Desafios logísticos durante a construção de nossas instalações renováveis

Descubra os principais desafios logísticos no setor das energias renováveis

P+D+I Transporte Energias renováveis

A construção de instalações de energia renovável enfrenta uma série de desafios que vão desde o transporte de componentes individuais até a gestão de licitações e contratos para os vários equipamentos principais, além de muitos outros. Uma boa organização logística e de rastreamento é essencial para superar possíveis interrupções na cadeia de suprimentos global e para reduzir os riscos, danos, complexidades e custos inerentes aos projetos.

Construir e colocar em funcionamento infraestruturas de energia renovável é um desafio no qual inúmeros eventos e obstáculos imprevistos podem surgir. Uma das principais ferramentas para enfrentar esta ambiciosa tarefa é uma boa logística que permite a definição de prazos, meios e processos precisos para o cumprimento eficiente do serviço.

Mas uma previdente organização não inclui apenas o transporte de peças, mas também todas as atividades necessárias para garantir que os suprimentos cheguem ao local de instalação, que as importações e exportações cumpram com as regulamentações internacionais ou que possam definir possíveis necessidades de armazenamento de materiais, entre muitas outras.

O passo a passo da logística na construção de instalações renováveis

Cada uma das etapas anteriores à construção de uma instalação de energia renovável é importante e deve ser realizada com atenção aos detalhes para evitar qualquer falha ou imprevisto. As fases desta gestão logística são:

Oferta e contratação

Antes de agir, é necessário planificar. Cada processo logístico deve começar com uma definição da estratégia a ser seguida, que responde a diferentes perguntas: Onde ocorrerá a fabricação? O processo envolve alguma importação ou exportação? Quais são as opções de transporte disponíveis? Quais são as datas de necessidade para a instalação? Além disso, devem ser estabelecidos os requisitos logísticos (por exemplo, embalagem, armazenamento e conservação) e, naturalmente, os requisitos de monitoramento.

Lançamento do suprimento

Posteriormente, devem ser revistos o alcance e os requisitos dos suprimentos necessários. Neste ponto é necessário considerar quem deve ser informado sobre o progresso e planejar atividades de monitoramento na fonte.

Fabricação

Aqui se realiza a coleta de materiais e subcomponentes, enquanto se inicia a fabricação dos diferentes equipamentos e componentes e o monitoramento e comunicação com os fornecedores, o resto das áreas envolvidas e os responsáveis por cada projeto.

Exportações e importações

Esta fase envolve uma revisão cuidadosa dos contratos de compra e venda para estar em acordo com as normas do Comércio Internacional. São definidos os Incoterms mais apropriados, as responsabilidades e os processos documentais e financeiros das transações.

Transporte

Antes da construção, a operação é ajustada e são seguidas as estratégias de transporte definidas pelo contrato e as necessidades de cada projeto. A execução também envolve supervisão precisa para garantir que todos os equipamentos e componentes sejam entregues no momento certo.

Um resumo dos principais desafios logísticos

Os desafios que se apresentam para a construção de uma instalação renovável são tão variados quanto o número de partes envolvidas e as tarefas que implica. Aqui estão alguns dos principais desafios:

Estocagem e armazenamento de materiais

Planejar as possíveis necessidades de estoques e de armazenamento pode reduzir o número de eventos imprevistos durante a construção de uma instalação renovável. Este é o caso dos projetos fotovoltaicos, que por terem um processo de instalação ágil e sistematizado exigem uma estratégia cuidadosa para evitar faltas de material que interrompam a construção.

Os módulos fotovoltaicos são tipicamente fabricados na Ásia e, em um contexto de alta demanda, é particularmente importante gerenciar os processos de aquisição precoce. Também é essencial garantir a disponibilidade de espaço de armazenamento para materiais em um local próximo aos parques para permitir suprimentos rápidos e variados.

Cadeias de suprimento global

A logística de projetos renováveis, como parte da cadeia de suprimento global, sofre com a escassez de produtos, falta de estoque, dificuldades de transporte e aumentos de preços e prazos de entrega. Além disso, em muitos casos, os fabricantes negociam seus contratos para cima para tentar compensar as perdas.

Os projetos renováveis, portanto, enfrentam desafios devido à interdependência e fragilidade da cadeia de suprimento global, o que pode levar a atrasos e paradas de produção.

Transporte de equipamentos importantes

O transporte dos principais suprimentos e equipamentos é uma das partes mais importantes da construção de uma instalação renovável. E isto se traduz em um peso econômico significativo: em parques eólicos onshore, por exemplo, o transporte representa aproximadamente 7-10 % do custo do projeto, às vezes ainda mais dependendo de sua origem de fabricação e dificuldade operacional.

Se nos concentrarmos neste tipo de parques eólicos, o transporte é um verdadeiro desafio para a logística. Tanto as dimensões quanto o peso das turbinas eólicas são cada vez maiores para atingir uma máxima eficiência, o que torna sua mobilidade mais complicada a ponto de se tornar um fator limitante no projeto. Além disso, esses projetos geralmente estão localizados em regiões montanhosas com declives de acesso íngremes e curvas muito acentuadas.

De modo geral, a logística neste ponto envolve um estudo detalhado da rota e da estratégia de transporte. As pás são o elemento mais longo: cada pá pode atingir mais de 80 metros e pesar várias dezenas de toneladas. Neste tipo de transporte, são necessários veículos especializados que permitam grande mobilidade a fim de gerenciar com sucesso as curvas dos caminhos, especialmente em estradas municipais e acessos aos parques eólicos.

