através do consumo de energia relacionada com os alimentos e a geração de resíduos.
  • O empobrecimento do solo, o desperdício de água, a pesca em grande escala e a degradação dos ecossistemas marinhos estão diminuindo a nossa capacidade para produzir alimentos.