PAÍSES MAIS INOVADORES DO MONDO

Quais são os países mais inovadores do mundo?

#turismo #P+D+I #sociedade

O que é que converte um país em uma referência em termos de inovação (P+D)? A empresa Bloomberg criou o Índice Global de Inovação para estabelecer uma classificação com os países mais inovadores do mundo. O Índice avalia questões tais como o registro de patentes, o investimento em educação ou a produtividade. Conheça os dez países que lideram este ranking.

A Coreia do Sul é o país mais inovador do planeta. É o que afirma o Índice mundial de Inovação 2019 elaborado pela empresa Bloomberg, especializada em informação e atualidade econômica. Para chegar a esta conclusão, a Bloomberg analisou detidamente a economia de 200 países, investigando diferentes critérios com dados fornecidos por organismos como: Banco Mundial (BM), Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico (OCDE), Fundo Monetário Internacional (FMI), Organização Internacional do Trabalho (OIT), Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI) ou Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

O QUE É O ÍNDICE MUNDIAL DE INOVAÇÃO?

A lista finalmente apresentada se reduz às 60 nações mais inovadoras — com pontuações de 0 a 100 —, entre as 95 que cumpriam os requisitos, sendo eliminadas aquelas que não facilitaram dados de pelo menos seis das sete categorias principais nas quais se baseia este ranking de inovação:

 Investimento em P+D
Porcentagem do Produto Interno Bruto (PIB) de um país dedicado à Pesquisa e Desenvolvimento. A Coreia do Sul é líder nesta categoria e destina 4,3 % do seu PIB — quase 70 bilhões —.

 Registro de patentes
Número de patentes registradas em termos internacionais. Os Estados Unidos continuam sendo líderes devido à sua potente indústria tecnológica, onde cresce principalmente o registro de patentes relacionadas com a Inteligência Artificial (IA).

 Investimento em educação superior
Refere-se ao nível educativo dos trabalhadores, mais concretamente daqueles que atingem estudos universitários, pós-graduações e doutorados. Singapura está na liderança, ao investir 20% de seu orçamento anual. Em contraposição, os Estados Unidos apenas dedicam 2%.

 Valor agregado na indústria
O Escritório de Análise Econômica dos Estados Unidos define valor agregado como "a contribuição da indústria privada ou do setor público ao PIB global". Conforme a Bloomberg, este item estaria liderado pela Irlanda.

 Produtividade
A Irlanda também domina esta categoria graças àquilo que o Prêmio Nobel de Economia, Paul Krugman, definiu como leprechaun economics — economia de duendes — após o forte aumento do PIB do país como consequência da enorme presença de empresas multinacionais.

 Densidade de empresas públicas de alta tecnologia
Abarca empresas dedicadas à informática, biotecnologia, eletrônica, etc. Nesta seção, os Estados Unidos são o líder indiscutível ao ser a sede das empresas tecnológicas mais importantes do mundo.

 Concentração de pesquisadores
Profissionais da ciência e da engenharia — inclui estudantes de doutorado — por número de habitantes. Aqui a taça vai para a Dinamarca, onde cerca de uma quinta parte de sua pesquisa é citada em 10 % das publicações mais importantes dos países da OCDE.

OS PAÍSES MAIS INOVADORES DO MUNDO

Tendo em conta os sete fatores citados, o Índice de Inovação 2019 da Bloomberg determina que estes são os 10 países mais inovadores do mundo:

 Coreia do Sul
O país asiático tem algumas das empresas tecnológicas mais importantes do mundo graças aos incentivos ao setor privado. Além disso, é o maior fabricante de smartphones e televisores. A sua aposta na educação superior se traduz num grande número de pesquisadores.

 Alemanha
A medalha de prata é para o país germano pelo valor agregado da sua indústria e pela concentração de empresas de alta tecnologia que promovem a pesquisa em setores como o automobilístico ou o eletrônico. Também é um dos cinco países com mais empresas unicórnio.

 Finlândia
É um dos países que mais investem em P+D (3,2 % do seu PIB) e se destaca pelo seu alto registro de patentes, sua produtividade e um forte investimento em educação superior. Os principais setores da sua economia são: metal, engenharia e eletrônica.

 Suíça
É o lar de algumas das maiores multinacionais do planeta e de prestigiosos organismos internacionais. A sua posição no ranking se explica pela sua potente indústria, sua força em termos de P+D ou sua alta concentração de pesquisadores científicos em centros como o CERN.

 Israel
Israel é o país com o segundo maior número de start-ups do mundo, perdendo somente para os Estados Unidos. Possui uma indústria tecnológica de primeiro nível, onde se fomenta o empreendimento. Está entre os primeiros países em concentração de pesquisadores científicos e registro de patentes.

Os países mais inovadores do mundo.#RRSSOs países mais inovadores do mundo.

 VER INFOGRÁFICO: Os países mais inovadores do mundo [PDF]

 Singapura
Uma das economias mais fortes do mundo — o segundo país onde é mais fácil fazer negócios conforme o Banco Mundial —. Também se destaca pelo seu nível educativo, sendo uma referência em eficiência energética.

 Suécia
Uma das economias mais inovadoras do mundo graças ao seu alto nível de produtividade e a um decidido investimento em tecnologia, sendo as telecomunicações e o equipamento informático dois dos grandes promotores do crescimento de seu PIB.

 Estados Unidos
A primeira economia mundial se coloca no Top 10 deste índice graças a um setor tecnológico que lidera o número de criação de start-ups e à concentração de empresas de alta tecnologia — San Francisco é a sede da maioria delas —. Líder mundial no registro de patentes.

 Japão
O país asiático está na liderança de áreas como a robótica, biotecnologia, nanotecnologia ou energias renováveis. Também é o terceiro maior fabricante de carros mundial e um dos maiores fabricantes de eletrônica de consumo.

 França
Destaca-se pela grande densidade de empresas públicas de alta tecnologia, o que é lógico se levamos em conta que alguns dos principais setores econômicos do país são as telecomunicações, a eletrônica, a indústria aeroespacial e o automobilístico.