Em casos extremos, é utilizada uma configuração de transporte muito especial chamada Blade Lifter. Esta tecnologia eleva a lâmina por meio de um mecanismo, geralmente um elevador hidráulico, para reduzir os raios de giro e a interferência da lâmina ao girar, facilitando a condução em estradas estreitas ou mesmo em áreas urbanas.

Mega pás

O sistema permite o transporte de pás de até 80 metros em estradas com curvas acentuadas.

Reboque

O reboque traseiro é acoplado ao conjunto para uma maior manobrabilidade.

Inclinação

A pá é inclinada até 60° acima do eixo horizontal, encurtando o conjunto.

Rotação lateral

As pás podem ser giradas 360° durante a condução (para evitar o vento, por exemplo). Um terceiro eixo de giro vertical permite realizar um ângulo lateral de 20°. Uma opção muito útil para áreas muito edi cadas.

Um operador acompanha o Blade Lifter a pé, com um controle para ir ajustando a posição da pá.

Velocidade máxima do vento para transportar a pá levantada.

10
m/s

BLADE LIFTER

Este sistema de inclinação das pás durante o transporte reduz o impacto ambiental, evitando modificações no caminho das estradas.

BLADE LIFTER

Este sistema de inclinação das pás durante o transporte reduz o impacto ambiental, evitando modificações no caminho das estradas.

Inclinação

A pá é inclinada até 60° acima do eixo horizontal, encurtando o conjunto.

Mega pás

O sistema permite o transporte de pás de até 80 metros em estradas com curvas acentuadas.

Rotação lateral

As pás podem ser giradas 360° durante a condução (para evitar o vento, por exemplo). Um terceiro eixo de giro vertical permite realizar um ângulo lateral de 20°. Uma opção muito útil para áreas muito edi cadas.

Reboque

O reboque traseiro é acoplado ao conjunto para uma maior manobrabilidade.

10
m/s

Velocidade máxima do vento para transportar a pá levantada.

Um operador acompanha o Blade Lifter a pé, com um controle para ir ajustando a posição da pá.

VER INFOGRÁFICO: Blade Lifter [PDF]

Assim como as pás, as nacelas —a parte da turbina eólica que abriga os principais elementos mecânicos e elétricos— se destacam por seu grande tamanho e peso. Sua largura e altura medem cerca de 4 metros ou até mais, enquanto seu peso tornou necessário nos últimos anos projetá-las de tal forma que possam ser transportadas em várias peças separadas, a fim de facilitar seu transporte e a instalação. O mesmo vale para as torres —que têm de ser transportadas em várias seções (4 a 7, dependendo da altura do cubo) e pesar entre 50 e 80 toneladas.

No caso da energia eólica offshore, os fabricantes tendem a instalar seus parques em áreas de fácil acesso ao mar ou a rios para facilitar o transporte marítimo ou fluvial. De lá, os componentes começam uma viagem de navio até o porto de pré-montagem onde são preparados e depois transferidos por navio de instalação para o ponto de montagem no mar

No caso de projetos de Hidrogênio Verde, a logística mais complicada está centrada nos tanques ou colunas de armazenamento de hidrogênio. Estes tanques são muito espessos, o que resulta em pesos de cerca de 80 toneladas por unidade, e sua largura e comprimento excessivos significam que eles têm que ser tratados como transportes especiais.

Os componentes das usinas hidrelétricas —turbinas, geradores, transformadores, grandes canalizações, etc.— também contam com um enorme tamanho. Além disso, as rotas e características das estradas pelas quais devem percorrer, com declives acentuados, representam um desafio para a logística, que deve buscar soluções para uma mobilização eficiente.

Pegada de carbono do transporte

A redução das emissões de gases de efeito estufa provenientes do transporte é outro grande desafio. O objetivo é tornar os projetos renováveis o mais sustentável possível em cada etapa de sua construção.

Algumas soluções envolvem a seleção de fábricas de produção mais próximas aos locais dos parques ou o agrupamento de cargas marítimas de diferentes componentes e projetos, a fim de reduzir o número de cargas necessárias.

Novas tecnologias de propulsão estão sendo desenvolvidas atualmente para motores de navios que são movidos a amoníaco em vez de combustíveis fósseis pesados. Mas se esta amônia também for produzida a partir do hidrogênio verde, como a Iberdrola já está fazendo, e, por sua vez, a expansão do transporte utilizando motores elétricos for alcançada, a pegada de carbono associada à logística de projetos renováveis será substancialmente reduzida.

Como Iberdrola lida com esses desafios?

A Iberdrola depende fortemente de diferentes partes para enfrentar estes desafios logísticos: grandes tecnólogos que fabricam os principais equipamentos, fornecedores de transporte, plataformas de armazenamento, instalações portuárias, empresas de montagem e instalação, etc.

No entanto, a Iberdrola possui uma área de Serviços Logísticos Globais que possui ampla experiência no transporte mundial de todos os tipos de grandes equipamentos para vários projetos e na supervisão e desempenho de todos os tipos de operações logísticas, a fim de reduzir o risco dos processos de suprimentos nos projetos, enquanto busca a máxima eficiência em termos de tempo e custo.