REALIDADE VIRTUAL, A TECNOLOGIA DO FUTURO

Realidade Virtual: outro mundo ao alcance de seus olhos

Quando se fala em Realidade Virtual (RV), muitos de nós pensamos em filmes de ficção científica como 'Minority Report'. No entanto, a verdade é que, hoje em dia, é uma tecnologia que combina totalmente com nosso dia a dia. A seguir, explicamos exatamente em o que isso consiste.

O QUE É REALIDADE VIRTUAL?

A Realidade Virtual (RV) é um ambiente — gerado por meio de um computador — com cenas e objetos que parecem reais, fazendo com que os usuários se sintam imersos nessa realidade. Esse ambiente é percebido através de um óculos ou capacete de Realidade Virtual. A RV nos permite mergulhar em videogames como se fôssemos os próprios personagens, aprender a fazer cirurgias cardíacas ou aprender a melhorar a qualidade de um treinamento esportivo para maximizar o desempenho.

Embora isso possa parecer extremamente futurista, essa tecnologia não é tão recente como se pensa. Muitos consideram que um dos primeiros dispositivos de Realidade Virtual foi a Sensorama, uma máquina com assento embutido que reproduzia filmes em 3D, exalava cheiros e gerava vibrações para tornar a experiência o mais real possível. A invenção remonta meados dos anos 50. A partir daí, nos anos seguintes, o desenvolvimento tecnológico e de software garantiu evoluções significativas, tanto em dispositivos quanto no design de interfaces.

DIFERENÇAS EM RELAÇÃO À REALIDADE AUMENTADA

Apesar de se tratar de uma tecnologia que surgiu há décadas, o conceito de Realidade Virtual ainda está muito distante para muitas pessoas. Também é bastante comum confundir a expressão Realidade Virtual com a de Realidade Aumentada.

A principal diferença entre as duas tecnologias está no fato de que a RV cria um mundo em que mergulhamos através de óculos específicos. Trata-se de um ambiente totalmente imersivo em que tudo o que vemos faz parte de uma realidade construída de forma artificial através de imagens, sons etc. No caso da Realidade Aumentada (RA), por outro lado, o nosso próprio mundo se transforma em um espaço em que objetos, imagens ou semelhantes são colocados. Tudo o que vemos está em um ambiente real e pode ser que não seja estritamente necessário usar óculos. O exemplo mais claro e mainstream desse conceito é o Pokémon Go.

No entanto, existe uma tecnologia híbrida — chamada de Realidade Mista — que combina as duas realidades. Ela permite, por exemplo, ver objetos virtuais no mundo real e construir uma experiência em que o físico e o digital não tenham distinção.

PRINCIPAIS APLICAÇÕES DA REALIDADE VIRTUAL

Até aqui, a teoria que nos projeta para o futuro. Mas em quais setores a Realidade Virtual está sendo usada atualmente? Medicina, cultura, educação e arquitetura são algumas das áreas que já exploram as vantagens oferecidas por essa tecnologia. De visitas guiadas em museus à dissecação de um músculo, a RV permite cruzar fronteiras que, de outra forma, não seriam imagináveis.

Usos inovadores da Realidade Virtual.#RRSSUsos inovadores da Realidade Virtual.

  VER INFOGRÁFICO: Usos inovadores da Realidade Virtual [PDF]

Saiba como a Realidade Virtual já está sendo usada
 

COMO A REALIDADE VIRTUAL ESTÁ SENDO USADA?

  • Gastronomia: agora podemos viajar virtualmente para diferentes lugares e mergulhar em determinados ambientes enquanto saboreamos os pratos dessas regiões.
  • Medicina: o Centro Superior de Pesquisas Científicas (CSIC) conseguiu diminuir os efeitos do Parkinson em vários pacientes ao aplicar um tratamento com RV.
  • Meios de comunicação: o jornalismo imersivo permite que o usuário viaje para o lugar dos fatos com vídeos ao vivo em 360º transmitidos por streaming.
  • Educação: nas salas de aula, o uso da RV permite que os alunos assimilem melhor o conteúdo, assim como ajuda os estudantes com dificuldades de aprendizagem.
  • Entretenimento: os usuários podem entrar no cenário dos videogames e praticar esportes de risco sem sair do sofá.
  • Arquitetura: a RV permite que os arquitetos estudem melhor o espaço e apresentem o projeto aos clientes.
  • Indústria: os Digital Twin são cópias digitais de objetos físicos que podem ser usados pelos trabalhadores das fábricas para praticar e testar em um mundo virtual.
  • Cultura/Arte: alguns museus e galerias oferecem visitas virtuais ou experiências imersivas para ajudar a compreender a história e a cultura associada a cada obra.
  • Militar: o Ministério da Defesa britânico utiliza a RV para treinar os militares em ambientes de combate simulados.

Ocultar informações
 

O FUTURO DA REALIDADE VIRTUAL

A Realidade Virtual é uma das tecnologias com maior projeção de crescimento. De acordo com as últimas previsões da IDC Research (2018), os investimentos em RV e RA serão multiplicado por 21 nos próximos quatro anos, alcançando os 15,5 bilhões de euros em 2022. Além disso, as duas tecnologias serão fundamentais para os planos de transformação digital das empresas. Em 2019, os gastos nessa área serão maiores do que os no segmento de consumo. Espera-se que, até 2020, mais de 50% das grandes empresas europeias contem com uma estratégia de RV e RA.

Hoje em dia, o mercado demanda aplicações que vão para além do lazer, do turismo ou do marketing e que sejam mais acessíveis para os usuários. Também é necessário melhorar as interfaces virtuais para evitar defeitos como o clipping, que dá a impressão de que determinados objetos sólidos são atravessados. Ou minimizar os efeitos que a RV provoca no organismo, entre eles, o chamado motion sickness, que consiste em um enjoo que é provocado pelo desajuste entre o movimento de nosso corpo e a visão do mundo virtual.

As grandes empresas tecnológicas já trabalham para desenvolverem óculos que não necessitem de cabos e que permitam a visualização de imagens em HD. Estão desenvolvendo óculos de realidade virtual em 8K e com processadores muito mais potentes. Fala-se, inclusive, que a Realidade Virtual poderia se integrar à Inteligência Artificial nos próximos anos. O padrão 5G também pode oferecer cenários muito interessantes para a evolução da RV. Esse padrão permitirá conectar mais dispositivos e grandes comunidades de usuários. Além disso, sua latência quase imperceptível fará com que seja possível que os consumidores recebam as imagens em tempo real, quase como se estivessem sendo vistas com seus próprios olhos.

Tudo isso mostra que a Realidade Virtual já não é mais ficção científica. Essa tecnologia está integrada ao nosso presente e, nos próximos anos, protagonizará avanços que vão moldar o futuro.
 

 Competências digitais

 Como será a nova era tecnológica? (*)

   

(*) Disponível na versão em espanhol.